Conecte-se com a LIVE MARKETING

Empresa

50% Menos açúcar e menos marketing marcam campanha de FYS

Publicado

em

O refrigerante FYS, do Grupo HEINEKEN, apresenta nova fórmula com 50% menos açúcar do que a média da concorrência, sem abrir mão da refrescância e do sabor. O produto também aposta na diferenciação dos sabores desta categoria, por meio das variações Limão Siciliano, Tônica com toque de Limão Siciliano, Laranja Pera e Guaraná da Amazônia, comercializadas exclusivamente em porções individuais – latas de 350ml.

Para comunicar o novo atributo da marca, a agência AlmapBBDO criou a campanha “50% Menos Açúcar e menos Marketing”. O conceito criativo faz um contraponto à publicidade da categoria, que tende a levar os consumidores a escolhas irracionais. “Além de trazer um benefício relevante, que é a redução de açúcar, FYS está chegando ao mercado com uma comunicação irreverente, ousada e criativa brincando com os efeitos do excesso de marketing nas campanhas”, explica Bruno Piccirello, Gerente de Marketing de marcas não alcoólicas do Grupo HEINEKEN.

Um filme de 75 segundos (Assista), produzido por O2 Filmes e com trilha da Jamute, chama atenção para a necessidade de menos propagandas clichês que associam refrigerantes com pipoca a um programão ou celebridades sedutoras.  “Contém Menos Marketing é aquele tipo de campanha que pouquíssimas marcas podem fazer. Tem que estar disposto a abraçar o discurso de challenger, a trabalhar com ironia e a desconstruir códigos consagrados e repetidos a exaustão por marcas que têm muito share a perder”, justifica Fernando Duarte, Diretor de Criação da AlmapBBDO.

A campanha “50% Menos Açúcar e menos Marketing” é veiculada no digital e na TV por assinatura, sendo desmembrada em desafio no TikTok com a ativação de influenciadores. A abrangência envolve as regiões Sudeste e Sul do país, além de Salvador.

Ficha Técnica
Agência: AlmapBBDO
Anunciante: HEINEKEN bebidas não alcoólicas
Cliente: FYS – refrigerante do Grupo HEINEKEN
Campanha: FYS. 50% menos açúcar e menos marketing
CCO: Luiz Sanches
Diretor de criação executivo: Andre Gola e Pernil
Diretor de Criação: Fernando Duarte e Henrique Del Lama
Criação: Erick Willmer, Giba Mendes, Matheus Loretti, e Mauro Maeda
Atendimento: Christiano Bock, Mariana Nanes, Heitor Pereira, Vanessa Lopes, Camila Teles e Miquéias Ramos
Planejamento: Sergio Katz, Rafael de Andrade, João Marques, Larissa Simões, Inaeh Souza
Mídia: Luana Gallizzi, Fernanda Bolzan, Angelo Dell’Árciprete e Felipe Benevides
Produção audiovisual: Vera Jacinto, Diego Villas Bôas e Paula Buzzi
Produtora Filme: o2 Filmes
Diretor: Ian SBF
Produção Executiva: Rafael Fortes e Flavia Zanini
Diretor de Fotografia: Vinicius Brum
Assistente de Direção: Ju Pellegrino
Atendimento Produtora: Rejane Bicca, Luiz Braga e Patricia Aguiar
Montagem: Rafa Costa
Colorista: Luca Leocadio
Finalizadoras: Rosa Felix e Leticia Bina
Coordenador de Pós Produção: Felipe Andriolo
Assistente Coord. Pós Produção: Rafaela Bitencourt
Produtora de Som: Jamute
Produção Executiva de Som: James Pinto
Produtor: James Pinto e Luciano Nunes
Engenheiro de Som: Fernanda Galetti, Otavio Bertolo e Rafael Laurenti
Atendimento: Kiki Eisenbraun e Sabrina Geraissate
Coordenação: Juliana Zuppo e Leo Vieira

