Conecte-se com a LIVE MARKETING

Eventos

BIG Festival estima movimentar US$50 milhões em 2021

Publicado

em

O BIG Festival,  festival e hub de negócios de games, apoiado pelo Brazil Games, o programa de exportação criado pela Associação Brasileira de Desenvolvedores de Jogos Digitais, ABRAGAMES, em parceria com a Apex-Brasil, a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos, anunciou  que já tem 290 empresas inscritas para suas rodadas de negócios.
A plataforma, exclusiva do BIG Festival, conecta empresas com perfis complementares para reuniões de negócios. Ao longo de suas oito edições, o BIG Business Meetings já contou com a participação de mais de 2100 empresas e movimentou mais de US$200 milhões.

“O BIG Festival está presente em todas as frentes de negócios em games. Além de promover investimentos, nossos encontros estimulam a compra de jogos da região e até a compra de estúdios”, afirma Eliana Russi, Gerente Executiva do Projeto Brazil Games, “Para esse ano, estimamos movimentar em torno de US$50 milhões, um número expressivo para um ano como 2021 e para uma fase como esta que ainda vivemos no Brasil”, continua.
As reuniões de negócios do BIG Business Meetings colocam empresas desenvolvedoras brasileiras à frente de grandes publishers, como Sony, Microsoft, Nintendo e Epic Games, e em 2021 não será diferente. Destas oportunidades, surgiram diversos cases de sucesso ao longo da história do evento.

Um dos exemplos de negócios gerados no BIG é o jogo Kaze and the Wild Masks, finalista na categoria de Melhor Jogo Brasileiro nesta edição. “O BIG Festival é um dos eventos de jogos mais relevantes do Brasil, e, para nós, o mais importante do qual participamos nestes últimos seis anos de desenvolvimento. Em 2019 tivemos a oportunidade de expor o nosso jogo e ver milhares de jogadores testando o Kaze”, afirma Paulo Bohrer, co-fundador da PixelHive, compositor e sound designer no Kaze and the Wild Masks.

“Além disso, a rede de contatos que fizemos no BIG foi importantíssima para o jogo, pois foi naquele mesmo ano que iniciamos as negociações com a nossa publisher internacional, SOEDESCO; um grande passo que estávamos buscando e que possibilitou o lançamento do Kaze para as diversas plataformas nas quais ele está disponível hoje”, continua Paulo.

Com mais de 60 horas de programação online e gratuita, o BIG oferece palestras de diversos temas do universo dos games, mas para quem está buscando fazer negócios no evento, há alguns destaques:

Como preparar seu estúdio para receber investimentos
Cassia Curran, especialista em investimentos e apoio a estúdios indies por meio do WINGS Fund, discute, ao lado de Rebecca Owen, da Digital Development Management, o que um estúdio deve considerar ao se preparar para receber investimento ou para uma fusão.
Quando: 5 de maio (quarta-feira), das 12h30 às 13h00.

Humble Bundle: Black Game Developer Fund
Nesse papo, Justin Woodward, Co-fundador do The Mix, falará sobre o Black Game Developer Fund, um programa anual de US﹩ 1 milhão que visa apoiar os desenvolvedores de jogos negros, ajudando-os a publicar jogos com financiamento, produção e suporte de marketing por meio da publisher Humble Games, da Humble Bundle.
Quando: 5 de maio (quarta-feira), das 17h30 às 18h00.

Financiamento indie: conheça a Kowloon Nights
Anlu Liu, Content Manager do Kowloon Nights, Mark Venturelli, CEO e Diretor Criativo da Rogue Snail, uma das empresas investidas pelo fundo, e Astrid Refstrup, CEO e Co-founder da Triple Topping Games, vão bater um papo sobre o Kowloon Nights e financiamento indie. Conhecido como um fundo de investimento especializado em games que já adicionou mais de 40 títulos em seu portfólio, o Kowloon Nights tem mais de US﹩100 milhões em custódia para financiar jogos independentes.
Quando: 7 de maio (sexta-feira), das 11h30 às 12h00.

A programação completa do BIG Festival, com mais de 60 horas de conteúdo online e gratuito, contará ainda com grandes nomes do mercado de games como Ubisoft, BioWare e NetEase e será divulgada em breve.

