Conecte-se com a LIVE MARKETING

Empresa

Grupo Segurador Banco do Brasil e MAPFRE patrocina projetos de transformação social na infância e adolescência

Publicado

em

A Vocação e o Projeto Arrastão já atenderam mais de 3.100 crianças em São Paulo

O GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE acredita na transformação social por meio das artes e da cultura e, por isso, apoia projetos voltados para a infância e adolescência, a exemplo do Juventude#Consciente desenvolvido pela Vocação.

O projeto envolve 13 organizações da sociedade civil em São Paulo e mais de 2.524 crianças foram impactadas por ações socioeducativas sobre cidadania e consciência de consumo, além de atividades que estimulam a criatividade e a comunicação crítica e experiências culturais e artísticas.

“O Projeto engaja os envolvidos no conceito da cidadania planetária. Através de diferentes experimentações culturais e artísticas, educomunicação e práticas de empreendedorismo social, as crianças e adolescentes realizaram articulações no território com a comunidade para incremento e disseminação de práticas relacionadas ao consumo consciente e utilização responsável dos recursos naturais. Queremos que as ações sejam fonte de inspiração e de engajamento socioambiental”, comenta Milton Santos, da Vocação.

Outra instituição apoiada pelo GRUPO é o Projeto Arrastão, que somente este ano capacitará 420 crianças e adolescentes moradores da região do Campo Limpo, zona sul de São Paulo, com oficinas de empreendedorismo, inovação, criação e tecnologia.

O objetivo principal do projeto é desenvolver as habilidades dos participantes, capacitando-os a resolver problemas e encontrar soluções socioambientais para suas realidades, com isso são oferecidas ações voltadas para a educação, geração de renda e cultura, entre outros.

Durante o projeto, o aluno ainda desenvolve sua capacidade de empatia em relação ao cenário em que está inserido e as condições sociais que o rodeiam.

“Para o GRUPO, é fundamental o apoio para crianças e adolescentes. Vemos possibilidades reais de mudar uma realidade local e principalmente em uma época tão importante da vida como a infância e juventude quando eles ainda passam pela formulação do caráter, de prioridades, pensar no que desejam ser no futuro e seu papel na sociedade. Por isso, para nós, o estímulo a projetos como estes, que estimulam até mesmo o empreendedorismo social de interesse coletivo, podem fazer verdadeiras transformações na vida de muitas pessoas”, afirma Fátima Lima, diretora de Marketing e Sustentabilidade do GRUPO.

“Nossa prática comprova que este processo educativo estimula crianças, adolescentes e jovens a criarem competências no uso de ferramentas tecnológicas, na gestão de projetos empreendedores, no trabalho em equipe e em inovação na criação de soluções de impacto social. E, os resultados impactam a vida pessoal, a carreira profissional e os negócios criados por alguns deles. E, por sua vez as famílias, as comunidades locais e a própria cidade se desenvolvem de forma mais sustentável”, afirma Henrique Heder, Coordenador do Núcleo de Empreendedorismo e Inovação do Projeto Arrastão.

Continue lendo
Clique para comentar

You must be logged in to post a comment Login

Deixe uma resposta

Empresa

Os passos básicos para a omnicanalidade

Publicado

em

Os passos básicos para a omnicanalidade

Omnicanalidade é um tema quente em praticamente qualquer segmento do varejo. Apesar da recorrência do assunto no dia a dia das empresas, não há relação clara entre porte e capacidade de aplicação da omnicanalidade — pode ser extremamente trabalhoso a uma empresa grande, enquanto ocasionalmente é um processo totalmente descomplicado a uma empresa menor.

“É mais fácil começar uma estratégia quando você começa desde o zero. O grande desafio para uma empresa se tornar omnicanal é desmontar uma cultura já montada e montar outra. No caso de um varejista que quer atuar no mundo online e na venda direta, por exemplo: quando a empresa é menor, é mais rápida em se adaptar; quando é maior, tem todo seu sistema de legados diferente para compra, linguagens e épocas, com um OMS (order management system) conversando entre diferentes partes. Isso é muito complexo e muito caro”, observa o diretor de Negócios Digitais da Easynvest, André Beisert, ao introduzir o debate promovido pela Consumidor Moderno com o apoio da Always On.

