Conecte-se com a LIVE MARKETING

Universo Live

Viacom revela resultados de sua pesquisa global sobre a Geração X

Publicado

em

Novo estudo mostra que a Geração X valoriza mais o sexo do que a amizade, não enfrenta a crise da meia-idade, desconstruiu os papéis familiares e os gêneros tradicionais e redefiniu o ambiente de trabalho.

A Geração X tem prioridades quando o assunto é relacionamentos e no topo da lista está o sexo (57%), que vem antes de amizade (49%)

 

A Viacom International Media Networks (VIMN), divisão da Viacom Inc. (NASDAQ: VIAB, VIA), divulga o seu mais novo estudo global: ‘GEN X TODAY’. Para esse estudo, os pesquisadores da VIMN entrevistaram 12 mil adultos em 21 países por meio de um questionário online. Aproximadamente nove mil tinham entre 30 e 49 anos, com uma amostra de 18 a 29 como comparação. Os países incluídos na pesquisa, além do Brasil, foram: Austrália, Bélgica, Colômbia, República Tcheca, Alemanha, Hungria, Indonésia, Itália, Malásia, México, Holanda, Filipinas, Polônia, Romênia, Singapura, Ãfrica do Sul, Suécia, Tailândia, Reino Unido, Estados Unidos. Além disso, a VIMN capturou 1.000 imagens via álbuns de fotos e conduziu 36 entrevistas pessoais em profundidade em 8 países: México, Colômbia, Brasil, Reino Unido, Alemanha, Hungria, Ãfrica do Sul e Tailândia.

A pesquisa fornece um novo olhar sobre a chamada Geração X – que atualmente representa quase 2 bilhões de pessoas em todo o mundo e uma média de mais de 180 milhões de espectadores das marcas Viacom – para entender o que aconteceu quando a geração de jovens cínicos, rebeldes e “vagabundos” dos anos 80 e 90 cresceu, entrou no mercado de trabalho e constituiu novas famílias.

O estudo revela que enquanto o mundo estava focado nos Millennials e nos Boomers, a Geração X reinventou o que significa ser adulto. À medida que envelhece, essa geração continua a fazer as coisas à sua maneira, seja no trabalho, no lazer ou na vida em geral.

“Com tanto foco nos Millennials, Pós-Millennials e até mesmo nos Boomers, a Geração X foi deixada de lado quando o assunto é pesquisa e hoje só é compreendida por uma visão antiquada da vida adulta e devido à reputação ‘preguiçosa’ de sua juventude”, avalia Christian Kurz, Vice Presidente Sênior de Global Consumer Insights da Viacom. “Com ‘Gen X Today’, pudemos ver o verdadeiro impacto da Geração X no mundo, desde o impulso global para a inovação e a quebra dos papéis tradicionais de gênero até a redefinição do que significa ser um ‘adulto’ hoje em dia”.

 

PRINCIPAIS CONCLUSÕES DO ESTUDO

She-conomy: a Geração X está liderando o caminho no que diz respeito a mulheres, trabalho e dinheiro. 55% das mulheres ganham mais ou igual do que seus parceiros no lar.

Assuntos de Família: assim como as mulheres da Geração X estão assumindo um papel maior no ambiente de trabalho, o mesmo acontece com os homens no ambiente familiar. Mais de 80% dos entrevistados concorda que um homem pode criar uma criança tão bem quanto uma mulher. A Geração X tem prioridades quando o assunto é relacionamentos e no topo da lista está o sexo (57%), que vem antes de amizade (49%). Esse é um grande contraste com os Millennials, que valorizam em primeiro lugar a amizade.

The Brat Pack: a Geração X prefere menos amigos, porém mais próximos, do que os enormes grupos dos Millenials – os entrevistados da Geração X têm em média 53 amigos, 15 a menos do que seus equivalentes Millennials.

São 3h da manhã, Mas Eles Não Estão Solitários: a Geração X tem 13% menos propensão a se sentir solitário, em comparação com os Millennials.

Procurando Conforto em Si Mesmo: a rebeldia da juventude se transformou em uma independência confiante quando os adolescentes da Geração X abraçaram – e reinventaram – a vida adulta. 90% consideram-se felizes com suas vidas como elas são hoje e 96% consideram-se confiantes.

Encontrando o Equilíbrio: a grande maioria (84%) dos entrevistados da Geração X preferem o equilíbrio trabalho/vida ao sucesso somente no trabalho.

Sem Crise da Meia-Idade: eles podem ter envelhecido, mas a Geração X não ficou necessariamente mais “madura”. Eles continuam jovens de espírito, com hobbies e outros interesses não relacionados ao trabalho e, por isso, estão pulando a crise da meia-idade. De fato, o estudo não mostrou nenhuma “crise” significativa para essa geração como um todo.

