Conecte-se com a LIVE MARKETING

Agências

Elu! Live Marketing encerra 2017 com crescimento de 35%

Publicado

em

Apesar da instabilidade econômica no país, a agência atingiu bons resultados e segue para 2018 com otimismo

Mesmo em tempos de crise econômica, a Elu! Live Marketing comemora os resultados de 2017: a empresa fechou o ano com um crescimento de 35% em comparação a 2016. Juliana Escandura, diretora-executiva e sócia da Elu!, confirma: “2017 foi um ano para ampliar as nossas perspectivas. Não apenas o volume de negócios, mas também aplicar em novos setores e dominar outras áreas de atuação”.

Em 2018, a agência Elu! comemora 10 anos de mercado com planos de expansão de sua atuação, que vai além do live marketing. Segundo Juliana, serão realizadas ações para reformular as estratégias de comunicação, além de novos investimentos em diversos setores da empresa. Assim, a diretora-executiva mantém-se otimista para 2018: “nossa expectativa é avançar no setor de entretenimento, com novos jobs e clientes e continuar trazendo bons resultados, com a mesma paixão que marca a nossa trajetória”.

Para este ano, a Elu! promete trazer novidades para o segmento de entretenimento do Brasil. “O mercado brasileiro já começa a entender que as pessoas procuram experiências que traduzam suas preferências, seu estilo de vida. Agora não é mais necessário ir buscar isso fora, pois estamos trazendo o que há de melhor em várias frentes”, diz diretora-executiva e sócia da Elu!.

Só em 2017, a agência de live marketing investiu em sua nova sede, no bairro do Brooklin, em São Paulo e também aumentou sua equipe com novas contratações em todas as áreas, incluindo o Diretor Criativo Beto Macahiba, que tem mais de 25 anos no mercado publicitário, e a Diretora de Projetos Proprietários Mariana Ribeiro, com experiência de mais de 23 anos na área de entretenimento. Além disso, a Elu! celebrou a chegada de novos clientes, como Pfizer Consumer, Nestlé, Novartis, Reckitt Benckiser, Grupo Pão de Açúcar, Vulcabras e Edwards.

De acordo com Juliana, o ano de 2017 também trouxe alguns desafios a serem superados. “Nosso principal obstáculo foi crescer em um ano de crise econômica, o que inclui avançar em segmentos novos e alavancar resultados para nossos clientes, mesmo em cenários de adversidades”, afirma. “Apesar disso, conseguimos alcançar nossas expectativas e obter bons resultados”, completa.

Continue lendo

Agências

Ampla conquista a conta da Margarina Primor

Publicado

em

A Ampla – agência com sede em Recife (PE) e escritórios em Vitória (ES), Aracaju (SE) e Maceió (AL) – acaba de conquistar a conta da Margarina Primor, líder no segmento de margarinas de consumo nas regiões Norte e Nordeste. A agência cuidará de toda a comunicação e campanhas on e off-line da Margarina Primor. A marca pertence à Seara, da JBS.

“A Ampla será uma parceira estratégica da Primor na região. Vamos apoiar a marca no fortalecimento de sua liderança, além de reforçar para o consumidor a inovação e a qualidade dos produtos Seara”, explica Queiroz Filho, co-presidente da Ampla.

A Seara também possui as marcas Delícia, Doriana, Delicata, Gradina, Salada, Ricca, Cremosy e Cukin, e ocupa, atualmente, a segunda posição no mercado brasileiro de margarinas, com 35,5% de participação.
Continue lendo

Agências

WWF-Brasil e Loop Brands firmam parceria para gestão de contratos de licenciamento

Publicado

em

Num mundo cada vez mais consciente, no qual as pessoas estão mais atentas ao desperdício, reciclagem, reuso e consumo sustentável, o WWF-Brasil licencia seu icônico panda  – uma das marcas mais reconhecidas e queridas no mundo – com o objetivo de comunicar suas mensagens de conservação em prol do meio ambiente para um maior público possível, com produtos sustentáveis e que expressem as causas defendidas pela organização e que são endossadas pelos consumidores.

A agência escolhida para o gerenciamento da marca é a Loop Brands, já reconhecida no segmento de causas relacionadas com saúde, meio ambiente e relações sociais. A empresa será responsável pela prospecção e gerenciamento dos contratos de licenciamento de produtos que visem um mundo mais sustentável, com maior respeito à biodiversidade e menor desperdício e pegada de carbono.

Os produtos que estamparão a marca WWF no Brasil possuirão caráter educativo e de comprometimento ativo. Eles trarão mensagens de conservação como forma de expressão daqueles que se identificam com a causa ambiental. O objetivo é proporcionar às pessoas o sentimento de pertencimento e oportunidade de externar opiniões, trazendo informações novas que as estimulem a reflexão sobre o planeta e suas responsabilidades com o meio ambiente.

Para evitar a geração excessiva de lixo, toda a produção será amigável com o meio ambiente, desde a embalagem que deve gerar o mínimo possível de resíduos, incorporando materiais reciclados ou reutilizáveis até o produto em si, que deve ser inteligente, com design consistente, durável, com função e propósito, feitos de materiais sustentáveis ou alimentados por energias renováveis.

A iniciativa ocorre num momento de expansão da consciência ambiental em que boa parte dos consumidores são totalmente favoráveis ao marketing de causa, conforme sinaliza a pesquisa Ipsos 2019. Na mesma análise, 34% das pessoas disseram ter adquirido no último ano, produtos que destinaram parte do seu valor a causas sociais, culturais ou ambientais. Para Murilo Hinojosa, sócio-fundador da Loop Brands, o anúncio de licenciamento da marca chega em boa hora. “os consumidores valorizam e estão dispostos a adquirir produtos fabricados da maneira ambientalmente correta”.

Gabriela Yamaguchi, diretora de sociedade engajada do WWF-Brasil afirma que “mais que uma parceria, a ação representa um esforço de adequação às tendências de comportamento e engajamento da sociedade. Trata-se de mais uma iniciativa do WWF-Brasil para a mudança da atual trajetória de degradação do nosso planeta. A cada ano, o mundo despeja cerca de 8 milhões de toneladas de plástico nos oceanos, as paisagens naturais têm sido alteradas e muitas espécies de plantas e animais estão em risco de extinção. Precisamos mudar a forma como consumimos e nos engajar mais com a causa ambiental”, ressalta.

Continue lendo