Conecte-se com a LIVE MARKETING

Empresa

Seria o fim do Facebook que conhecemos?

Publicado

em

Fazer postagens no Facebook, curtir a nova polêmica do BBB ou simplesmente rolar o feed infinitamente parecem ter se tornado ações tão involuntárias quanto respirar.

No entanto, você deve ter se sentido meio perdido com o apagão das redes sociais no início do mês, e se surpreendido com a incrível queda de 6 bilhões de dólares de Zuckerberg após os diversos eventos que abalaram a imagem do Facebook.

“Estamos cientes de que algumas pessoas estão tendo problemas ao acessar nossos apps e produtos. Nós estamos trabalhando para trazer as coisas de volta ao normal o mais rápido possível e nos desculpamos por qualquer inconveniência.”

De acordo com os últimos dados divulgados pela empresa em 2021, o Facebook possui 2,85 bilhões de usuários, um aumento de 10% em relação ao ano anterior. Já o Instagram, com 1,22 bilhões de adeptos, possui 500 milhões de acessos todos os dias.

Os números mostram que as redes sociais se tornaram uma das melhores formas de falar e ser ouvido para milhões de usuários.

Por um lado, isso possibilita um fomento à liberdade de expressão, luta pela democracia e trouxe influência para diversos movimentos sociais antes invisíveis. Então, por que estamos discutindo a “ditadura invisível” do império de Mark Zuckerberg? É simples:

Algoritmos sutis, porém perigosos do Facebook

Todos esses dados e informações que surgem em nossas telas circulam através de algoritmos. Eles ficam mais íntimos de nós com o passar do tempo, nos conhecendo mais através do que seguimos, curtimos ou postamos.

Além disso, a plataforma busca rankear as notícias pela sua relevância, não pela sua qualidade. As primeiras postagens do feed são as com mais interações, e isso não significa que elas sejam positivas. Uma fala racista é mais comentada do que um prato de comida bem montado.

É por isso que muito se fala nos últimos dias sobre como o Facebook está atrelado ao discurso de ódio. Sim, ele dá palco para nossas inseguranças e pautas negativas.

Como esses dados funcionam?

Por exemplo, se você curte a foto de uma receita saudável no Instagram, logo o algoritmo entende que você quer perder peso. Depois, te sugere páginas muitas vezes ligadas à distúrbios alimentares como bulimia.

A tendência é sempre trazer suas preferências para o extremo. Isso também acontece com opiniões políticas que tendem a radicalizar pensamentos. Dessa forma, o usuário consome apenas aquilo dentro de seu lado ideológico, sem ter acesso à pluralidade de ideias. O resultado pode trazer eventos desastrosos na vida real, como foi o caso da invasão ao Capitólio nos EUA este ano, considerado uma mancha na democracia.

Os cientistas de dados do Facebook teriam avisado cinco meses antes sobre um alerta no aumento de discursos políticos radicais nas redes.

empresa foi responsabilizada em parte pelo acontecimento, acusada de ignorar esse aumento em um momento de instabilidade política.

Com a radicalização de opiniões, têm surgido infinitos movimentos problemáticos como o neonazismo e antissemitismo. E pior: eles são mais rankeados.

A “vista grossa” do Facebook

A ex-gerente do Facebook Frances Haugen viralizou nos últimos dias após sua denúncia sobre como a empresa está ciente desses problemas e não toma todas as atitudes necessárias para enfrentar a questão.

“O Facebook percebeu que se mudar o algoritmo para ser mais seguro, as pessoas vão passar menos tempo no site, vão clicar em menos anúncios, e eles vão ganhar menos dinheiro”, conta Haugen em uma entrevista para a CBS.

Problemas como disseminação de fake news, conteúdos problemáticos e promoção de padrões de beleza em redes como Instagram também foram relacionados com danos à saúde mental principalmente de adolescentes que usam a rede.

De acordo com um estudo realizado por Elroy Boers, do departamento de Psiquiatria da Universidade de Montreal, sintomas de depressão crescem 50% para meninas e 35% para meninos que passam mais de cinco horas nas redes sociais por dia.

Além disso, o estudo levanta a hipótese dos quadros depressivos se intensificarem com os algoritmos, que repetem e rankeiam imagens com possíveis gatilhos e discursos de ódio. O abalo na autoestima dos adolescentes também foi motivo de problema para o Facebook no último mês.

Qual o futuro da rede?

Essa não é a primeira crise de imagem da rede e nem de Mark Zuckerberg. Em 2020, houve um movimento de boicote ao Facebook com a tag #StopHateForProfit (#ParemOdioPorLucro).