Agência: iPROSPECT (RED STAR – Hub Heineken) – Mídia Digital
Estratégia e execução de mídia digital iProspect (Red Star – Hub Heineken)
Diretora Executiva de Negócios: Caroline Bassi
Diretor de Negócios: Thiago Fernandes
Gerente de Negócios: Gioconda Ferraz e Aline Licen
Supervisora de Negócios: Ana Melo
Diretor de Estratégia: Lucas Callile
Diretor de mídia: Rodrigo Vieira
Supervisor de mídia: Rafael Vizona
Analista de mídia: José Teixeira
Supervisor de mídia programática: Sulamita Vidal
Analista de mídia programática: Milene Duarte

Aprovação do Cliente: Giovanna Abreu, Luisa Oliveira, Luiza Henriques Guimarães, Williane Vieira, Bruno Piccirello, Juliana  Magalhães, Eduardo Picarelli, Carina Hermida, Nabil Nasser.

Continue lendo

Empresa

Maiores do varejo brasileiro reforçam expansão e digitalização

Publicado

em

Na recuperação pós-pandemia, as principais empresas do varejo brasileiro aceleraram sua digitalização, ganharam agilidade e flexibilidade e se tornaram ainda mais resilientes. A edição 2022 do ranking “300 Maiores Empresas do Varejo Brasileiro”, desenvolvido pela SBVC (Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo) revela que, em 2021, as maiores varejistas do país tiveram a pandemia não foi capaz de impedir a expansão das maiores empresas do setor. O crescimento das maiores varejistas no ano passado foi de 13,2%, acima da expansão de 12,6% registrada em plena pandemia (segundo o IBGE). Fruto de um profundo trabalho de pesquisa, coleta de dados e análise realizado pela SBVC com apoio técnico da BTR-Educação e Consultoria, Varese Retail, Centro de Estudo e Pesquisa do Varejo (CEPEV – USP) e Käfer Content Studio, a nova edição do Ranking mostra que as grandes e médias empresas aprofundaram as transformações iniciadas na pandemia e souberam se reinventar. “Movimentos que já havíamos identificado no ano passado, como a consolidação dos marketplaces, a digitalização do comportamento dos consumidores e o reforço à governança, se solidificaram e passaram a dominar a estratégia dos negócios”, analisa Eduardo Terra, Presidente da SBVC.

A edição 2022 do Ranking mostra que as 300 maiores empresas do varejo brasileiro tiveram no ano passado um faturamento bruto de R$ 892,426 bilhões, quase R$ 100 bilhões mais que a edição anterior. O Carrefour lidera a lista, com um faturamento bruto de R$ 81,2 bilhões – o equivalente a 9,09% das vendas das 300 maiores. As 5 maiores empresas do Ranking (Carrefour, Assaí, Magazine Luiza, Via e Americanas) somaram um faturamento de R$ 239,761 bilhões, ou 26,86% do faturamento das 300 maiores.

“O varejo acelerou sua expansão em 2021, combinando abertura orgânica de lojas e aquisições. Também verificamos um salto na maturidade digital do setor, com ampliação das vendas online, que chegaram a 11% do total”, afirma Alberto Serrentino, fundador da Varese Retail e vice-presidente da SBVC. “O percentual de empresas que vendem online chegou a 75% das 300 maiores, com destaque para o setor de supermercados, que, de 2019 a 2021, saltou de 28% para 61%. Em uma amostra de 55 empresas, a penetração média das vendas online chegou a 34% em 2021, mostrando que a pandemia levou as empresas a abrir novos canais de venda, relacionamento e engajamento”, acrescenta.