O BIG Festival 2021 acontece entre os dias 3 e 9 de maio e todo o conteúdo do festival será disponibilizado de forma virtual e gratuita, com exceção das rodadas de negócios, voltadas a desenvolvedores, compradores, publishers e investidores internacionais e nacionais.
Continue lendo

Eventos

Dobradinha entre games e inclusão social é destaque na Campus Party Brasil 2021

Publicado

em

A Campus Party, maior experiência tecnológica do mundo, está de volta em uma versão digital planejada especialmente para atender as expectativas e interesses do público brasileiro. O evento acontecerá entre os dias 22 a 24 de julho e será totalmente gratuito. Como não poderia deixar de ser, a programação voltada para a comunidade gamer é um dos destaques. Para criar uma realidade social totalmente disruptiva, a Campus trará uma série de novidades que pretendem engajar gamers e comunidades pelo Brasil e mundo afora, por meio de transmissões ao vivo de fóruns e campeonatos em plataformas de streaming. 

Para Ronaldo Geraidine, responsável pelos games e esports da Campus Party Digital, os jogos eletrônicos são um reflexo do modus operandi de nossa sociedade. Diante desse cenário, diversas desenvolvedoras tem trabalhado intensamente para tornar os jogos cada vez mais inclusivos. “Partindo dessa realidade é nosso papel abrir espaço para movimentos legítimos que trazem causas de suma importância social. A Campus Party é e sempre será um evento que prestigia e acolhe comunidades, para os games não poderia ser diferente”, ressalta. 

Ele acredita em uma conexão cada vez mais intensa entre gamers e campuseiros. Afinal, a edição de 2021 preza por uma integração cada vez maior entre esses públicos. Para ele, o futuro dessa união está traçado. “Nosso objetivo étransformar a Campus Party num hub também para comunidades de games. Esse tipo de interconexão transcende o evento e abre possibilidades para uma série de novas ações em conjunto. Eu aposto que vamos conseguir”, projeta. 

Conheça algumas das principais atrações da Campus Party Digital Edition 2021:  

Projeto Valkirias: 

Criado pela gamer Pamela Mosquer, o projeto treina garotas que desejam melhorar nas filas ranqueadas ou se tornarem profissionais de League of Legends. Em março, as mais de 300 participantes do projeto organizaram o 1º Torneio Valkirias de PUBG Mobile para mulheres. A competição chamou atenção do público no Facebook e Youtube. E cercadas de expectativas, as Valkirias estarão nesta edição da Campus Party Digital. 

Copa Rebecca Heineman (CRH): 

O campeonato com foco no público trans promete agitar a Campus Party Digital Edition no Brasil. A CRH surgiu de uma parceria entre Transcurecer (Sher Machado) e a organização de eSports Strigi Manse. A primeira edição do campeonato, teve o apoio da Riot Games, criadora do jogo League of Legends. A transmissão foi feita através do Canal da Strigi Manse e obteve cerca de 2.600 espectadores únicos, além de 4.200 visualizações ao vivo.  

Sher Machado diz que o convite da Campus Party para realizar a segunda edição da Copa Rebecca Heineman no festival é uma oportunidade incrível. Afinal, não existe lugar melhor para chamar a atenção das organizações de eSports.  

“Queremos nos tornar cada vez mais conhecidos e fortes nos esportes eletrônicos. Dessa forma, outros membros da nossa comunidade serão alcançados e irão se juntar a nós. Tudo isso possibilitado por esse espaço saudável e de acolhimento incrível que é a Campus Party”, afirma Sher.  

Liga dos Surdos: 

A Liga dos Surdos foi formada em 2019 por André Luiz Santos, “NerdSurdo”, a partir de uma comunidade de surdos que se dedicavam a jogar League of Legends e começaram a organizar campeonatos e a disputar outras modalidades de esportes eletrônicos. A presença da Liga na segunda edição da Campus Party Digital visa incentivar maior participação de pessoas com deficiência na comunidade gamer e de eSports. 

Wakanda Streamers: 

A Wakanda Streamers nasceu em 2018, focada inicialmente em streamers pretos inseridos na comunidade gamer. Mas após inúmeros pedidos de pessoas que se identificaram com a ideia, houve uma ampliação. Hoje o grupo dá suporte à comunidade preta através de redes de apoio, com troca de experiências, orientações e prestação de serviços. Durante a Campus Party, o grupo quer, além de jogar, reunir campuseiros para debater novas iniciativas para a comunidade preta. 