Mais de 400 marcas se posicionaram sobre o assunto no passado, como Coca-Cola, Ben&Jerry’s e The North Face. Na época, o Facebook prometeu tomar medidas que promovessem justiça e garantissem diversidade. Entretanto, um ano após o caso, enfrentamos mais uma crise sobre o assunto.

A Stop Funding Hate, grupo que visa acabar com o lucro em anúncios prejudiciais, também ganhou notoriedade após o caso nas redes, comentado até pelo Papa Francisco.

“Ao redor do mundo – e de diversas vozes na sociedade – há um crescente reconhecimento da necessidade de grandes empresas tecnológicas pararem o lucro pelo ódio (#StopHateForProfit).”

“Gigantes da tecnologia devem parar de predar as fraquezas humanas, vulnerabilidade das pessoas, em ordem de gerar lucro.”

O futuro ainda é incerto, mas é fato que as pessoas começaram a exigir a verdade e as mudanças necessárias para uma interação mais saudável com as redes sociais.

Já o Facebook, que se vê cada vez mais sem saída, reformulou a marca com um novo nome, Meta. Novos anúncios devem ser esperados para os próximos dias.

Matéria publicada no portal de notícias AdNews. Se quiser mais informações sobre o mundo da publicidade e do marketing acesse: https://adnews.com.br/

Continue lendo

Empresa

Projeto AstraZeneca Viva a Cultura! 2022

Publicado

em

Há 15 anos, o projeto AstraZeneca Viva a Cultura!, encanta crianças em tratamento, seus familiares e toda a equipe médica em hospitais de diversas regiões do Brasil. Toda semana, o AstraZeneca Viva a Cultura!, visita um novo hospital, em diferentes regiões do Brasil.

Neste ano, a estreia aconteceu no Hospital de Amor de Barretos (SP) entre os dias 13 e 17 de junho e seguiu para o Hospital de Clínicas (Porto Alegre, RS), de 20 a 24 de junho. Na sequência, Astro, o mascote do projeto, leva suas atividades para a Oncopediatria de Santa Casa Farol (AL), de 4 a 8 de julho e depois segue para o Hospital do Câncer Aldenora Bello (MA), de 11 a 15 de julho. Seguindo sua viagem, Astro segue para o Hospital São Marcos (PI), de 25 a 29 de julho e depois para o Hospital Geral Padre Cícero (CE), de 1º a 5 de agosto. A edição 2022 finaliza suas atividades no Hospital Darcy Vargas (SP), de 15 a 19 de agosto.

Todo ano, é desenvolvido um tema para guiar o projeto. Em 2022 as crianças poderão conhecer lugares poucos explorados no Brasil, através de atividades conduzidas pela ciência e tecnologia. Astro terá uma missão especial em 2022: cada uma das 7 (sete) etapas originará num capítulo de um livro de recordação elaborado pela criançada referente a seu estado/cidade. Além do livro, as crianças terão uma atividade diferente diariamente, como: apresentação teatral (unindo brasilidade e diversão), foto lembrança, oficinas (criação de instrumento musical, oficina de fantoches, stencil em tela, oficina dos bichos e oficina de máscaras), e o tão aguardado “Música nos leitos”.

Para nós, apoiar um projeto como este é contribuir com a melhora destas crianças, pois as atividades estimulam os pacientes, elevando a autoestima e contribuindo no tratamento. Brincadeiras lúdicas e educativas também ajudam a melhorar a saúde”, enfatiza Jorge Mazzei, diretor executivo de relações corporativas, regulatório e diagnósticos da AstraZeneca Brasil.
 

Continue lendo

Empresa

Grupo V3A ativa sete marcas na etapa Oi Rio Pro da World Surf League

Publicado

em

213 Sports, vertical de esportes do Grupo V3A, e a agência V3A, farão as ativações de sete marcas patrocinadoras da etapa brasileira do World Surf League Championship Tour, a Oi Rio Pro apresentada por Corona,8ª etapa da temporada. O evento será realizado entre os dias 23 e 30 de junho, na Praia de Itaúna, em Saquarema, no litoral do Rio de Janeiro.

“A presença das marcas em Saquarema, através de ativações junto ao público presente no evento, reforça a importância da parceria entre 213 Sports e a WSL, e da modalidade no posicionamento estratégico das empresas. Mais do que apenas visibilidade de marca, essas ações se preocupam em oferecer experiências únicas, capazes de cativar todos os perfis de fãs do surfe, desde os que acompanham a competição na areia, até os que a seguem através das redes sociais”, afirma Pedro Dau de Mesquita, cofundador e diretor comercial da 213 Sports.

