Conecte-se com a LIVE MARKETING

Artigos

Erico Fileno: 5 lições das startups para as grandes empresas

Publicado

em

A Visa enxergou na inovação aberta uma grande oportunidade para construir o futuro dos meios de pagamento junto com os mais diversos players do mercado. Para quem ainda não teve a chance de conhecer esta nova forma de trabalhar, trata-se de um método que pressupõe que o conhecimento pode estar nos mais distintos lugares da cadeia de valor de uma empresa. Por isso, quem deseja investir em inovação deve abrir as portas de sua organização para idéias que venham de fora, sejam parceiros, universidades ou outras empresas.

Desde então, protagonizamos uma revolução interna e mercadológica: adotamos a abordagem do human center design, abrimos as nossas APIS por meio do Visa Developer Platform, iniciamos um programa educacional sobre o assunto para todos os colaboradores, inauguramos o Brasil Co-Creation Center e firmamos parcerias com as mais importantes aceleradoras de startups do país e do mundo. E um dos principais aprendizados dessa experiência vem da troca de experiência e do trabalho cada vez mais próximo e colaborativo com startups, fintechs, desenvolvedores e empreendedores digitais brasileiros.

Não tenho dúvida de que, no mundo dinâmico, digital e transformador, a inovação aberta é a melhor maneira de se manter vivo e competitivo no mercado corporativo. A proposta de trabalhar em conjunto para cocriar o futuro, aproximar a empresa dos clientes e parceiros e expor os ativos da companhia é o que ditará quem vai prosperar no meio dessa grande mudança de paradigma e de consumo em que vivemos.

Reuni aqui, as cinco principais lições das startups para ajudar as corporações nos mais diversos setores da economia a enxergar a riqueza da inovação aberta:

O design thinking – conjunto de métodos e processos que busca solucionar desafios de forma colaborativa e mais humana, na qual os envolvidos são colocados no centro de desenvolvimento do serviço – é eficiente e libertador, mas ainda assim pouco se vê empregado nas grandes empresas. Desde que implementamos a abordagem no dia a dia dos negócios, por meio de workshops por exemplo, testemunhamos um comprometimento e uma união do time muito mais assertiva e eficiente.

Outra grande lição diz respeito ao medo de errar, que está impregnado em muitas companhias. Com as startups, percebemos que o erro faz parte do processo de criação. Ao disseminar o temor do erro, acabamos inibindo a inovação e não queremos isso. O mais importante é enxergar o problema a tempo para corrigí-lo. O que vemos hoje em algumas empresas é uma insistência em manter o erro por já ter investido muito no projeto e por receio de perder mais dinheiro. Isso só vai adiar um fracasso.

Com a velocidade que as coisas vão, a noção de tempo também é diferente. Quando falo alguma novidade com startup, o empreendedor já quer no mesmo dia. Em uma semana, uma startup já testa e descobre se a solução dá ou não certo.

Esse aprendizado vale ouro: buscar soluções para problemas reais e não inventar problemas. Base do human centered design. Esse ponto toca numa questão sensível às empresas relacionado ao modo de se gerir a inovação. Em muitos casos, a novidade proposta surge sem nem sequer existir uma necessidade, um desejo ou uma oportunidade de mercado. Perde-se mais tempo mirabolando uma razão para a existência de um produto ou serviço do que discutindo sua real funcionabilidade. Usando a abordagem do human centered design, nós olhamos para a dor do consumidor para aí sim, achar uma solução.

Por fim, tragam os Millenials para dentro da sua companhia e, mais, escutem suas opiniões. Eles serão chave para entender como se posicionar e como se preparar para as mudanças que estão surgindo. A inovação aberta, não se refere apenas a abrir a empresa para outros players do mercado. Diz respeito também a evitar a burocratização das hierarquias e a convidar todo o time, estágiários, analistas, coordenadores, para participar do processo de desenvolvimento de novos negócios e serviços.

As sinergias desses dois mundos são inúmeras e trata-se de uma troca, ou seja, as startups também podem aprender com as grandes corporações. O mais importante é entender que essa pluralidade mercadológica já é uma realidade, e o líder de hoje pode não ser mais o protagonista da indústria amanhã. Sejamos abertos, colaborativos e inovadores.

 

Erico Fileno – Diretor Executivo de Inovação da Visa do Brasil

Continue lendo

Artigos

Como aplicar o neuromarketing e entender melhor o comportamento do consumidor

Publicado

em

Como aplicar o neuromarketing e entender melhor o comportamento do consumidor

Como entender os efeitos do neuromarketing nas ações em que é inserido e avaliar os benefícios que esta ciência incorpora na relação entre marcas e consumidores? As vantagens são muitas e bastante efetivas.

