Conecte-se com a LIVE MARKETING

Empresa

Redes sociais são tóxicas para jovens com distúrbios alimentares

Publicado

em

Agora que sou uma adulta, eu vejo como o Instagram é extremamente perigoso para adolescentes com uma imagem pessoal não saudável – e eles precisam da nossa ajuda para reduzir os males das redes sociais.

Quando eu tinha 15 anos, eu fui diagnosticada com anorexia. Me recuperei completamente, diferentemente de muitos colegas, mas foi uma batalha difícil.

Uma coisa pela qual sou grata é que nos anos em que sofri mais gravemente da doença, não tinha acesso ao Instagram, com seu gotejamento contínuo mostrando imagens de corpos inatingíveis aos quais os jovens estão expostos hoje. Mas eu tinha Facebook.

Lembro-me vividamente de voltar para casa do tratamento e imediatamente reconectar-me com amigos em tratamento no Facebook. Eu passava todas as noites no computador de mesa da nossa família me comparando a eles: Será que eles perderam peso? Eles estavam de volta ao tratamento? Foi extremamente estimulante estar conectado com pessoas que eu considerava “mais doentes” do que eu.

Para alcançar a verdadeira recuperação, aprendi a afastar as pessoas que estavam me provocando. Aprendi a passar mais tempo interagindo ativamente com colegas voltados para a recuperação, em vez de percorrer as fotos de corpo inteiro online. Aprendi a limitar meu tempo no Facebook, e a gastar mais tempo construindo relacionamentos na minha vida.

Este mês, o mundo acordou para o que sobreviventes como eu já sabem há anos. A mídia social está contribuindo para um número crescente de homens e mulheres que lutam com uma série de desafios de imagem corporal, desde um relacionamento doentio com comida e exercícios até um transtorno alimentar corporal. Permanece a necessidade de pesquisas mais abrangentes sobre o impacto, mas as anedotas falam por si. Sei disso porque os ouço da linha de frente todos os dias.

Sabemos que os adolescentes passam em média sete horas por dia nos telefones e muitos passam a maior parte desse tempo nas redes sociais. Uma jovem que mentorei recentemente me mostrou seu feed do Instagram: Metade inclui pessoas que ela conheceu em tratamento que estão lutando ativamente para melhorar fotos usando ferramentas de edição de embelezamento. Durante a pandemia, ela me disse que passava até 10 horas por dia no Instagram, o que a deixava em espirais diárias de autodesprezo e restrição alimentar.

É quase impossível convencer adolescentes como essa jovem a deletar o Instagram. Mas existem ações imediatas que podemos tomar para diminuir os danos e ampliar os lados positivos das mídias sociais.

Por um lado, compartilho meu feed pessoal do Instagram com adolescentes com quem trabalho como um exemplo de como eles podem curar uma comunidade voltada para a recuperação. Eu sugiro que eles sigam influenciadores positivos para o corpo em uma ampla gama de formas e tamanhos. Compartilho meus relatos favoritos sobre recuperação de distúrbios alimentares e conscientização sobre saúde mental. Eu sugiro assistir “Live Feeds” com inspirações de recuperação e pessoas fazendo coisas legais no mundo que não têm nada a ver com comida e corpo.

As interações que tive com adolescentes podem parecer um ato pequeno e simples, mas podem ter um grande efeito cascata. O Instagram e o Facebook agora têm a responsabilidade de replicar esse trabalho em grande escala. Podemos reduzir significativamente os danos e até aumentar o bem-estar mental, a comunidade e a satisfação corporal se usarmos as mídias sociais da maneira certa. Será preciso honestidade, introspecção e colaboração com os líderes da comunidade, mas acredito que podemos tornar essas plataformas mais seguras para os adolescentes.

Nesse intervalo, precisamos garantir que um tratamento de qualidade seja acessível a todos com um transtorno alimentar, que sabemos ser a segunda doença mental mais mortal. 80% dos 30 milhões de americanos que desenvolvem um transtorno alimentar nunca receberão tratamento e menos de 5% terão acesso a um tratamento que funcione. Temos a responsabilidade de diminuir os danos das plataformas de mídia social como o Instagram, e uma responsabilidade ainda maior de garantir que, quando as pessoas forem prejudicadas, tenham os recursos de que precisam para se curar totalmente.

