Conecte-se com a LIVE MARKETING

Empresa

E-commerce paulista deve fechar ano com alta de 26%, segundo FecomercioSP

Publicado

em

De acordo com a última projeção da Pesquisa do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), em parceria com a Ebit/Nielsen, o comércio eletrônico paulista deve fechar 2022 com alta de 26%, o equivalente a R$ 66,7 bilhões, R$ 13,7 bilhões a mais que o ano passado.

Os números comprovam o que já é observado há tempos. O setor de e-commerce está crescendo, somente em 2019, o número de sites voltados para o comércio eletrônico era de mais de 930 mil, segundo levantamento feito pela BigData e pela Paypal.

A internet permite que a modalidade abrigue diferentes tipos de negócios, criando uma categoria nova de e-commerces, os inusitados. Observando um nicho pouco atendido e focando em um público muito específico, os negócios inusitados estão ganhando força.

E tem mercado para todo mundo. Os comércios eletrônicos diferenciados se multiplicam a cada dia. Você pode encontrar um site especializado em iogurtes ou quem sabe uma página completa de travesseiros, para melhorar o seu sono. É apaixonado por churrasco? Existe uma loja online só com artigos para tornar seu assado mais profissional.

“A internet é muito democrática e permite que qualquer empreendimento vá pra frente, basta você ter uma ideia boa e conhecer o público que você quer alcançar. Cada dia mais, as empresas vão começar a oferecer um serviço muito específico e sempre vai ter gente precisando dele”, assegura Geraldo Rigoni, CEO e fundador da Achei Montador.

Entre janeiro e setembro deste ano, as vendas do comércio eletrônico no Estado de São Paulo registraram alta de 21% em relação ao mesmo período do ano passado, alcançando o montante de R$ 15 bilhões.

Continue lendo

Empresa

PRIO lança plataforma de patrocínios com primeira campanha que declara amor ao RJ

Publicado

em

A PRIO, empresa independente de óleo e gás, está lançando oficialmente este ano sua plataforma de patrocínios, que tem como objetivo devolver para a sociedade, gerando um legado social por meio do incentivo ao esporte, à cultura, à sustentabilidade e à educação. Com o nome I Love PRIO, a plataforma ganhou redes sociais próprias para divulgação de projetos – Instagram e TikTok – e a partir deste mês irá ganhar as ruas em campanhas nos cinemas e em pontos estratégicos do Rio de Janeiro.

Essa primeira campanha dentro da plataforma traz o conceito “Da PRIO pro Rio”, com um filme manifesto inspirado na beleza e estilo de vida da sua cidade-sede, que começa a circular ao longo dessa semana nas redes sociais da empresa e em salas de cinema. A campanha traz imagens dos principais cartões postais do Rio, como a praia de Copacabana, o Pão de Açúcar e o Cristo Redentor, além de mostrar o carioca em momentos de lazer e a presença da empresa como parte do cenário da cidade, com o imponente prédio de sua sede na praia de Botafogo. O vídeo apresenta também a figura do polvo – personagem que representa o primeiro campo de petróleo da companhia – vivenciando as belezas da cidade.

A plataforma I Love PRIO vem crescendo e tomando seu atual formato há 2 anos e hoje contempla mais de 40 projetos, somando uma expectativa de investimento de cerca de R$ 35 milhões ao longo de 2024. A maioria dos projetos apoiados se encontra atualmente no Rio de Janeiro, onde a empresa nasceu, mas com a ampliação da plataforma, a ideia é expandi-lo para outras regiões do país, como São Paulo, Brasília e Vitória, por exemplo. Entre os novos projetos apoiados estão Maratona do Rio, DreamTour, Instituto Vini Jr, Instituto Sem Barreiras, 10 atletas paralímpicos, entre outros. “Somos uma marca atual e eficiente, que quer discutir o futuro, que preza pela sustentabilidade e que incentiva a cultura e o esporte. Usamos o I Love PRIO pois ele reflete nossa paixão pelas iniciativas que apoiamos e acreditamos gerar valor”, conta Olivia Richardson, head de marketing e comunicação da PRIO.