Para mais informações sobre ‘GEN X TODAY’ e outras pesquisas da VIMN, visite: http://internationalinsights.viacom.com/

Continue lendo

Universo Live

Publicidade nos muros das favelas gera cestas básicas ao G10

Publicado

em

Presente em comunidades de todo o país, o Outdoor Social® foi criado para conectar marcas com o público das favelas e aquecer a economia local. Na prática, como modelo de mídia OOH (Out Of Home), o morador recebe para tornar o muro de sua casa um outdoor para anúncios, fazendo com que a população local tenha contato com as marcas. “É uma forma de mostrar ao mundo o poder de consumo da região e possibilitar uma renda extra aos expositores, que são domiciliados locais”, explica Emilia Rabello, fundadora do Outdoor Social®, pioneiro no segmento OOH em favelas.

Nesse momento de agravamento da pandemia, além da renda extra, que auxilia os moradores, o Outdoor Social® destinará cestas básicas para o G10, bloco das 10 maiores favelas do Brasil. A cada painel instalado em abril, uma cesta básica é doada. A meta é alcançar o mínimo de 1.000 outdoors, de marcas como O Boticário e Tim, colocados nos muros dos moradores das principais favelas do país. O intuito é amenizar os impactos socioeconômicos deste momento de crise no país. “Estamos em uma situação crítica com o agravamento da pandemia e precisamos nos mobilizar. Só na primeira semana, conseguimos entregar 268 cestas e esperamos distribuir ainda mais rapidamente. Com essas doações, queremos atravessar juntos o momento de crise e inspirar outros líderes empresariais a destinarem parte do lucro à entrega social”, conta Emilia.

Segundo o Monitor das Doações Covid-19, organizado pela Associação Brasileira dos Captadores de Recursos (ABCR), a população brasileira fez muitas doações durante os 12 meses da pandemia no país. A cifra da solidariedade já totaliza R$ 6,5 bilhões, englobando doações de pessoas físicas e jurídicas. Desse valor, 84% são originários de companhias privadas.

 “Não podemos mais esperar por políticas públicas. Somos um povo forte, unido, trabalhador e juntos, sairemos dessa”, ressalta Gilson Rodrigues, presidente do G10. Acreditando na soma de esforços para atender as necessidades da sociedade, Emilia reforça o potencial que as comunidades têm. “As favelas brasileiras possuem um enorme potencial cultural, intelectual e econômico. Por isso, precisamos seguir somando esforços para garantir as ferramentas de pleno desenvolvimento dessas populações e alavancar a economia do país”, finaliza.

Continue lendo

Universo Live

Marketing de influência: como as comunidades potencializam as marcas

Publicado

em

A oportunidade de criar uma proximidade maior com os clientes é um dos pontos que mais chama atenção das marcas para as comunidades, que também são conhecidas como “Fórum 4.0”. O levantamento do Community Roundtable, que aponta as estratégias de comunidade com um ROI médio de 6.469% para as marcas, é a prova de que esse tipo de ação está em alta entre as empresas.
As comunidades propiciam a troca de conhecimento por meio da produção de artigos, interação rápida, cursos online e se tornou uma oportunidade para o público, influenciadores e marcas conviverem em um ambiente virtual seguro e garante até mesmo uma chance de obter renda e maior faturamento. De acordo com Luciano Kalil, CPO da Squid e especialista em comunidades, essa é uma forma assertiva de as marcas entenderem o que de fato os consumidores estão buscando.

“Para se aproximar dos seus clientes, empresas têm investido na construção de comunidades como um canal direto de relacionamento com influenciadores e, claro, com o consumidor. Esse canal se torna um ambiente de troca de informações e também para a construção de produtos e serviços que tenham a cara daquele público, pois quem consome tem esse canal direto com a marca”, analisa o executivo da empresa líder em marketing de influência e comunidades no Brasil.

Essas comunidades também são importantes para que as empresas compreendam quais as necessidades da sua marca e apliquem mudanças em seus serviços ou produtos. É como se fosse um novo FAQ, em que as principais dúvidas dos usuários são esclarecidas e a partir disso, é possível realizar mudanças que aproximem ainda mais aquela empresa ao público final.

No mundo, essa solução já é a realidade de muitas empresas. A Lego, por exemplo, criou uma comunidade para os amantes da marca. Lá, os consumidores conseguiram propor novas soluções, votar em seus favoritos e enviar feedbacks. As ideias mais populares se tornam produtos e o idealizador do projeto ganha um percentual das vendas. A plataforma agrega mais de 1 milhão de inscritos.

“Aqui no Brasil, a Squid lançou o #ClubeDaInfluência e já possui mais de 40 mil inscritos. Nesse espaço, os criadores de conteúdo ajudam os outros de forma colaborativa e encontram na plataforma cursos que proporcionam a profissionalização de influenciadores digitais. É uma oportunidade de gerar conhecimento, além de movimentar o mercado da influência”, explica Luciano Kalil.

Continue lendo