Conecte-se com a LIVE MARKETING

Empresa

Estudos da Russell Reynolds apontam áreas de atenção para uso eficaz de inteligência artificial nas empresas

Publicado

em

À medida que cresce o entusiasmo em torno da inteligência artificial generativa (GenAI), levantamento da Russell Reynolds, alerta sobre cinco áreas que demandam maior atenção dos executivos: cultura, liderança, estrutura organizacional, parcerias comerciais e gestão de riscos. O estudo Navegando na revolução da IA generativa, ressalta que, mais do que investir em novas tecnologias, é preciso desenvolver uma mentalidade tecnológica para implantação eficaz das soluções digitais, aproveitar ao máximo as oportunidades de negócios e fortalecer a segurança cibernética. Além disso, de acordo com a pesquisa Monitor Global de Liderança, também realizada pela consultoria, 65% dos líderes entrevistados afirmaram que estão pesquisando ou experimentando ferramentas, 29% ainda não discutiram a pauta e 7% já implementaram alguma GenAI no seu dia a dia.

“Para enfrentar os desafios dessa nova era tecnológica, é essencial que os executivos compreendam o potencial das IAs e saibam implementá-las de forma equilibrada nos negócios. Além dos riscos associados à segurança cibernética, é preciso avaliar se a empresa tem os talentos certos para conduzir a jornada, se está amparada legalmente para utilização das novas tecnologias e se há alinhamento e engajamento de todo o C-level em relação às mudanças necessárias”, explica Tatyana Freitas, head da prática de tecnologia e digital da Russell Reynolds Associates.

Os estudos da Russell Reynolds revelam a percepção dos executivos sobre a maturidade das suas empresas em relação à GenAI e apontam as questões que precisam ser revisitadas com maior atenção para explorar todo o potencial da tecnologia de forma mais eficaz:

Liderança: enquanto algumas empresas optam por criar a função de diretor de IA (Chief Artificial Intelligence Officer – CAIO), outras preferem incorporá-la a posições já estabelecidas de Tecnologia, como CIO, CTO ou CDO. Independentemente da abordagem, é preciso avaliar se a empresa tem talentos disponíveis ou capacidade de atraí-los e se todo o time executivo tem forte conhecimento sobre as novas tecnologias. Cerca de 72% dos líderes entrevistados concordam que uma forte compreensão da GenAI será habilidade fundamental para futuros diretores. Ao mesmo tempo, apenas 32% estão confiantes de que têm as competências certas para implementar a tecnologia em sua organização.

Cultura Corporativa: empresas orientadas a Tecnologia fomentam uma cultura de inovação e transformação, estabelecendo uma mentalidade de testar e aprender para que seus líderes sejam capazes de questionar produtivamente o status quo e assumir riscos para obter vantagem competitiva. Ao mesmo tempo, é preciso adotar uma abordagem mais deliberada, de integração da IA a processos existentes, para maior engajamento das equipes em encontrar diferentes formas de implementá-la em suas áreas, enxergando essa tecnologia como uma ferramenta que potencializa soluções, ao invés de possível substituta do capital humano.

Estrutura Organizacional: a adoção da GenAI aumenta a importância de áreas como Arquitetura da Informação e Ciência de Dados, além da ética a ser adotada, entre outros fatores. Isso demanda maior integração das funções necessárias para apoiar a sua implementação em diferentes áreas do negócio. Na pesquisa realizada pela Russell Reynolds, cerca de 28% dos entrevistados relataram que suas empresas criaram funções específicas para novas tecnologias abaixo do C-level e 21% que um Chief Artificial Intelligence Officer (CAIO) foi apontado. Além disso, a GenAI permite que executivos direcionem seus esforços para áreas mais estratégicas e tarefas de maior impacto para os negócios, possibilitando redistribuição de talentos e integração de setores.

Estratégias Comerciais: Elaboração de relatórios complexos, perfilamento de clientes para personalização de atendimento e oferta de serviços, identificação de tendências, desenvolvimento de novos produtos. As possibilidades de uso da GenAI são tão numerosas quanto o volume de dados que ela é capaz de analisar, por isso a importância do conhecimento de toda a liderança sobre a tecnologia e da curiosidade sobre os potenciais fluxos de receitas que sua área pode gerar.