Ausência da omnicanalidade é uma questão cultural

Seja maior ou menor, ainda é comum ver empresas distantes da multicanalidade.

O CEO da Always On concorda que essa é uma questão cultural. “A empresa precisa ter uma cultura de colocar o cliente no centro de tudo. Ao mesmo tempo que isso é mais fácil, ficou mais complexo por conta da quantidade de canais”, esclarece o executivo. Para ele, é comum encontrar atendimentos digitais pasteurizados, com robôs sem real funcionalidade e dicionário semântico mínimo.

“É uma questão de C-level e top down. É o líder olhando para o consumidor. Não é sempre na linearidade de ‘coloquei A em recursos e tirei B’ mas, no decorrer do processo, faz sentido”, Elcio. “É preciso primeiro pensar em ter foco no cliente e seus objetivos principais. Em seguida, disseminar isso na empresa. Depois, é preciso avaliar como levantar dados e usá-los em todos os níveis da empresa. É preciso analisar os dados com base nas necessidades. Por fim, tem-se que testar hipóteses”, ressaltou o executivo. “Não se deve primeiro comprar a tecnologia e depois simplesmente implementar.”

Beisert complementa dizendo que empresas que nunca trabalharam com dados têm um pouco a impressão de que o big data é um programa, algo que é instalado e faz com que os dados deem  respostas automaticamente. Mas não é assim. “Tudo começa pela estratégia. Você tem que achar um problema para resolver, como uma previsão de demanda melhor porque as variáveis que está usando não estão resolvendo, por exemplo”, diz.

Segundo Elcio, resolver a questão cultural, portanto, é o primeiro passo para uma empresa atingir a omnicanalidade. “Toda organização precisa se preocupar em atender o cliente integralmente, pois o cliente fiel se relaciona melhor e compra mais. Um ponto importante é pensar no custo permissivo. ‘Eu quero mandar esse disparo e ele custa, mas quanto custa perder esse cliente?’ Às vezes, é muito mais caro perder o cliente do que usar certas operações.”

Alinhamento de expectativas

Mais do que consciência, o processo em direção à omnicanalidade exige tempo e sintonia. Tomar uma decisão de implementar um grande projeto agora para ver seu resultado daqui dois anos parece uma estratégia delicada. As ferramentas escolhidas hoje podem mudar consideravelmente. Por isso, a melhor forma de se direcionar à omnicanalidade é observar cases de sucesso, se relacionar com quem tem experiência no assunto e estabelecer os marcos do projeto.

“É importante um alinhamento de expectativas. Uma das coisas que fazemos é trabalhar com a ‘curva abc’ de desafios que o cliente tem. Em geral, ela consiste em começar pelo maior problema a ser resolvido com o menor custo e resolução mais imediata. Isso é necessário porque os projetos têm uma curva de maturação dos investimentos tecnológicos e de recursos humanos. Quem contrata tem certa ansiedade sobre o andamento do projeto, mas o início de um projeto desses é como a fundação de uma casa: você coloca 30% do orçamento e a casa ainda não está em pé”, explica o executivo com a alegoria.

Uma forma de se alinhar as expectativas, aconselha Elcio, está no estabelecimento de entregas pequenas logo no começo para trazer segurança a quem implementa o projeto de omnicanaldiade.

O melhor a ser feito

Seja uma empresa pequena ou uma companhia envolvendo diversas áreas, segundo os especialistas no webinar, o melhor a se fazer é olhar para casos de sucessos e situar-se quanto à cultura corporativa.

“Não precisa pensar nada do zero. Mesmo uma ideia totalmente inovadora e brilhante vem quando você se inspira”, propõe André Beisert.