A transformação digital já havia entrado no mapa do setor antes mesmo da pandemia, mas a crise aprofundou muito esse processo, que hoje já é parte importante do negócio das empresas. Outro aspecto cada vez mais relevante – e trazido à luz pela primeira vez neste Ranking – é a presença feminina tanto no corpo das empresas quanto nas posições de liderança. “Os números mostram que tem havido evolução, mas que é possível avançar ainda mais. Questões relacionadas à diversidade, equidade e inclusão se tornam cada vez mais importantes, tanto por uma questão pragmática de inovação quanto por uma exigência dos consumidores”, completa Eduardo Terra.

Números relevantes:

Os principais destaques da edição 2022 do Ranking “300 Maiores Empresas do Varejo Brasileiro” são os seguintes:

·        As 300 maiores empresas faturaram R$ 892,426 bilhões em 2021. Considerando as 209 empresas que divulgaram seus faturamentos brutos em 2020 e 2021, o crescimento anual foi de 13,2%, em linha com o registrado pela Pesquisa Mensal do Comércio (IBGE).

·        O Carrefour é a maior empresa de varejo do País, com um faturamento de R$ 81,2 bilhões, ou 9,09% das vendas das maiores.

·        As cinco maiores empresas de varejo responderam por 26,86% do faturamento total das empresas listadas no Ranking, somando R$ 239,761 bilhões. A principal mudança no top 5 foi a entrada da Americanas, na quinta colocação.

·        As dez maiores empresas de varejo responderam por 39,6% do faturamento total das empresas listadas no Ranking, somando R$ 353,461 bilhões.

·        No total, 95 empresas listadas no Ranking cresceram acima da média do varejo brasileiro e apenas 21 tiveram desempenho negativo em 2020. As líderes do varejo conseguiram responder de forma positiva e impactante aos desafios trazidos pela alta da inflação e os impactos da pandemia na cadeia de suprimentos.

·        O crescimento absoluto de vendas da Americanas, de R$ 6,5 bilhões, seria suficiente para colocar a empresa entre as 25 maiores varejistas do País.

·        A digitalização do varejo continua acelerada. O número de empresas com e-commerce em operação subiu de 162 para 225 (+38,89%) nos últimos dois anos, com destaque para o setor de supermercados, que tem 91 empresas com presença online.

·        Cinco das 10 empresas que mais aumentaram suas vendas em 2021 estão no setor de Moda. A pandemia provocou um represamento do setor no ano anterior e a reabertura das lojas físicas deu novo impulso às varejistas.

·        O desenvolvimento de marketplaces teve uma evolução ainda maior em 2020, impulsionando a aceleração das vendas online em todos os setores do varejo brasileiro. Esse é um fator cada vez mais relevante na evolução do e-commerce e na transformação digital das empresas varejistas.

·        O setor com maior número de empresas no Ranking é o de Supermercados, com 150 representantes, dos quais quatro estão no top 10 do varejo.

·        O setor de Moda, Calçados e Artigos Esportivos, com 38 empresas, é o segundo com maior presença no Ranking, mas somente uma delas está entre as 15 maiores do varejo.

·        Dezoito das 300 empresas listadas possuem mais de mil lojas, como nas duas edições anteriores deste Ranking. Cinco delas estão entre as 10 maiores em faturamento.

·        O Grupo Boticário é a empresa com mais lojas no Brasil, seguida por Cacau Show, McDonald’s, Raia Drogasil e Americanas. A tônica é a forte presença do sistema de franquias como modelo de expansão, proporcionando oportunidades para crescer com capital de investidores-empreendedores.

·        As 50 empresas líderes em faturamento por loja são supermercadistas, lideradas por Andorinha, Higa e Trimais. Empresas com poucos pontos de venda, mas com uma relevância enorme nos micromercados onde atuam.

·        Das 300 varejistas listadas, 45 são de capital aberto, três a mais que na edição anterior do Ranking. Embora sejam apenas 15% das empresas, elas respondem por 44,25% do faturamento total das 300 maiores empresas. O setor de Moda, Calçados e Artigos Esportivos é o que tem mais empresas de capital aberto (13 empresas).