Gerenciamento de Riscos: É preciso considerar, ainda, as implicações éticas das ferramentas, com construção de sistemas que considerem o propósito e os valores da organização e tenham normas claras de utilização da GenAI. Entre os líderes que já implementaram ou estudam a nova tecnologia, 48% priorizam uma abordagem que inclua a análise dos riscos legais e 41% que estabeleça políticas internas.

Para aproveitar melhor o potencial da GenAI, as organizações precisam primeiro compreender as suas capacidades digitais e avaliar o seu nível de conforto com os riscos associados à tecnologia. A partir disso, é possível tomar decisões sobre como e onde será implementada e desenvolver um roteiro estratégico adaptado às suas necessidades, valores e objetivos.

Continue lendo

Empresa

Heineken inova em tecnologia nos bares

Publicado

em

A Heineken acaba de anunciar mais uma novidade: o Hei, o auxiliar de garçons feito com inteligência amigável. Indo na contramão do que todo mundo está fazendo, usando inteligência artificial, a marca apostou nessa tecnologia que está nos bares desde sempre e promove a interação social. Além de ser programado com simpatia e diversos assets para ajudar o garçom, ele proporciona uma experiência única no atendimento ao clientes e ainda revela todos os segredos de Heineken. A atração estará disponível nos bares Quintal de Carmen, de Santo André, JK Anastacio, Vila Leopoldina, Geriba Bar, Perdizes, Mate Doce, Granja Julieta e Só Santo, Santo André. Hei permanece nos estabelecimentos até o dia 02 de junho. 

A ação idealizada pela a Outpromo faz parte da campanha “Sabor de Heineken, Só Heineken”, que evidencia as credenciais da cerveja, tais como: água, malte, lúpulo, a exclusiva levedura A, fermentação em tanques horizontais e a produção da cerveja com energia renovável. Seu objetivo é enfatizar o sabor único da marca para consumidores que pedirem uma verdinha ou que estiverem na dúvida de qual cerveja vão escolher para começar a curtir com amigos e familiares nos bares participantes, reforçando a mais recente campanha da Heineken.

“A Heineken está empenhada em sempre proporcionar as melhores experiências para o seu público, oferecendo bons momentos para os  consumidores e com o Hei não é diferente. A iniciativa inovadora permite uma interação do robô com clientes no momento mais esperado por eles: de consumir uma Heineken”, conta William Mazzucatto, manager trade marketing da Heineken no Brasil.

Continue lendo

Empresa

Nova campanha publicitária da Allianz Seguros traz as Olimpíadas como temática

Publicado

em

A Allianz Seguros apresenta sua nova campanha publicitária, que tem como temática principal os Jogos Olímpicos de Paris, competição da qual a Allianz é parceira oficial. Os conteúdos, que estreiam no dia 27 de maio, seguem com a assinatura “Você pronto para viver o melhor” e visam ampliar o conhecimento e a consideração da marca pelos brasileiros, além de reforçar o amplo portfólio da companhia.

Criada pela agência iD\TBWA, a ação dará destaque aos produtos automóvel e residência. Ana Marcela, atleta e medalhista olímpica patrocinada pela Allianz Brasil, é a protagonista dos filmes, em que faz um paralelo sobre o conceito da campanha dentro da temática do esporte. Os vídeos mostram momentos de preparação da atleta, um pouco da rotina de treinamentos e explicam como os serviços da Allianz contribuem para que mantenham a tranquilidade diante de imprevistos, permitindo que se concentrem na preparação para os Jogos Olímpicos. Além disso, a seguradora patrocinará o quadro “Missão Paris”, da TV Band, como forma de destacar o seu apoio olímpico dentro da programação esportiva da emissora.

“Com essa nova campanha, temos o objetivo de reforçar a imagem da Allianz como uma seguradora completa, valorizando os atributos dos seus principais produtos. Além disso, também queremos trazer a grandeza de uma marca global, que apoia o esporte e patrocina o maior evento esportivo do mundo”, diz Maria Clara Ramos, diretora executiva de transformação, estratégia e marketing da Allianz Seguros.

De acordo com Gabriel Silva, diretor de criação associado da iD\TBWA, o projeto foi idealizado para capturar a essência do esporte e sua capacidade de inspirar e unir pessoas. “Nós trouxemos uma narrativa que não apenas fale de segurança, mas que também celebre a preparação da Ana Marcela para as Olimpíadas ao lado da Allianz Seguros. Portanto, cada elemento dos filmes e demais ativações, foram cuidadosamente pensadas para transmitir mensagens de confiança e proteção”, afirma.

Continue lendo