Conecte-se com a LIVE MARKETING

Empresa

Conheça os riscos da sua empresa não se adequar à Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais

Publicado

em

A Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD) está em vigor desde 18 de setembro com o objetivo de trazer mais segurança em relação ao tratamento dos dados pessoais dos titulares. Apesar de as punições administrativas pela Autoridade Nacional de Proteção de Dados Pessoais (ANPD) começarem a ser aplicadas somente em agosto de 2021, o importante é a empresa não deixar para a última hora para se adequar totalmente à lei, sob pena de sofrer outras sanções e de ficar exposta de uma forma negativa no que tange a sua reputação. E hoje, o nível de reputação da empresa é o que a torna mais valiosa. Imagine uma organização que demorou anos para se consolidar ser destruída por uma mancha na sua reputação. Além disso, não estar em conformidade com a LGPD ou caminhando para esse sentido, aumenta-se o risco de ser acionado judicialmente, além de possíveis autuações por órgãos, como Programa de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon), Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), entre outros.

Para atender a LGPD, as empresas precisam desenvolver procedimentos especiais de compliance, adequando todos os seus setores com relação à segurança da informação. É importante editar políticas internas de privacidade e de proteção de dados – como políticas de senhas, uso de e-mail e clean desk, planos de recuperação, planos de incidentes de segurança da informação e políticas de confidencialidade, entre outras. Pegando um exemplo do dia a dia, num processo de seleção, que envolve a área de RH, o tratamento dos dados começa desde a pré-seleção dos candidatos, quando a empresa tem acesso aos dados pelo currículo. Para isso, é preciso ter uma equipe treinada para adequar o tratamento desses dados às bases legais da LGPD.

A empresa também precisa focar em treinamento de colaboradores a partir de uma estratégia top down – abordagem de cima para baixo, ou seja, o CEO e os gestores precisam entender a necessidade dessa lei para que toda a organização consiga abrir a mente por meio de treinamentos.

Também é preciso preparar-se para fornecer qualquer informação sobre o tratamento de dados pessoais ao titular, quando for o caso. Ou seja, caso um cliente do e-commerce, por exemplo, solicite informações sobre quais dados pessoais dele estão sendo tratados, para qual finalidade e com quem foi compartilhado (direito de acesso), a empresa terá até 15 dias para informá-lo, sob pena de ser acionada inclusive judicialmente.

Noutro aspecto, importante ressaltar que ajustes no site da empresa devem ser feitos, cita-se como exemplo a elaboração e disponibilização da política de cookies e aviso de privacidade.

Hoje, a empresa que começar a cultivar essa cultura da LGPD vai ganhar vantagem competitiva e terá cada vez mais credibilidade com seus clientes em relação aos dados pessoais.

Como funciona na prática

Pela lei, o dado pessoal é toda a informação que identifique a pessoa, como o acesso ao seu nome, CPF ou RG. Ou que a torne identificável como, por exemplo, o acesso à placa do seu carro ou seu e-mail, que somado a outra informação pode chegar até você.

A lei traz dez bases legais para o tratamento de dados pessoais, que abrange desde a coleta até o descarte da sua informação. Por exemplo: você vai ao banco para fazer um contrato de financiamento imobiliário. O banco vai colher suas informações e elaborar um contrato de acordo com a base legal adequada, que envolve a execução do contrato. Nesse contexto e via de regra, se o crédito não for aprovado, as informações do cliente deverão ser descartadas. A partir dali se o banco for usar suas informações novamente terá de utilizar outra base legal, como o seu consentimento, por exemplo.

Portanto, as empresas já deveriam estar na corrida para entrar em conformidade com a LGPD, integrando todos os setores, treinando colaboradores e enfatizando a importância dessa cultura. Essa adequação é fundamental para, além de estar em conformidade com a legislação, minimizar o risco de incidentes. Quanto mais as organizações demoram para se adequar, maior o risco reputacional, além estarem sujeitas a tratar dados pessoais de forma ilícita. Ademais, a partir de agosto de 2021, a Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD), poderá determinar sanções, como a temida multa, que pode chegar até R$ 50 milhões de reais por infração, contudo, consideramos que a maior sanção é a mancha à reputação da empresa, que pode levar anos para se recompor, correndo inclusive o risco de não ser mais reconstruída.

*Helen Mesquita é advogada, LLM em Direito Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas, especialista em privacidade e proteção de dados pessoais, membro da Associação Nacional de Advogados(as) do Direito Digital (ANADD) e Co- founder LGPDlearning.

Matéria publicada no portal de notícias AdNews. Se quiser mais informações sobre o mundo da publicidade e do marketing acesse: https://adnews.com.br/

Continue lendo
Clique para comentar

You must be logged in to post a comment Login

Deixe uma resposta

Empresa

Gêmeos do programa Irmãos à Obra lançam linha de colchão no Brasil

Publicado

em

Em busca de mais conforto e bem-estar para seus clientes, Bed & Design – loja de referência, que combina design, tecnologia, selo de qualidade e mais de 20 anos de expertise de mercado do sono -, fechou uma parceria com Restonic Mattress Corporation do Brasil, para trazer ao mercado a linha de colchões SCOTT Living, assinado pelos irmãos Drew e Jonathan SCOTT, mundialmente conhecidos pelo seu programa “Irmãos à Obra”. A novidade será apresentada nesta terça-feira, dia 26 de outubro, às 18h30h, no átrio do shopping D&D, em São Paulo. O evento seguirá todos os protocolos de segurança e higiene, devido à Covid-19.