“Costumo falar na Always On que ‘feito é melhor do que perfeito desde que o feito seja bem-feito’. Então, a busca por inovação começa desde o começo. É preciso estruturar um bom plano, situar onde a empresa está — e não onde acha que está — para então traçar para onde quer ir. De fato, não precisa criar necessariamente do zero. Tem muita coisa a se embutir na cultura e fazer uma aceleração“, conclui Elcio.

Matéria publicada inicialmente na Revista Consumidor Moderno, confira aqui a publicação original.

Os passos básicos para a omnicanalidade

Os passos básicos para a omnicanalidade

Continue lendo

Empresa

TIM lança teclado contra o preconceito LGBTQIA+

Publicado

em

TIM lança teclado contra o preconceito LGBTQIA+

Um aplicativo que alerta os usuários sobre o uso de palavras e expressões discriminatórias em seu dia a dia, explica a origem e sugere substituições. É assim que funciona o Teclado Consciente TIM, que acaba de ser atualizado com a inclusão de termos LGBTfóbicos, como parte das iniciativas da operadora para o Mês do Orgulho LGBT.

A ferramenta foi lançada em novembro de 2020 com alertas sobre expressões com conotações racistas, como “denegrir”, “lista negra” ou “cor do pecado”. Na nova versão – disponível gratuitamente para smartphones com sistemas operacionais iOS e Android – foram inseridas mais 500 palavras e frases LGBTfóbicas, aproximadamente. São exemplos “sapatão”, “baitola” e “traveco”, utilizadas de forma pejorativa para se referir a pessoas LGBTI+. O app foi criado para a TIM pela BETC HAVAS em parceria com a consultoria Vírgula.

“Tivemos um time formado por pessoas LGBTI+ trabalhando nessa nova versão do Teclado Consciente, justamente para que todas as pessoas entendam que palavras e expressões discriminatórias, por mais que usadas de forma involuntária, podem machucar e alimentar o preconceito arraigado na sociedade”, conta Ana Paula Castello Brancodiretora de Advertising e Brand Management da TIM. A executiva destaca que a tecnologia pode ser uma aliada da evolução social: “queremos usar o alcance dos celulares e do nosso serviço para colaborar com a construção de uma sociedade mais inclusiva, um futuro sem preconceitos e onde as pessoas pratiquem a empatia”, explica.

Para usar o teclado, não precisa ser cliente da operadora. Basta baixar o app na App Store ou Google Play. A atualização é automática para quem já fez o download da primeira versão. A ferramenta fica visível somente quando o usuário digita seus textos em redes sociais ou aplicativos de comunicação, por exemplo, e destaca as palavras e expressões consideradas inadequadas. Ao clicar em cima desses termos, o Teclado Consciente TIM explica por que são considerados racistas e LGBTfóbicos e oferece opções para a sua substituição — tal como um corretor ortográfico social.

O lançamento da segunda versão do Teclado Consciente TIM e o patrocínio a #ParadaSPaoVivo, edição virtual da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo realizada no último domingo (06/06), marcam o início das ações programadas pela TIM para junho, celebrando o Dia Internacional do Orgulho LGBT (28/06). As cores da bandeira LGBTI+ já estão na logomarca da operadora em diversos canais e em painéis digitais, cordões de crachá e sacolas nas lojas TIM. Estão previstas iniciativas voltadas para o público interno e sociedade, como uma campanha nas redes sociais com o mote “amor é amor de todas as formas”, desenvolvida pela BETC HAVAS, com a participação de personalidades e influenciadores que dialogam com o tema.

“As palavras têm mais poder do que imaginamos e moldam o nosso comportamento. E essa atualização do Teclado Consciente da TIM continua a explorar o fato de que a marca, por meio do seu serviço, pode colaborar com a conscientização de milhões de usuários de smartphones no Brasil. Assim, considerando a força dos celulares nas mãos de tanta gente, temos a oportunidade de ajudar a criar mais empatia por meio do letramento e educação, com um projeto pioneiro do qual nos orgulhamos muito”, comenta Alexandre Vilela (Xã)VP de Criação da BETC HAVAS.

Continue lendo