Texto traduzido de Fast Company.

Matéria publicada no portal de notícias AdNews. Se quiser mais informações sobre o mundo da publicidade e do marketing acesse: https://adnews.com.br/

Continue lendo

Empresa

Heinz lança campanha inspirada em “Deadpool & Wolverine”, da Marvel Studios

Publicado

em

Na preparação para o lançamento de “Deadpool e Wolverine” da Marvel Studios, nos cinemas em 25 de julho, os fãs notaram algo especial nos trajes vermelhos e amarelos, marca registrada dos super-heróis – eles se parecem muito com outra dupla icônica: Ketchup e Mostarda Heinz que anunciou o lançamento de produtos colecionáveis de edição limitada nos EUA, que permitem aos fãs ter embalagens de ketchup e mostarda personalizados e parecidos com Deadpool e Wolverine.

“Depois de ver a conversa nas redes sociais destacando as semelhanças entre nossas duas duplas icônicas – Deadpool & Wolverine e Ketchup & Mostarda Heinz – sabíamos que tínhamos que nos unir ao filme”, disse Lizzy Goodman, gerente de comunicações de marca Heinz na The Kraft Heinz Company. “Depois que fizemos essa conexão – não podíamos “desver” –  pois essas semelhanças vão além da cor. Todo mundo tem um favorito, mas, na verdade, eles ficam melhores juntos, as duas duplas desempenham papéis principais em um verão épico.”

A campanha faz parte de uma collab entre Heinz e Deadpool & Wolverine da Marvel Studios. Inspirada na verdade que os fãs não podem deixar de ver – a semelhança entre as duas duplas icônicas – a campanha é lançada com um curta-metragem com narração personalizada do próprio Deadpool, Ryan Reynolds. O filme começa como um novo spot para “Deadpool e Wolverine”, mas rapidamente se transforma em um anúncio para os icônicos Ketchup e Mostarda Heinz. Em seu estilo clássico de quebrar a quarta parede, Reynolds (como Deadpool) chega à chocante constatação de que ele e Wolverine se parecem exatamente com garrafas de Ketchup e Mostarda da marca.

Continue lendo

Empresa

Uso da blockchain no varejo está estimulando a competitividade do segmento marketeiro

Publicado

em

A competitividade do mercado de varejo está cada vez mais acirrada, com isso, equipes de marketing, inovação e comercialização têm enfrentado, diariamente, grandes desafios para cativar o consumidor, o qual passou a ser mais exigente em suas escolhas. Desta forma, a personalização do atendimento se tornou uma prioridade para o varejo, principalmente para e-commerces, que passaram a investir em tecnologias diferenciadas para se adaptar aos mais diversos consumidores, como o uso da Blockchain.

A tecnologia Blockchain já não é mais novidade, mas seu uso ficou muito conhecido no segmento financeiro, de logística e segurança. Para o varejo, a ferramenta já é bastante implementada na segurança de dados e informações, transações, tal como rastreabilidade e otimização de logísticas e produção, entre outros. Entretanto, o uso tem tomado novos rumos, ainda pouco explorados no mercado e, desta vez, voltado para equipes de marketing, CX e inovação, que passaram a trazer benefícios do cruzamento de dados da Blockchain para o atendimento direto ao cliente, como personalização e co-criação.

“Com o uso da Blockchain, ficou mais fácil para o consumidor participar do processo criativo da marca e se conectar com aquelas que ele mais se identifica. Através dela, as lojas passam a registrar de forma transparente todas as contribuições, criando um histórico confiável, e podendo distribuir recompensas para contribuições, gerando engajamento, conexão, feedbacks mais assertivos e permitindo ajustes mais rápidos e interativos”, explica André Carneiro, CEO da BBChain.

Continue lendo