Continue lendo

Empresa

Relatório anual Tendências Globais em Governança Corporativa, da Russell Reynolds, aponta desafios e oportunidades identificadas para conselhos empresariais

Publicado

em

As inovações disruptivas como Inteligência Artificial (IA), diversidade, iniciativas ESG e as mudanças nos padrões de governança estão entre os principais desafios e preocupações dos Conselhos de Administração identificadas pela edição de 2024 do estudo Tendências Globais em Governança Corporativa. Produzido anualmente pela Russell Reynolds, referência global em busca executiva, consultoria e desenvolvimento de lideranças, o estudo também revela tendências para o Brasil, onde a Sustentabilidade ganha destaque pela realização da COP 2030 e a recuperação do mercado de capitais torna-se tema prioritário na agenda das lideranças.

“Enquanto no ano passado, víamos o ceticismo dos investidores sobre a qualidade da composição e o desempenho de seus conselhos, a performance de CEOs e seus planos de sucessão, para 2024 notamos que o foco tem mudado, demonstrando como a governança corporativa é dinâmica e apresenta novas exigências. O tema de ESG segue fortemente em pauta, agora com pressão ainda maior para as ações se tornarem práticas, incluindo programas de diversidade, equidade e inclusão”, analisa Jacques Sarfatti, sócio-diretor da Russell Reynolds e líder da prática de avaliação de conselhos de administração e CEOs.

O avanço da Inteligência Artificial e outras inovações disruptivas chegaram à vanguarda das discussões do Conselho em 2023 e elevaram o grau de preocupação quanto às crescentes ameaças à segurança da informação e à privacidade de dados. Para este ano, espera-se um aumento de propostas enfatizando a necessidade de governança, os seus efeitos na força de trabalho e a utilização ética da IA.

O caminho da paridade ganha foco na diversidade. Os conselhos enfrentam o desafio de promover um ambiente inclusivo que não apenas acomode, mas busque ativamente dar voz e ecoar as diversas perspectivas. Em 2023, houve um avanço significativo na paridade de gênero, com mulheres representando mais de 40% dos conselhos de empresas dos principais índices da França, Itália e Reino Unido. Embora, no Brasil, esse indicador ainda esteja em 18%, o estudo observa grandes progressos em relação às múltiplas dimensões de diversidade em todo o mundo, o que inclui etnia, idade e proficiência tecnológica. “Com o aumento gradativo da representatividade, a missão dos Conselhos é garantir que esses grupos sejam ouvidos e tenham o devido espaço nas discussões e, posteriormente, as iniciativas sejam disseminadas para todos os níveis da empresa”, complementa Sarfatti.

Se por um lado, há maior pressão dos stakeholders e da sociedade por ações concretas em ESG, do outro, nota-se uma certa relutância de líderes empresariais em divulgar de maneira mais transparente essas ações, dados e seus impactos para as organizações. Isso se deve em parte à politização da agenda, especialmente nos Estados Unidos, e não necessariamente representa uma desaceleração dos esforços em iniciativas ESG. A realização da COP 30 no Brasil, em 2025, e o compromisso da CVM em aderir às normas ISSB IFRS S1 e S2 têm influenciado um maior direcionamento da governança corporativa das empresas brasileiras para a Sustentabilidade. Conselheiros e investidores estão mais atentos às iniciativas de suas organizações, aos impactos dessas ações e ao desenvolvimento de suas próprias competências técnicas em relação ao tema.

Nota-se também uma migração dos padrões de governança, com empresas de capital fechado adotando alguns dos requisitos significativos de governança corporativa e de relatórios mandatórios de empresas de capital aberto. Há também uma movimentação crescente para profissionalização das atividades e processos dos conselhos. No Brasil, o foco está na mudança dos mecanismos de remuneração dos executivos, planejamento sucessório de todo o C-level e implementação de avaliação externa e matriz de competência dos conselhos.

O relatório Tendências Globais em Governança Corporativa para 2024 foi realizado por uma equipe multidisciplinar de consultores e líderes influentes do Brasil, Estados Unidos, Canadá, México, Reino Unido, Alemanha, França, Espanha, Países Nórdicos, Índia, Emirados Árabes, Austrália, Cingapura e Malásia. Leia o estudo na íntegra em https://www.russellreynolds.com/en/insights/reports-surveys/2024-global-corporate-governance-trends

Continue lendo