Conecte-se com a LIVE MARKETING

Empresa

Cheil Brasil realiza pesquisa para medir a evolução da crise pelo Covid-19

Publicado

em

Para entender a evolução da percepção e do sentimento das pessoas em relação ao Coronavirus, a Cheil Brasil realizou um estudo a partir de dados coletados em diferentes momentos da pandemia. Em parceria com Opinion Box – startup de marketing que oferece soluções de pesquisa online – foram feitas três análises para uma base de participantes formada por homens e mulheres, de idade 16+, pertencentes a todas as classes e regiões do Brasil, sendo a primeira efetuada em março no início do surto de contágios por Covid-19, a segunda depois de três meses marcando os meados da crise decorrente dele, e, agora no final do ano, uma terceira revelando sentimentos que devem permanecer na população até 2021.

A necessidade que levou a agência a executar a iniciativa foi perceber que era preciso realizar um retrato contínuo do estado de ânimo e disposição das pessoas para, inclusive, elaborar campanhas mais assertivas.

“No começo da crise causada pelo avanço do contágio por Covid-19 nos questionamos de que forma poderíamos ter um material relevante mesmo diante de tantos estudos e informações de variadas fontes. Nossa estratégia, então, foi montar um único questionário para analisar o impacto da pandemia em momentos distintos e realizar três ondas de pesquisas com um mesmo perfil de recrutamento” explica Paula Queiroz, head de planejamento da Cheil.

Nos três meses que formam o período entre o início e o meio da pandemia, foram apontadas algumas constantes e também identificadas mudanças na percepção da população. Um exemplo disso foi o fato de que a maior preocupação ainda era com a saúde. Todos os entrevistados se sentiam vulneráveis e acreditavam que, sim, poderiam ser contaminados pelo vírus. Por isso, cuidados que antes eram considerados exageros depois foram determinados como essenciais – informação confirmada pelo dado de 91% de pessoas afirmando que utilizaram máscaras na onda 2 da pesquisa contra apenas 12% na onda 1.

Apesar dos maiores receios terem continuado predominantemente ligados à saúde, as questões financeiras ganharam força e se tornaram outro grande problema ocasionado pelo surgimento do Coronavirus. Economizar dinheiro, que antes era uma preocupação para 57% das pessoas, depois se tornou um motivo preocupante para 85% dos entrevistados, ficando acima, inclusive, do anseio por garantia de armazenamento de suprimentos.

A análise dos resultados medidos entre os diferentes momentos do estudo mostrou, ainda, que nesse meio tempo se construiu uma aflição ainda maior em relação ao futuro. 74% dos entrevistados da segunda onda expressaram grande preocupação com os próximos anos estabelecendo, assim, o fim do otimismo do início da pandemia.

“No começo as pessoas não tinham ideia da magnitude que a crise causada pelo Coronavirus poderia alcançar e a comparavam com diversos tipos de crises de saúde e financeira que aconteceram no passado, como a proveniente da época do surto da H1N1. Depois, o consenso generalizado foi de que estamos vivendo tempos sem precedentes e que, com certeza, o Covid-19 não poderia ser comparado a uma simples gripe”, comenta Paula.

Já a terceira onda da pesquisa que completou o estudo e analisou os impactos da pandemia, mostrou sentimentos que estarão refletidos na sociedade até 2021. Entre os principais resultados, identificou-se que a preocupação com o futuro cresceu ainda mais, sendo o último trimestre que passou o momento de maior receio, principalmente entre os jovens. Por isso, se no começo da crise as pessoas estocavam alimentos, agora a tendência é guardar dinheiro, especialmente entre as classes mais baixas.

“Em junho, quando realizamos a campanha da Crystal UHD, da Samsung, trouxemos o mude da preocupação, do isolamento e da empatia com o próximo. A relação com a casa não era tão emocional como é agora. A gente já tinha uma visão de conexão com ela e com a televisão, mas agora ela estava diferente. As pessoas estavam dentro de casa e precisavam se adaptar a essa rotina. Na última onda, percebemos uma preocupação maior com a economia, até mais do que com a doença, então, trazemos um tom menos emocional e começamos a falar de futuro e tentamos estabelecer o que seria o novo normal”, diz Paula.

Outro dado que é presente mais fortemente entre as classes mais baixas é a grande preocupação com a doença causada pelo Covid-19, ainda que a nível geral essa taxa esteja caindo e marcando o resultado mais baixo desde o início da pandemia. O mesmo acontece entre os jovens de 16 a 24 anos, que mantém a taxa de receio alta e estável desde a primeira fase da pesquisa, realizada no começo do ano. Nesta terceira onda da pesquisa constatou-se, ainda, que a prevenção contra o vírus se manteve mesmo com o trabalho de casa perdendo um pouco de força, já que outros comportamentos como o “sair menos de casa” cresceram.

O panorama geral de análise das três fases da pesquisa não descarta a possibilidade de um estudo de uma quarta onda levando em conta que o próximo ano já se iniciará com contratempos decorrentes da pandemia.

“Junto a forte preocupação com o futuro em relação ao desemprego e a volta das atividades econômicas no país, esse é mais um dos resultados que entendemos que terão reflexo em 2021. Isso porque antes as pessoas pensavam que a crise duraria de dois a seis meses, porém na análise das ondas de percepções seguintes, o pensamento de que a crise poderia durar até dois anos só cresceu” concluiu Paula Queiroz.

Continue lendo
Clique para comentar

You must be logged in to post a comment Login

Deixe uma resposta

Empresa

Comércio conversacional pode alavancar e-commerce nos mercados emergentes

Publicado

em

De

É fato que o comércio eletrônico bateu recordes em 2020 com o aumento da demanda na pandemia, já que as restrições de circulação faz com que os consumidores realizem mais compras online.