Os colchões Scott Living são um reflexo do estilo pessoal dos irmãos Scott, inspirados no que eles amam: casa, família e um compromisso com a qualidade, visando sempre o máximo ao seu usuário, um custo justo, da mesma forma que atuam em seu programa de televisão. A linha conta com seis modelos – Morgan, Habor, York, Ellis Plush, Ellis Médium, Shippable Sleep -, que garantem o equilíbrio ideal entre conforto, sustentação, controle de temperatura e durabilidade.

Feitos artesanalmente, os colchões possuem um sistema de resfriamento triplo na superfície –  fios de polietileno refrescante no tecido, combinado com espuma de gel e espuma AlumiLast® Memory Foam -, que funcionam para afastar o calor do corpo de maneira suave e eficiente durante toda a noite, ajudando a dormir mais e acordar revigorado. A linha Scott Living by Restonic está à venda, com exclusividade, na loja Bed & Design.

“Nossa proposta é justamente oferecer aos consumidores um produto confortável, com design moderno e inovador, ou seja, mostrar o verdadeiro conforto americano, aquele que se adapta perfeitamente à coluna de quem dorme sobre ele, não se mostrando duro e/ou desconfortável”, completa Rogério Coelho, diretor executivo da Restonic Mattress Corporation.

Continue lendo

Empresa

Lu, do Magalu, volta a ser garota-propaganda de campanha da adidas

Publicado

em

A Lu, influenciadora virtual do Magalu, será, pela segunda vez, a garota-propaganda de uma coleção de roupas e calçados feita em colaboração pela adidas e pela marca de moda carioca FARM. A coleção é inspirada no estilo de vida dos amantes de skate e a campanha já está publicada no Instagram. As peças já estão disponíveis na seção Mundo Moda, recém-lançada no superapp do Magalu, e também na Zattini e Netshoes, ambas empresas do grupo Magazine Luiza. Lu tem mais de 28 milhões de seguidores nas redes sociais, o que a coloca como a terceira maior influenciadora virtual do mundo.

“A participação da Lu na campanha da Adidas, pela segunda vez, consolida a parceria com a marca e faz parte da construção da personagem como um importante asset da empresa na categoria de moda”, afirma Pedro Alvim, gerente de marca e redes sociais do Magalu. “Essa parceria com a adidas nos ajuda a pavimentar o caminho que a Lu já vem percorrendo e que vai de encontro com a estratégia de ativação e  construção de novas verticais de produtos dentro do ecossistema Magalu.”

Em dezembro de 2020, a adidas contratou a Lu para fazer a primeira campanha da influencer de uma marca externa ao grupo Magalu. Na ocasião, Lu estreou como estrela da collab adidas <3 FARM, cujos itens foram vendidos por Netshoes e Zattini.

Nas imagens do Instagram do Magalu, Lu apresenta a coleção que traz roupas casuais, em modelos que podem ser usados na academia, por exemplo, e no dia a dia. A collab é composta por camisetas, tops, shorts, leggings, vestidos, casacos e calças, além de três modelos de tênis. O conceito da campanha foi desenvolvido para convidar mulheres a serem livres no esporte e no estilo de vida, exaltando a liberdade de ocupar espaços até então dominados por homens.

Digitalização

No início deste mês, o Magalu, ecossistema para comprar e vender  com mais de 30 milhões de clientes ativos, lançou o “Mundo Moda”, um espaço totalmente reformulado dentro de seu superapp para a venda de roupas, calçados e acessórios. As mudanças vão de melhorias na navegação à expansão da oferta de produtos. São mais de 3,5 milhões de itens, incluindo grandes marcas, produtos de 300 fábricas e de mais de 20 000 sellers de todos os tamanhos espalhados pelo Brasil.

“O marketplace do Magalu garante ao seller de moda um ambiente competitivo leal, sem a presença de produtos falsificados ou vendidos sem nota”, afirma Silvia Machado, diretora-executiva de Moda e Beleza do Magalu. “O mercado brasileiro de moda é essencialmente fragmentado e analógico, o que representa uma grande oportunidade de crescimento para a companhia e se casa perfeitamente com a estratégia de digitalizar o varejo brasileiro.”

A vertical de negócios de moda foi a que mais incorporou sellers ao marketplace do Magalu neste ano. O número de varejistas passou de 8 000 para 21 000. O número de fabricantes, que vendem seus produtos direto ao consumidor, foi de 136 para quase 300. A inclusão da indústria no marketplace da companhia foi potencializada pela Hubsales, startup do grupo que oferece todo suporte de tecnologia para que os fabricantes possam vender digitalmente seus produtos sem desviar de sua atividade principal.

Continue lendo