Conecte-se com a LIVE MARKETING

Empresa

ONU diz que representatividade na propaganda ainda está longe do ideal

Publicado

em

O cenário de polarização e a legitimação de discursos que diminuem, desvalorizam e esvaziam pautas identitárias, de raça e de gênero se refletem na publicidade. É o que mostra a 9ª onda da pesquisa TODXS, um estudo desenvolvido pela ONU Mulheres e pela Heads Propaganda, viabilizado pela Aliança Sem Estereótipos, movimento que visa conscientizar anunciantes, agências e a indústria da propaganda em geral sobre a importância de eliminar os estereótipos nas campanhas publicitárias.

Desde a primeira edição do estudo da ONU Mulheres em 2015 até agora, já foram avaliadas 22.253 inserções de comerciais de televisão e 5.769 posts no Facebook. Se havia um movimento para que essa comunicação das marcas pudesse desconstruir imagens e padrões que estimulam violências físicas, simbólicas ou morais, o momento atual é de retrocesso e estagnação.

O levantamento tradicionalmente mapeia como gênero e raça são representados pela publicidade brasileira e este ano traz dados inéditos sobre a representação de novos públicos – os LGBTQIA+, PCD (pessoas com deficiência) e maduro 60+. Em cada onda – são lançadas duas por ano – o estudo coleta comerciais de TV durante sete dias corridos nos canais de televisão aberta e fechada de maior audiência (respectivamente Globo e Megapix). A partir das marcas observadas pela ONU são coletadas publicações de Facebook no mesmo período. Os comerciais e posts analisados na 9ª onda foram extraídos entre 15 e 21 de fevereiro deste ano.

Outra novidade foi a análise de sete dias de comerciais veiculados no canal Discovery Kidsa fim de analisar o que tem sido entregue para as crianças. Na 8ª onda já havia sido feito um projeto piloto com três dias de análise do canal infantil.

No geral, hoje temos mais conteúdos que empoderam do que conteúdos que estereotipam as pessoas. Desde 2015, quando o estudo TODXS da ONU Mulheres foi apresentado pela primeira vez, a presença de pessoas negras e fora do padrão de beleza do senso comum em peças publicitárias cresceu consideravelmente, mas ainda está muito longe do ideal, alerta o estudo.

Para Joanna Monteiro, eleita uma das mulheres mais criativa do mundo pelo site de notícias americano Business Insider e chief creative officer da Heads, a publicidade tem papel fundamental na desconstrução de preconceitos. “É também a partir da forma como as pessoas são representadas em filmes e peças publicitárias que se constrói o imaginário coletivo: ele pode ser raso e cheio de estereótipos ou trazer representatividade de verdade. Essa discussão é urgente”, diz. 

Resultados TODXS (ONU Mulheres e Heads)

A presença de homens negros em situações de protagonismo na TV, por exemplo, caiu de 22% para 7%. Já a presença de mulheres negras aumentou cinco pontos percentuais em relação à onda anterior, mas continua sem ultrapassar os 25% – pico alcançado na 7ª onda do estudo (julho 2018). Segundo o estudo da ONU, as mulheres brancas ainda representam 74% das personagens protagonistasHomens e mulheres negros aparecem mais como coadjuvante e ainda assim, com uma presença muito inferior se comparada aos brancos.

Há um dado isolado, porém, discrepante com a visão geral – no Facebook, a representação de mulheres negras atingiu seu maior pico dentre todas as ondas – 35%. Segundo a coordenadora da pesquisa, Isabel Aquino, antes de celebrar o número é preciso ter cautela.  “Pode ser que as marcas se sintam mais à vontade de trabalhar castings diversos no Facebook por sentirem que ali é um ambiente menos conservador que a TV, mas é necessário observar as próximas ondas para confirmar uma real evolução”, explica.

Isabel ressalta que há um certo comodismo da indústria de comunicação, que precisa ser confrontado, sobretudo em comerciais que têm homens e mulheres protagonistas e mais pessoas envolvidas em cena – apresentando a diversidade de forma óbvia em 92% dos casos.

“Em comerciais com vários protagonistas, é mais fácil legitimar a diversidade, mas também é mais difícil trabalhar individualidade, aprofundar a personalidade. Não acho que esse tipo de representação seja necessariamente ruim, mas o fato de negros aparecerem em maior quantidade nesse tipo de peça, é sem dúvida uma sombra do racismo e da incapacidade do mercado de criar narrativas interessantes e exclusivas para personagens negros ou outros grupos minorizados”, avalia a pesquisadora.

Padrão de beleza não mudou

As mulheres que mais aparecem nas peças são brancas, jovens, magras, com curvas, cabelos lisos e castanhos. Os homens são brancos, fortes, com músculos torneados, cabelos lisos e castanhos. Essas caracterizações aparecem em mais de 60% das peças, tanto na TV quanto no Facebook e demonstram a dificuldade da indústria de comunicação em romper padrões.