·        As 281 empresas listadas no Ranking deste ano e que têm números de lojas comparáveis entre 2020 e 2021 somam 68.997 pontos de venda, um avanço de 7,65%. O setor voltou a avançar, depois de um ano de incertezas.

·        A empresa que mais aumentou sua base de lojas foi o Grupo Soma, que multiplicou em 4x sua presença física com a incorporação da Hering e se fortaleceu como consolidadora no varejo de Moda. Cinco das 10 redes que mais abriram lojas em 2021 atuam no sistema de franquias.

·        No total, 180 das 300 empresas aumentaram sua base de lojas em 2021, contra 139 no ano anterior. Definitivamente, 2021 foi um ano bem mais positivo para a expansão do varejo brasileiro.

Continue lendo

Empresa

Huggies traz apelido de infância nas camisetas dos jogadores de futebol

Publicado

em

Seguindo seu novo posicionamento de marca “Bebê, estamos juntos nessa”, que explora as descobertas da vida de um bebê e lhe apresenta o mundo, Huggies – marca da Kimberly-Clark com solução completa para os cuidados infantis – criou uma ação para apresentar esse esporte aos pequenos de uma forma diferente, simples e engraçada e, de quebra, ainda comemorar o Dia dos Pais.

Afinal, os homens estão mais ativos e familiarizados com as tarefas de ordem prática do dia a dia em casa, como lavar louça (74%) ou cozinhar (47%), segundo mostrou a pesquisa “Parentalidade Real” encomendada por Huggies, em parceria com o instituto On the Go. Aliás, segundo o estudo que conversou com 1.010 mães e pais entre 25 e 40 anos, de todo o Brasil “a hora do banho (83%), da alimentação (82%) e da troca de fraldas (81%) também fica por conta dos pais”, mas nem por isso eles deixaram de curtir os momentos de descontração e brincadeira com os pequenos, sendo um deles o futebol, que é uma paixão de muitos papais brasileiros!

Sabendo de tudo isso, a marca preparou uma ação inédita no clássico Ceará x Fortaleza, que ocorreu justamente no domingo de Dia dos Pais (14/08) para deixar o jogo bem mais “baby friendly” (amigável para os bebês). Para surpreender o público do estádio e de casa, logo na escalação, os jogadores dos dois times foram anunciados pelos seus respectivos apelidos de quando eram bebês – que também estavam estampados em suas camisetas – com o objetivo de ajudar os bebês a compreenderem os nomes de cada um e a partida, com mais facilidade, além de mostrar que os jogadores já foram crianças, assim como seus pais.

O mesmo anúncio foi feito pelos perfis oficiais dos próprios times no ambiente digital, sem prévio aviso aos seguidores, e os apelidos também apareceram no telão do estádio, para gerar curiosidade entre os presentes.

O jogo foi realizado normalmente, gerando ainda mais curiosidade entre os fãs e, somente ao final da partida, a ação foi revelada em um vídeo nos canais da marca (@huggiesbrasil), onde Huggies explica ao bebê que “isso é futebol” e que eles são um time, assim como a marca, junto dos pais e seus filhos.

“Esta é mais uma ação criada a partir do nosso novo posicionamento, ‘Bebê, Estamos Juntos Nessa’ – na qual reforçamos o protagonismo do bebê como o centro de tudo o que fazemos em Huggies. Queremos apresentar a ele o futebol, um dos esportes mais amados pelos brasileiros, de uma forma diferente e, para isso, trouxemos irreverência para o jogo que aconteceu no Dia dos Pais, uma data especial e de descobertas”, conta Carolina Gormezano Frenkiel, gerente de marketing de cuidados infantis e de experiência do consumidor no ambiente digital. 

A estratégia de comunicação e criação da ação inédita foi produzida e executada pela Accenture Song, também responsável pelo plano de mídia e conteúdos no digital. Já as ações de PR com influenciadores e imprensa são lideradas pela agência PROS.

Continue lendo