Afrogames: 

Idealizado pelo empresário Ricardo Chantilly, em parceria com o AfroReggae, o projeto AfroGames foi inaugurado em maio de 2019, em Vigário Geral, no Rio de Janeiro. É o primeiro centro de treinamento em games e eSports dentro de uma favela e visa formar jogadores e profissionais da indústria dentro da comunidade. O projeto conta com vagas em três modalidades: League Of Legends, Fortnite e Programação de Jogos. A Campus Party é a plataforma ideal para apresentar o sucesso do projeto. 

Brazilians Against Time (BRAT): 

Trata-se de uma maratona de games, com jogadores voluntários e baseada em speedruns (competição que visa terminar o jogo no menor tempo possível). Objetivo da BRAT é conseguir fundos e ajudar causas humanitárias. O evento acontece desde 2016 e já teve seis edições que juntas arrecadaram mais de R$ 139 mil para diversas instituições como: AACD, APAE-SP e Médicos Sem Fronteiras.  

Campus Party Digital Edition 2021 

A segunda edição da Campus Party Digital promete trazer para o mundo virtual o mesmo sentimento de pertencimento e diversão que seus participantes têm nas edições físicas. Visa estimular a integração entre todas as comunidades e participantes.  

Além disso, a meta é superar a entrega de eventos no molde “zoom + plateia”, com um projeto omnichannel, que transmite o conteúdo em várias plataformas de streaming e redes sociais. 

O festival já tem as participações confirmadas de Maitê Lourenço (CEO e fundadora do BlackRocks Startups), Eva Lazarin (CEO e fundadora da Benkyou), Luís Justo (CEO do Rock in Rio) e Caito Maia (Fundador da Chilli Beans), entre vários outros nomes de peso. 

 

Matéria publicada no portal de notícias AdNews. Se quiser mais informações sobre o mundo da publicidade e do marketing acesse: https://adnews.com.br/

Continue lendo

Eventos

Participantes do Mobile World Conference 2021 terão viagem à Espanha permitida

Publicado

em

A GSMA – produtora do Mobile World Conference – e o Ministério do Interior do Governo da Espanha – anunciaram os detalhes de um acordo para permitir que todos os inscritos no MWC21 Barcelona – incluindo expositores, participantes, patrocinadores e parceiros – entrem na Espanha para participar do evento presencialmente.

Embora atualmente haja uma recusa de entrada na Espanha para qualquer cidadão de um país fora da União Europeia, as exceções se aplicam a grupos específicos de pessoas, incluindo “trabalhadores altamente qualificados”. A decisão do governo espanhol inclui agora os participantes do MWC21 Barcelona nesta categoria.

Considerado o evento mais influente e importante da indústria mundial de telefonia e negócios mobile, o MWC Barcelona acontecerá entre os dias 28 de Junho e 01 de Julho reunindo os principais líderes globais e marcas do setor. Em 2019, o evento reuniu mais de 100.000 pessoas de 200 diferentes países.

A GSMA compartilhará detalhes dos inscritos no MWC21 Barcelona com as autoridades espanholas para facilitar a entrada no país. Essa mudança permite a entrada dos participantes que atualmente têm a entrada negada, incluindo os do Brasil, para participar e fazer negócios durante o MWC21. Para ver o comunicado oficial da GSMA, clique aqui.

A TSB MICE confirma parceria oficial no evento, estando apta a conduzir missões comerciais e delegações do país para visitar a MWC21. “Estamos muito felizes e orgulhosos em podermos, mais uma vez, levar os executivos brasileiros para visitarem o Mobile World Conference e proporcionarmos experiências únicas para participantes de importantes empresas do mercado nacional. Ao longo dos anos, conduzimos importantes delegações à Feira – desde Cannes quando ainda era chamada de 3GSM World. Com a não realização do evento em 2020, o mercado está sedento por novidades. Este é um ano para recolocar o relacionamento dentro do Business e firmar importantes contratos.”, explica Renato Amaral, CEO da TSB.

Continue lendo