Entre os dados que nos surpreendem positivamente está o crescimento da presença de cabelos cacheados e crespos, o maior desde a primeira onda. Juntos, os cacheados e crespos atingiram 29% das representações entre as mulheres protagonistas. A preferência absoluta ainda é dos lisos, mas antes os cacheados e crespos oscilavam apenas entre 11% e 17%.

Publicidade em cima do muro

Outro resultado que merece destaque é a grande quantidade de comerciais que são caracterizados como neutros, ou seja, não empoderam e nem estereotipam. Eles representam 1/3 de todo o conteúdo analisado e segundo o estudo, são oportunidades perdidas de evolução para um cenário mais igualitário.

Outros públicos: LGBTQIA, PCD e +60

Os dados coletados sobre os novos públicos são alarmantes. O público maduro atinge 12% de representatividade, mas quase sempre com pessoas brancas. “Isso fica ainda mais evidente quando procuramos nos grandes bancos de imagem por ‘mulher negra madura’ – as possibilidades são praticamente inexistentes ou, quando existem, não trazem uma visão empoderada desta mulher”, ressalta Isabel. Já os LGBTQIA são apenas 1,3%, enquanto as pessoas com deficiência encontram apenas 0,8% de representatividade.

Outro ponto sensível e que merece atenção é o tipo de conteúdo que vem sendo produzido para consumo do público infantil. Além dos dados apontarem para uma baixíssima presença de crianças negras como protagonistas (as brancas são 90%), as peças mais estereotipam do que empoderam: meninas aparecem em universos cor de rosa, querendo ser bonitas e competindo entre si, enquanto os meninos são incentivados a estudar e pensar no futuro.

“O que nós, publicitários, estamos fazendo com as crianças? Vai dar muito mais trabalho desconstruir esse imaginário racista e estereotipado no futuro do que fazer as escolhas certas agora. Não estamos prestando atenção à infância e como esses temas estão sendo apresentados a elas”, desabafa Isabel.

Matéria publicada no portal de notícias AdNews. Se quiser mais informações sobre o mundo da publicidade e do marketing acesse: https://adnews.com.br/

Continue lendo
Clique para comentar

You must be logged in to post a comment Login

Deixe uma resposta

Empresa

Rappi anuncia dark stores no Brasil e promete entregas em até 10 minutos

Publicado

em

Atualmente, o Rappi possui cerca de 100 dark kitchens em todo o Brasil, mas agora a startup anunciou a chegada das chamadas “dark stores”. O principal objetivo dessas lojas, será atender os serviços de delivery do superapp no Brasil. Contudo, as entregas devem terão como foco um nível alto de serviço e praticidade, para atender todas as necessidades do usuário.

Em outras palavras, o Rappi entregará diversos tipos de produtos, desde itens para o café da manhã, bebidas geladas, frutas frescas e queijo, até acessórios e produtos de limpeza, entre outros. Porém, o destaque fica para a entrega, pois elas devem ser realizadas em até 10 minutos, basta ao usuário acessar o botão “Turbo” no app.

“As novas lojas terão um mix completo dos melhores produtos premium dos varejos parceiros do Rappi para que os usuários possam obter seus itens favoritos em minutos”. Afirma Ana Bogus, diretora global de Supermercados, Farmácias e Bebidas do Rappi. 

As dark stores podem ser definidas como galpões otimizados para picking e packing express – ou preparação e retirada rápida de pedidos. “Esses locais são organizados de acordo com o nível de saída dos produtos”, explica Bogus. “Com uma tecnologia desenvolvida in-house, é possível montar o pedido em menos de dois minutos dentro da dark store enquanto o entregador parceiro já está no caminho para retirada.”

Dessa forma, as dark stores possibilitam momentos de venda adicionais para os varejos parceiros e momentos de compra adicionais aos usuários do Rappi.

“Você decide que quer uma sobremesa e o sorvete chega antes mesmo de terminar o vinho; a massa está no forno, mas você ainda pode comprar e colocar o queijo parmesão antes dela ficar pronta; você vai dormir e percebe que está sem leite de amêndoa e o produto chega antes de você escovar os dentes – são inúmeras as situações do dia a dia”, exemplifica Bogus.

Inicialmente, o serviço será inaugurado de forma simultânea em algumas das principais cidades de atuação do Rappi no Brasil. Como São Paulo, Campinas, Curitiba, Recife e Fortaleza – e também no México.

Expansão de dark stores no Brasil

A princípio, a projeção do Rappi é chegar a 60 dark stores ainda no primeiro semestre e 100 até o final de 2021. Vale ressaltar, que a entrega “turbo” terá o mesmo valor do frete convencional, e será gratuita para usuários Prime com pedidos acima de R$ 30,00.

