Conecte-se com a LIVE MARKETING

Empresa

Redes sociais são tóxicas para jovens com distúrbios alimentares

Publicado

em

Agora que sou uma adulta, eu vejo como o Instagram é extremamente perigoso para adolescentes com uma imagem pessoal não saudável – e eles precisam da nossa ajuda para reduzir os males das redes sociais.

Quando eu tinha 15 anos, eu fui diagnosticada com anorexia. Me recuperei completamente, diferentemente de muitos colegas, mas foi uma batalha difícil.

Uma coisa pela qual sou grata é que nos anos em que sofri mais gravemente da doença, não tinha acesso ao Instagram, com seu gotejamento contínuo mostrando imagens de corpos inatingíveis aos quais os jovens estão expostos hoje. Mas eu tinha Facebook.

Lembro-me vividamente de voltar para casa do tratamento e imediatamente reconectar-me com amigos em tratamento no Facebook. Eu passava todas as noites no computador de mesa da nossa família me comparando a eles: Será que eles perderam peso? Eles estavam de volta ao tratamento? Foi extremamente estimulante estar conectado com pessoas que eu considerava “mais doentes” do que eu.

Para alcançar a verdadeira recuperação, aprendi a afastar as pessoas que estavam me provocando. Aprendi a passar mais tempo interagindo ativamente com colegas voltados para a recuperação, em vez de percorrer as fotos de corpo inteiro online. Aprendi a limitar meu tempo no Facebook, e a gastar mais tempo construindo relacionamentos na minha vida.

Este mês, o mundo acordou para o que sobreviventes como eu já sabem há anos. A mídia social está contribuindo para um número crescente de homens e mulheres que lutam com uma série de desafios de imagem corporal, desde um relacionamento doentio com comida e exercícios até um transtorno alimentar corporal. Permanece a necessidade de pesquisas mais abrangentes sobre o impacto, mas as anedotas falam por si. Sei disso porque os ouço da linha de frente todos os dias.

Sabemos que os adolescentes passam em média sete horas por dia nos telefones e muitos passam a maior parte desse tempo nas redes sociais. Uma jovem que mentorei recentemente me mostrou seu feed do Instagram: Metade inclui pessoas que ela conheceu em tratamento que estão lutando ativamente para melhorar fotos usando ferramentas de edição de embelezamento. Durante a pandemia, ela me disse que passava até 10 horas por dia no Instagram, o que a deixava em espirais diárias de autodesprezo e restrição alimentar.

É quase impossível convencer adolescentes como essa jovem a deletar o Instagram. Mas existem ações imediatas que podemos tomar para diminuir os danos e ampliar os lados positivos das mídias sociais.

Por um lado, compartilho meu feed pessoal do Instagram com adolescentes com quem trabalho como um exemplo de como eles podem curar uma comunidade voltada para a recuperação. Eu sugiro que eles sigam influenciadores positivos para o corpo em uma ampla gama de formas e tamanhos. Compartilho meus relatos favoritos sobre recuperação de distúrbios alimentares e conscientização sobre saúde mental. Eu sugiro assistir “Live Feeds” com inspirações de recuperação e pessoas fazendo coisas legais no mundo que não têm nada a ver com comida e corpo.

As interações que tive com adolescentes podem parecer um ato pequeno e simples, mas podem ter um grande efeito cascata. O Instagram e o Facebook agora têm a responsabilidade de replicar esse trabalho em grande escala. Podemos reduzir significativamente os danos e até aumentar o bem-estar mental, a comunidade e a satisfação corporal se usarmos as mídias sociais da maneira certa. Será preciso honestidade, introspecção e colaboração com os líderes da comunidade, mas acredito que podemos tornar essas plataformas mais seguras para os adolescentes.

Nesse intervalo, precisamos garantir que um tratamento de qualidade seja acessível a todos com um transtorno alimentar, que sabemos ser a segunda doença mental mais mortal. 80% dos 30 milhões de americanos que desenvolvem um transtorno alimentar nunca receberão tratamento e menos de 5% terão acesso a um tratamento que funcione. Temos a responsabilidade de diminuir os danos das plataformas de mídia social como o Instagram, e uma responsabilidade ainda maior de garantir que, quando as pessoas forem prejudicadas, tenham os recursos de que precisam para se curar totalmente.

