Conecte-se com a LIVE MARKETING

Empresa

Escassez de habilidade profissional pode afetar potencial da Inteligência Artificial

Publicado

em

Muito se debate no mundo sobre como a tecnologia está sendo empregada na indústria e no varejo, aumentando a produtividade das operações e gerando mais lucratividade para as empresas. Outro ponto crucial dessa discussão coloca em xeque a manutenção dos empregos, e aqui reinam as opiniões negativas à maior adoção de tecnologia, já que esta vem substituindo milhares de trabalhadores em todo o mundo.

Por outro lado, entre os maiores defensores desta revolução tecnológica impera a ideia de que com a modernização dos processos produtivos não há perdas de empregos, mas sim, mudanças nos postos de trabalho, com a criação de novas demandas para o homem, que agora passa a se concentrar em atividades mais intelectuais enquanto as máquinas assumem o que é mais laborioso e repetitivo.

De fato, há verdade nas duas opiniões. Nos últimos anos vivenciamos inúmeras transformações. Em todas as áreas há dezenas ou, até mesmo, centenas de atividades e profissões que há alguns anos não existiam. Muito se perdeu, mas as transformações no nosso dia a dia foram imensas. Para se ter uma ideia, o sistema Android, Google Street View, Ipad, WhatsApp não existia há 10 anos. A Netflix que conhecemos mudou a forma como assistimos filmes e séries há menos de uma década.

Muita tecnologia foi empregada para o desenvolvimento destas facilidades que, de tão presentes nas nossas vidas, parecem que sempre existiram, e nem nos surpreendemos mais quando elas evoluem. 

Estamos na 4ª revolução industrial, mas as tecnologias que compõem este cenário abraçam todos os setores. Segundo o Fórum Econômico Mundial, a implantação de ferramentas de inteligência artificial (IA) deve criar 133 milhões de novos empregos até 2025. Sua pesquisa apontou que quase 40% das empresas entrevistadas esperam expandir a força de trabalho até 2022 através da automação dos processos e um quarto espera que a automação crie novas funções em sua empresa.

Há uma escassez urgente, no entanto, de habilidades na força de trabalho. O Fórum afirma que 54% dos funcionários de grandes empresas necessitariam de requalificação e qualificação para aproveitar as oportunidades de crescimento oferecidas com a indústria 4.0. A lacuna também atinge outros setores, como tecnologia da informação, comunicação, serviços financeiros, mineração e turismo. Estes temem a falta de habilidades em novas tecnologias entre os profissionais.

O presidente e fundador do Fórum Econômico Mundial, Klaus Schawab, afirmou à Enterprise IoT Insights que é fundamental que os negócios desempenhem um papel ativo no apoio às suas forças de trabalho existentes por meio de requalificação e qualificação, que os indivíduos adotem uma abordagem proativa para sua própria aprendizagem ao longo da vida e que os governos criem um ambiente propício para facilitar essa transformação da força de trabalho. 

Os governos estão atentos a este desafio, ao menos nos Estados Unidos e parte da Europa. Para continuar a liderar o mundo em inteligência artificial e computação quântica, os EUA anunciaram o investimento de EU$ 1 bilhão para a manutenção e ampliação das pesquisas realizadas no país. O dinheiro será destinado a institutos de pesquisa em IA, agências federais como o Departamento de Agricultura e instituições com pesquisa em ciência da informação e computação quântica, estes serão responsáveis por qualificar a próxima geração de especialistas em IA.

Nesta corrida pela ampliação do desenvolvimento tecnológico é a China que está liderando a adoção de inteligência artificial mais rapidamente. Estando à frente do EUA e da União Europeia, os chineses afirmam ter investido US$ 10 bilhões em pesquisas quânticas e colocou em funcionamento o primeiro satélite quântico.

Em resumo, para garantir o verdadeiro potencial da IA será preciso mais investimentos na capacitação dos trabalhadores e na modernização dos centros de estudos e pesquisas tanto para a qualificação dos estudantes e para a ampliação das pesquisas realizadas nos centros. Assim como ocorre nos países que estão liderando a adoção da IA, é preciso somar forças ao setor privado, mas é preciso que os governos liderem esta corrida. 

Sobre Paulo José Spaccaquerche

Formação multidisciplinar em Engenharia e Administração. Mais de 25 anos de experiência profissional, atuando junto às empresas orientadas fortemente em tecnologias de vanguarda, tais como IBM e SAP. Responsável pela implantação no Brasil de empresas como Sybase, Netscape, Peoplesoft e Quest. Excelente relacionamento com os principais executivos de empresas nacionais e multinacionais nos vários segmentos do mercado. 