Quando aplicado, o neuromarketing – um campo de estudo recente do marketing que mergulha na essência do comportamento do consumidor – ajuda a criar conexão emocional com o cliente, a chamada afetividade que aproxima ambos. É ele também que colabora para gerar interesse em uma compra, incentiva a construção de confiança e continuidade nas relações, auxilia no desenvolvimento da sinergia com as pessoas por meio da identificação, dá total suporte a questões voltadas para a ação, com pequenas interferências na tomada de decisão e ativa o inconsciente das pessoas. Além de tudo isso, atua nas relações sensoriais, incluindo melhorias em textos, estímulos visuais e uso de outros sentidos para contribuir na tomada de decisão.

Um outro ponto revelador deste modelo é a efetividade que insere nas peças de comunicação, com foco em atrair a atenção e gerar interesses em meio a tantos estímulos; com isso, ajuda a construir relevância em meio ao grande impacto de mídias que existe hoje em dia.

O neuromarketing ajuda a saber como cortar caminhos e estimular rapidamente as decisões. Não só auxilia o consumidor, mas colabora para que as marcas compreendam como elas podem influenciar melhor nas compras dos seus consumidores.

Trata-se de um mecanismo para acelerar a forma que o marketing atua tanto no inconsciente como no nosso consciente também. Entre 85 e 95% dos nossos comportamentos e decisões são inconscientes, uma vez que é a parte do cérebro que nos ajuda a decidir de forma mais rápida.

Quando entendemos as tendências comportamentais, conseguimos nos corrigir na hora de analisar os dados, sem distorcer a realidade. Ou seja, a neurociência auxilia a compreensão do que está por trás das evidências, não apenas a leitura dos dados em si. Esse olhar profundo apoia a capacidade do tomador de decisão dos negócios.

O uso de técnicas de nudging na jornada do consumidor, um termo popular na economia comportamental, também age como válvula propulsora nas tomadas de decisão e influências no processo de compra. São usadas para incentivar a escolha do consumidor e melhorar processos, tanto em pontos de venda físicos quanto nos meios digitais. E aqui, reforço para a não interpretação de que nudging age como como forma de manipulação.

Um nudge é qualquer aspecto da arquitetura de escolha que altere o comportamento das pessoas de uma maneira previsível, sem proibir nenhuma opção ou alterar significativamente seus incentivos econômicos. Para contar como um simples empurrão (nudge), a intervenção deve ser fácil e econômica de evitar. Nudges não são mandatos. Colocar a fruta no nível dos olhos é como dar uma cutucada e valorizar o eixo a ser destacado.

As pesquisas são, certamente, de grande valia no processo. Elas apoiam quem já tem estratégia e jornada definidas, mas precisa de suporte para influenciar esse consumidor, oferecendo mais conforto e precisão na sua escolha. É sobre pegar todos os touchpoints do negócio e testar em pesquisas neurocientíficas, analisando dados complexos sobre comportamento e como as ações influenciam o cérebro das pessoas.

Um exemplo de pesquisa neurocientífica é utilizando o eletroencefalograma, que ajuda a entender quando há mais tensão para uma pessoa, considera sua carga cognitiva, aponta momentos de construção de raciocínio e avalia de modo geral a reação do organismo diante de determinadas situações, desvendando o inconsciente.

É possível aplicar o neuromarketing sem necessitar investir maciçamente nesta técnica. É preciso desmistificar que essa ciência seja algo distante, onerosa ou difícil, Tecnologias surgem o tempo todo para facilitar esses estudos e deixar tudo mais fluído e acessível.

Há tecnologias acessíveis, como câmeras inteligentes para mapear não apenas perfil de quem passa por algum estímulo num ponto de venda, como avaliar atenção, carga cognitiva e reação emocional das pessoas. Isso dá um retrato muito mais preciso da eficiência de uma embalagem, produto ou comunicação. Dessa forma, você consegue descobrir se um produto atrai mais mulheres, homens, jovens, idosos ou crianças, o que eles sentem, se é necessário ajustar a comunicação para determinado perfil, dentre outras informações sobre a experiência no ponto de venda.

E o digital caminha ao lado de todos esses modelos, como ferramentas de EYE tracking, usadas em plataformas digitais para analisar para onde a pupila do usuário se direciona e quais pontos da tela despertam sua dilatação, indo além da análise de onde o cursor vai pelo site. Também é possível usar softwares que analisam microexpressões do indivíduo, analisando o que deixa a pessoa feliz, tensa, sorridente. Tudo colabora para ajustes no site, melhorias em vídeos, em textos, dentre outros insights.