Desafios dos mercados emergentes

Apesar desse aumento significativo no setor, dados mostram que o e-commerce ainda não é uma solução definitiva para alguns mercados emergentes pelos seguintes motivos:

  1. Falta de conhecimento digital

Segundo o relatório Global Skills Ranking, que mede uma série de indicadores de acesso a Tecnologia como: penetração de internet, acesso a banda larga, posse de dispositivos móveis, criação de websites, desenvolvimento de aplicativos assim como conhecimentos básicos de tecnologia, o Brasil está em 59º lugar entre 134 países, se classificando como país atrasado. Essa posição no ranking ainda dificulta uma maior adoção e desenvolvimento de sites de e-commerce. 

  1. Tecnologia dos celulares utilizados

Uma pesquisa realizada pela Counterpoint, revela que os celulares utilizados pela maior parte da população brasileira são aparelhos mais baratos e com menos tecnologia, não permitindo a instalação de muitos aplicativos.

  1. Planos de internet

O terceiro ponto tem relação com o plano de internet dos brasileiros, 62% dos usuários de celular possuem planos pré-pagos, o que significa que o download e utilização de aplicativos é algo caro para a maior parte dos usuários. Em contrapartida no Brasil acontece uma utilização massiva em aplicativos como Facebook e Whatsapp. 

Todos esses fatores acabam sendo uma barreira para compras online, ao ponto que 76% dos brasileiros nunca compraram online.  

Oportunidades para o comércio conversacional nos mercados emergentes

Por conta desses desafios, o comércio conversacional, ou aqueles que se utilizam de plataformas de conversação como WhatsApp e o Facebook Messenger, aparecem como uma grande solução para empresas que querem se conectar de forma rápida, eficiência e orgânica com seus consumidores. Essas soluções são especialmente importantes porque não requerem que os usuários tenham celulares de última geração ou um grande plano de dados para navegar em sites de e-commerce. 

Uma solução de comércio conversacional que vem ganhando espaço, e que recentemente recebeu investimento do brasileiro Eduardo Saverin, é a Yalo Chat, uma empresa especializada em chatbots. A gigante do comércio conversacional nos contou em entrevista exclusiva como no chatbots há diversas maneiras de se aproximar de seus alvos são inúmeras, basta você ter uma boa estratégia.

 

Matéria publicada no portal de notícias AdNews. Se quiser mais informações sobre o mundo da publicidade e do marketing acesse: https://adnews.com.br/

Continue lendo

Empresa

Dona da MAD Lions construirá arena de eSports de R$ 2,7 bilhões

Publicado

em

De

A OverActive Media, dona da MAD Lions, equipe de League of Legends, revelou seu ambicioso projeto previsto para ser finalizado em 2025

Atualmente, a estrutura em que os eventos de Lol são realizados, é destaque no mundo do eSports. Nesse sentido, a OverActive Media, dona da MAD Lions anunciou a construção de uma arena de entretenimento e eSports.

De antemão, o projeto deve ser entregue em 2025, de acordo com as estimativas da empresa. Além disso, a OverActive Media, anunciou que, a princípio, o custo estimado é de US$ 500 milhões (R$ 2,7 bilhões).

O anúncio ocorreu através de seu canal oficial no Youtube, no qual a dona do MAD Lions divulgou o projeto impressionante que deve elevar o patamar das arenas de eSports.

Primordialmente, o objetivo do projeto é redefinir o cenários dos eSports no Canadá. Visto que, a nova arena terá terá 7 mil assentos e deve sediar mais de 200 eventos anualmente. Portanto, além de partidas de eSports, o local também servirá será palco de shows, por exemplo.

Dona da Toronto Defiant, da Overwatch League, e da Ultra, da Call of Duty League, a OverActive poderá juntar suas duas franquias em uma única casa, ideia que já existia dentro da empresa:

Sempre foi nossa intenção construir um espaço que pudesse servir não somente como uma casa icônica para nossas duas franquias, mas também emergir como um centro global para grandes eventos internacionais de eSports. Já estamos em discussões ativas para atrair alguns dos maiores eventos de eSports do mundo — conta Chris Overholt, CEO da OverActive Media.

 

Matéria publicada no portal de notícias AdNews. Se quiser mais informações sobre o mundo da publicidade e do marketing acesse: https://adnews.com.br/

Continue lendo

Empresa

Predilecta Alimentos apresenta Ana Maria Braga como nova embaixadora

Publicado

em

De

A Predilecta Alimentos em comemoração de seus 30 anos de história, inicia 2021 com uma nova embaixadora da marca. E para uma empresa que tem o slogan “Feito com Amor”, ninguém melhor do que a apresentadora Ana Maria Braga para representá-la!

“A Ana Maria Braga, é uma das mulheres mais queridas e respeitadas do Brasil quando falamos em comer bem. De cozinhar com amor, de ser família, de ser verdadeira. De fazer aquilo que ama e só fazer se realmente acreditar no que faz! E quando nós começamos esta conversa com a Ana, foi muito gratificante para Predilecta saber quanto conhecimento ela já tinha sobre a empresa e a confiança que ela tem na marca e na qualidade de nossos produtos”, informa Kleber Mendonça, gerente de marketing da Predilecta.

Há 30 anos no mercado, a Predilecta é uma empresa familiar, reconhecida como uma das maiores indústrias de alimentos do país e está presente semanalmente em mais 20 milhões de lares em todos Brasil. A expectativa com ação, é tornar a marca Predilecta ainda mais próxima dos consumidores, reforçando sua qualidade em um portfólio com mais de 300 itens.

Continue lendo

Tendências