Matéria publicada no portal de notícias ADNews. Se quiser mais informações sobre o mundo da publicidade e do marketing acesse: https://adnews.com.br/

Continue lendo
Clique para comentar

You must be logged in to post a comment Login

Deixe uma resposta

Empresa

Waze convida usuários a corrigirem a pronúncia de vias públicas

Publicado

em

Waze, a plataforma que conecta comunidades dentro e fora das estradas, lança uma nova campanha comunitária para melhorar e atualizar a pronúncia de ruas, avenidas e rotas em português. A ativação faz parte do trabalho de desenvolvimento da operação de conversão de texto em voz dos engenheiros da empresa, que visa tornar uma das suas vozes padrão – a Alessandra, que reproduz o nome das ruas e avenidas – mais fluente e compreensível para os usuários do aplicativo.

A partir do dia 15 de maio e até dia 31/05, os usuários do Waze poderão ajudar a aprimorar a experiência de navegação para si e para outras pessoas ao relatar a pronúncia incorreta de nomes de ruas e rotas em todo o país. Por meio desse formulário, o feedback será enviado aos engenheiros e desenvolvedores da empresa e ajudará a atualizar e melhorar a experiência de navegação para milhões de motoristas do Brasil. A iniciativa já foi realizada em Israel, país onde o aplicativo nasceu e o resultado foi bastante satisfatório, em duas semanas de campanha foram feitos 200% mais ajustes do que em um ano. Os usuários agora têm uma pronúncia em hebraico muito mais clara e fluída.

O Waze adiciona recursos úteis regularmente, atualizar o desenvolvimento de texto para fala é outra melhoria projetada para aperfeiçoar a experiência do uso em português do Brasil.

Continue lendo

Empresa

Solutionoff anuncia crescimento de 90% antes de fechar primeiro semestre do ano

Publicado

em

A Solutionoff, martech dos sócios Wagner Zaratin, Cleo Sanches e Milene Viso, contabilizou crescimento de 90% já no primeiro quadrimestre de 2022. O resultado, em comparação ao primeiro semestre de 2021, está acima da meta estipulada pela agência, que fechou o ano passado com 90 projetos e esperava crescer 100% no seu faturamento durante todo o ano de 2022.

Entre os destaques das novas contas, está a criação e execução do maior evento em extensão já realizado pela da Disney Pixar em São Paulo, o Mundo Pixar, que acontece na capital paulista de julho a outubro, com uma área de 2.800m², divididos em espaços temáticos e interativos inspirados nas principais histórias da Pixar, além de uma loja exclusiva com produtos licenciados.

Somados aos diversos trabalhos para clientes como Totvs, Zeno/Avon, Mercado Livre, Ibajud – Instituto Brasileiro de Insolvência, Les Bains, Joma, Uhlsport, Atlantica Hospitality Internacional, a Solutionoff tem ainda dois projetos proprietários em andamento, um deles para a Copa do Mundo, em parceria com a MChecon, além de uma nova ativação para duas grandes marcas, que será anunciada em breve.

“É muito gratificante acompanhar os resultados dessa equipe, que nasceu em 2020 em pleno caos do mercado, com muita ousadia e vontade de trabalhar, e ver o retorno tão positivo do trabalho em ecossistema. São empresas e profissionais premiados trabalhando juntos para atingirmos nosso maior objetivo, que é crescer dentro dos clientes”, afirma Wagner Zaratin.

Entre os nomes envolvidos nos projetos da Solutionoff estão Elaine Zaratin, na direção de planejamento; Leandro Caro, na criação; Marcelo Medina, em design e Christiane Estrella e Gustavo Leite em produção.

A Martechland surgiu da parceria entre a SolutiOnOff e a NYCX como um ecossistema de agências, com base em São Paulo, que atuam juntas no atendimento 360 para diversas marcas. A SolutiOnOff foi fundada no final de 2020 com uma somatória 30 anos de experiência dos sócios Wagner Zaratin, Cleo Sanches e Milene Viso. Em formato inovador, com base na economia criativa compartilhada, foi pensada para a qualidade da entrega, velocidade, redução de custos e simplificação da jornada do cliente. Entre as entregas, estão toda a parte de Live Experience, Branded Content, Big Data, Business Intelligence e Marketing Digital.

Continue lendo