O neuromarketing ainda atua na antecipação de problemas e descoberta de novas necessidades do consumidor. Seguindo essa linha de raciocínio, cabe enfatizar a empatia, capacidade humana que podemos despertar e exercitar como um músculo. Com ela, é possível se colocar no lugar do cliente e ajudá-lo da melhor forma que sua empresa puder, compreendendo seu comportamento e oferecendo soluções sinceras para suas dores, não apenas vender por vender e bater as metas do seu time. Saber aplicar soluções com empatia a partir dos estudos de comportamento humano não só acelera suas decisões, mas também ajuda na fidelização e encantamento do cliente.

Um caso de sucesso e referência no mercado com uso do neuromarketing é o da Cola-Cola, que inspira muitas empresas e estudiosos aqui e mundo afora. Uma pesquisa trouxe insights bacanas para a marca quando eles quiseram lançar uma nova versão do refrigerante; as pessoas selecionadas para o estudo experimentaram e afirmaram que preferiram a nova versão com relação à Coca tradicional. Essa conclusão fez a marca lançar a novidade, mas com o passar do tempo, os clientes pararam de comprar, preferindo sempre a versão tradicional. Com isso, a marca concluiu que a escolha do produto é inconsciente. Não basta apenas perguntar ao consumidor o que ele prefere, é preciso investigar o seu inconsciente, o que fez a Coca investir mais ainda nesse tipo de pesquisa.

Vamos olhar para os consumidores como seres humanos e mergulhar mais profundamente no comportamento em si, entendendo mais o que está por trás das escolhas e processo de tomada de decisão, porque isso contribui para que nos tornemos seres humanos com maior performance, além de tomar decisões de negócio mais eficientes. As tecnologias vão mudar e os dados sempre estarão disponíveis. No entanto, é a nossa capacidade e olhar humanizado que vão tornar um profissional ou um negócio mais evidente e relevante que outro.

Perla Amabile – Diretora de Brand Experience na Gauge, empresa do Grupo Stefanini. É especialista em neurociência comportamental, pesquisadora de comportamento de consumo e membro do Instituto de Neuromarketing e Neuroeconomia.

Continue lendo

Artigos

O marketing fora do óbvio – como driblar a crise e pensar além do marketing de conteúdo

Publicado

em

O marketing fora do óbvio - como driblar a crise e pensar além do marketing de conteúdo

Atrair lead especializado deve ser o principal objetivo de quem está começando um novo negócio e de quem busca fidelizar uma boa base de clientes. Mas para isso, é necessário ter uma boa noção de marketing: o que, como funciona e como utilizá-lo ao favor do seu empreendimento.

Mas, afinal, você sabe o que significa marketing? E marketing de conteúdo? Para ajudar a entender esses conceitos e aprender a usá-los ao seu favor, Daniel Scott, fundador e CMO da HyperXP, escola de negócios para pequenos e médios empresários, fala sobre a necessidade de pensar marketing para além do formato do conteúdo e dá dicas de como pôr tudo isso em prática. Confira abaixo:

-Qual a importância de conhecer o mercado para preparar o terreno para ações de marketing?

D.S.:É garantir, minimamente, a vida útil do seu produto/empresa. Uma vez que se conhece o mercado, você consegue agir e se comunicar com mais assertividade e consequentemente trazer mais resultado para o seu negócio. Exemplo: expansão do Walmart nos EUA se deu pois o mesmo entendeu a necessidade de mercados mais estruturados/completos do que vendas de esquina. E claro, mais lojas, mais margem.

– Como alinhar marketing e vendas na prática?

D.S.: São áreas complementares e precisam de grande sinergia. Se a área de vendas não entende a estratégia de posicionamento, composição de preço etc, dificilmente conseguirá compreender a fundo os diferenciais do produto vendido. Já a área de marketing deve monitorar as dores dos clientes para calibrar a estratégia do produto. E esse termômetro é a área de vendas.

– Como saber as ferramentas de marketing certas para o meu negócio?

D.S.: Em geral, o grande erro do empreendedor é gourmetizar a utilização de ferramentas. Menos é mais. Por vezes, uma planilha de Excel é mais efetiva do que um CRM robusto. Mas garanto: mais do que ferramentas, o segredo é a execução.

– Posso usar o marketing no pós-venda?

D.S.: Deve. A fidelização do cliente não só reduz o custo de aquisição do cliente (CAC) como o transforma em promotor da marca. E o marketing no pós-venda é fundamental para o sucesso na fidelização.

Sobre Daniel Scott – Fundador e CEO da HyperXP, uma escola de negócios para pequenos e médios empresários. Em sua jornada, já formou mais de 5 mil gestores de mais de 30 países.

Continue lendo