Segundo Bogus, entregar em até 10 minutos é um comprometimento com o usuário, que receberá os produtos ainda mais rápido do hoje em dia. Além disso, as entregas não terão substituições ou interrupções, e são uma grande oportunidade para as marcas aliadas conquistarem o público por meio de ações de trade marketing.

“O lançamento das dark stores permitirá ao Rappi otimizar a logística de ponta a ponta e evitar eventuais problemas com falta de estoque ou cancelamentos, e entrega de pedidos com defeitos”, ressalta.

Com um crescimento de 79% na vertical de Supermercados, Bebidas e Farmácias em 2020 no Brasil, o Rappi encontrou mais uma maneira de facilitar a vida dos seus usuários e melhorar o nível de serviço para os clientes do superapp.

“Estamos entrando em um mercado de atuação ainda inexplorado no país. Trata-se de um novo passo na direção do chamado ‘quick commerce’, que pode acelerar ainda mais a mudança na maneira como as pessoas consomem”, finaliza Bogus.

 

Matéria publicada no portal de notícias AdNews. Se quiser mais informações sobre o mundo da publicidade e do marketing acesse: https://adnews.com.br/

Continue lendo

Empresa

Veja® reforça poder contra sujeira em campanha bem-humorada

Publicado

em

Veja®, a marca de produtos de limpeza da Reckitt Hygiene Comercial, realizou diversas pesquisas com consumidores para entender as principais tensões ao limpar a cozinha e o banheiro, ambientes da casa que ficam sujos com maior frequência. Como consequência, esses ambientes precisam ser limpos quase diariamente, deixando as pessoas presas nessas tarefas, acarretando cansaço por exigir bastante tempo e esforço, além de insatisfação porque nem sempre os resultados saem conforme o esperado. Pensando nisso, a marca comunica Veja Cozinha Desengordurante e Veja Banheiro Antibac como solução única para a limpeza de cada um dos cômodos, trazendo diversos benefícios ao consumidor em apenas um produto.

Veja Cozinha Desengordurante remove 100% da gordura na cozinha inteira, trazendo versatilidade já que pode ser utilizado em diversas superfícies. É o melhor parceiro tanto para as limpezas do dia a dia quanto para a faxina pesada. O produto apresenta um bom custo-benefício, uma vez que rende cinco vezes mais que detergente, e boa performance, já que possuí resultados imbatíveis¹.

Já o Veja Banheiro Antibac possui uma fórmula exclusiva com poder Oxi Ativo, que branqueia as superfícies², desinfeta sem agressão do cloro³ e mata 99,9% do vírus da Covid-19 e das bactérias⁴. Ele também pode ser utilizado em todo o banheiro, e rende cinco vezes mais que água sanitária⁵.

Para apresentar os produtos, a campanha “Especialistas”, criada pela BETC HAVAS, conta com dois filmes bem-humorados que trazem consumidores paralisados com expressões de frustação e insatisfação por conta da sujeira que não sai da cozinha e do banheiro, mesmo utilizando vários produtos diferentes para limpar. Porém, com Veja Banheiro e Cozinha na mão tudo muda: as sujeiras difíceis são limpas de um jeito fácil e rápido e a “cara da limpeza” aparece, uma expressão tão marcante e única quanto o resultado dos produtos.

“Para uma marca líder de mercado como Veja®, é importante se conectar com o consumidor. É isso que fazemos nessa campanha, mostrando que Veja® entende as dificuldades para manter a casa limpa, além de querer estar ao lado do consumidor para enfrentar esse desafio e torná-lo mais fácil”, afirma Carolina Gormezano Frenkiel, diretora de marketing de Veja®.

“A cada campanha de Veja® conseguimos trazer a marca para uma conversa ainda mais próxima dos consumidores, traduzindo as dificuldades da limpeza, com as quais todo mundo se identifica, em situações divertidas. E foi em busca de uma execução marcante que criamos a Cara da Limpeza, para incentivar o desejo de todo mundo em querer ficar com a felicidade de uma limpeza rápida e fácil estampada no rosto.”, comenta Laura Azevedo, Diretora de Criação da BETC HAVAS.

Os produtos Veja Cozinha e Veja Banheiro Antibac são apresentados como os aliados para eliminar as sujeiras de diversas superfícies, além de serem a solução para essa insatisfação. Com Veja®, tanto a cozinha como o banheiro e o consumidor ficarão com a “cara da limpeza”, uma expressão de satisfação e vibração contagiante que só a limpeza com os produtos da marca traz.

A ação está sendo veiculada na TV aberta e fechada, além contar com peças e conteúdos digitais e de patrocínios.
Continue lendo