Texto traduzido de Fast Company.

Matéria publicada no portal de notícias AdNews. Se quiser mais informações sobre o mundo da publicidade e do marketing acesse: https://adnews.com.br/

Continue lendo

Empresa

Águia Branca lança campanha especial de São João assinada pela Hagens

Publicado

em

Esperando há dois anos para retomar as celebrações e a alegria dos tradicionais festejos, a população da região está ansiosa para promover essa catarse cultural, cheia de reencontros e oportunidades que movimentarão ainda mais o turismo e a economia dos estados que celebram a data. A campanha tem foco nos mercados do sul da Bahia e Petrolina, trabalhando por meio das peças o uso dos canais digitais da empresa como a melhor opção de compra para os clientes.

Assinada pela agência Hagens, a identidade visual da campanha traz como referência a xilogravura e a literatura de cordel, com o ônibus estilizado e ilustrações que remetem a figuras tradicionais do São João, como o sanfoneiro, um balão e a dança tradicional da quadrilha. Com tom descontraído, as peças apostam na brasilidade e têm o objetivo de celebrar com os passageiros nesse momento de retorno às festividades. Para destacar e trazer o tom alegre e festivo, o verde limão e o laranja são utilizados como pontos de destaque. A campanha contará também com um jingle especial que veiculará em rádios do Nordeste e comercial de 30” para TV, além de diversas peças e estratégias online em todos os mercados de atuação da empresa.

Continue lendo

Empresa

Marketing digital é uma das grandes apostas do Grupo Stefanini, que anuncia aquisição da Ecglobal

Publicado

em

Com um faturamento de R$ 5 bilhões em 2021 e expectativa acima de R$ 6 bilhões este ano, utilizando uma estratégia baseada em crescimento orgânico e aquisições, o Grupo Stefanini dá mais um passo para ampliar seu ecossistema de inovação composto por mais de 30 empresas. Dessa vez, o foco é complementar o portfólio de soluções do ecossistema de marketing digital, batizado de Haus, com a aquisição da Ecglobal, uma empresa brasileira, com operações no exterior – países da América Latina e Estados Unidos -, que desenvolveu uma plataforma colaborativa, com tecnologia proprietária, para criar comunidades e redes sociais. O objetivo é que marcas e consumidores se engajem, colaborem e cocriem melhores produtos e experiências, sendo os dados de propriedade das empresas.

Responsável por divulgar anualmente o Net Love Score – NLS, estudo que revela as marcas que conquistaram o Brasil, a Ecglobal busca entender a evolução das tendências comportamentais dos consumidores, a partir da combinação de social listening em comunidades, com metodologias de pesquisas quantitativas e qualitativas. Sua plataforma promove uma participação ativa na rotina das pessoas por meio da automação e inteligência de dados e consegue interagir rapidamente em torno de uma causa ou propósito, impulsionando novos negócios.

Pela rede Ecglobal, as equipes de marketing, inovação e CX/UX podem desenvolver e validar conceitos, próximas inovações, experiências, posicionamento e comunicação. Da mesma maneira, a área de pesquisa pode gerar insights estratégicos para os departamentos de marketing e branding. É um espaço onde os participantes podem ouvir e ser ouvidos, receber informações e influenciar decisões de marcas e organizações que admiram.

Para o Managing Partner da Haus, Guilherme Stefanini, a chegada da Ecglobal ao grupo reforça a estratégia de aportar cada vez tecnologia e inteligência ao marketing para trazer resultados. Ao unir expertises, as empresas ampliam a capacidade de analisar dados, geram mais inteligência, se aproximam dos clientes e criam comunidades, que podem ser segmentadas por interesses comuns, discutem alternativas para tomar decisões mais assertivas e agregar valor ao negócio.

Continue lendo