A Oi é mais uma vez patrocinadora da etapa Brasil do Circuito Mundial, e terá presença marcante na praia de Saquarema. Além de oferecer serviços de conectividade de alta performance para torcedores e a transmissão do Oi Rio Pro apresentado por corona, a marca terá um estande de 55 metros quadrados onde o público irá usufruir de uma experiência imersiva. Utilizando tecnologia de realidade aumentada, os participantes entrarão em uma onda e experimentarão a perspectiva de um surfista, mostrando que com Oi Fibra, todo mundo pode surfar em alta velocidade.

Outra atração da marca no evento é a personalização em tempo real das pranchas que serão entregues como troféus aos vencedores das competições masculina e feminina da etapa. O trabalho será realizado pela ilustradora e designer Caró Lago e pelo artista plástico e grafiteiro Kajaman, eternizando nos troféus os momentos vividos durante o campeonato.

Patrocinadora da WSL desde 2019, a Havaianas levará ao evento a sua ‘Loja Surfável’, inédita no Brasil e que utiliza a tecnologia Dry Wave para proporcionar uma experiência única aos visitantes. Em uma piscina de bolinhas que replica o balançar do mar, e sobre boias no formato característico das Havaianas, os visitantes pouco familiarizados com as ondas poderão experimentar as sensações do surf sem tirar os pés da areia. A ação será registrada através de conteúdos instantâneos, que serão disponibilizados para download.

Já o TikTok, que recentemente firmou parceria para cobertura dos eventos da WSL no Brasil até 2023, levará à Saquarema um espaço dedicado a criação de conteúdos para o surfe. Na área externa do estande, atletas e espectadores poderão ainda desfrutar de uma infraestrutura completa com cadeiras, cangas, redes e boias para quem quiser acompanhar o campeonato com o pé na areia.

A plataforma estreia ainda o #TikToknaAreia, programa organizado em quatro núcleos (Estúdio, Areia, Acesso e Backstage) e que trará a cobertura de tudo  o que rola em Saquarema durante a competição, como os resultados das baterias, entrevistas com os atletas, conteúdos de creators parceiros e uma mesa redonda com análise dos rounds e dos desempenhos de cada surfista.

Em sua ação, a 51 Ice apresentará a ação “Ai se fosse um surfstar – Um dia de astro da WSL com a 51 Ice”. Nela, os participantes serão entrevistados igual aos atletas da WSL, e terão de improvisar uma resposta de até 1 minuto, que será gravada e disponibilizada aos usuários, permitindo o compartilhamento nas redes sociais. Após a participação na ação, os concorrer a prêmios exclusivos, sendo o principal deles a oportunidade de desfrutar do Mirante 51 Ice, um lounge localizado no segundo piso do espaço da marca e que oferecerá uma vista exclusiva e degustação dos seus produtos.

A Localiza, por sua vez, vai levar para as areias de Saquarema um estande interativo, com diversas atrações para o público presente. Entre elas está a participação do renomado artista Bruno Br. Ícone do surfe brasileiro, ele colocará sua arte em pranchas que farão parte de um concurso do portal de conteúdos de turismo “Vai Por Mim”. Outra presença de destaque é a da surfista Érica Prado, que apresentará diariamente o Boletim Localiza, vídeos de 1 minuto sobre curiosidades do evento. De encontro à proposta de sustentabilidade da Companhia e da WSL, o estande é feito com 85% de materiais que poderão ser reciclados no final do evento. Além disso, o público poderá conferir o carro elétrico Bolt EV no estande e conhecer de perto o funcionamento do modelo 100% elétrico da Chevrolet.

A Australian Gold, marca de proteção solar, levará pela primeira vez à Saquarema um estande para quem quer curtir o campeonato com conforto e proteção. A marca convida para uma experiência “Feeling Gold” em sua ativação, com lounge, chuveiros e um rooftop com ambientação e câmera slow motion para produção de conteúdo. Além disso, haverá uma roleta de gamefication com distribuição de brindes todos os dias do campeonato.

Já a BFGoodrich, que há 150 anos fabrica pneus para entusiastas que procuram desafios, superação e aventuras em todos os tipos de terreno, estará em Saquarema com um estande inspirado nas tradicionais garagens americanas. Nele, os visitantes poderão realizar recarga em seus celulares e tablets, interagir com os influenciadores pet da Família Surf Dog ( Bono, Cacau, Malibu e Moqueca), e ainda concorrer a pranchas feitas pelo lendário surfista brasileiro Rico de Souza e personalizadas ao vivo com artes exclusivas do artista saquaremense Avnil do Art.

Continue lendo