Conecte-se com a LIVE MARKETING

Empresa

“São os dados, estúpido!” O TikTok seria a tábua de salvação para as Big Tech americanas?

Publicado

em

Um fato é indiscutível: a rede social mais bem sucedida atualmente é a TikTok, da empresa chinesa ByteDance. Com seus recursos de edição rápida e compartilhamento de vídeos curtíssimos, o app chinês virou uma febre entre as gerações mais jovens, inclusive nos EUA. 

Tudo tem um preço, porém. A consequência praticamente inevitável desse sucesso foi colocar o TikTok na mira do governo americano. As autoridades dos EUA acusaram o app de compartilhar os dados dos usuários com o governo chinês e deram um prazo bem curto – 15 de setembro – para que o app alterasse o seu funcionamento.

É só uma questão de política?

A disputa entre os EUA e a China pela liderança do mundo está na base desse ultimato do governo Trump à empresa chinesa. 

Mas as preocupações com a segurança dos dados de empresas e cidadãos americanos são genuínas. O TikTok tem capacidade de revelar a localização dos usuários, inclusive informações de identificação pessoal e os relacionamentos com as redes sociais maiores. Nas mãos das agências de inteligência chinesas elas poderiam caçar agentes das inteligências de outros países, além de outros alvos em potencial (como empresários) e dissidentes chineses no exterior. E seus dados podem ser usados para melhorar a tecnologia de reconhecimento facial do governo treinando-a em uma gama mais ampla de etnias do que é possível internamente, observou um ex-alto funcionário da inteligência.

Além disso, os dados coletados pelo TikTok podem ser minerados para aprimorar os sistemas de inteligência artificial ou de outra forma de melhorar os recursos de big data da China. 

E aqui é onde a coisa realmente pega. Porque, no frigir dos ovos, tudo se resume à frase dita por James Carville, assessor de Bill Clinton, durante a campanha para a presidência dos EUA: “it’s the economy, stupid!”

As Big Tech americanas precisavam mesmo de uma sacudidela

Alguns analistas mais perspicazes olharam para além da questão política, deixando Washington para lá e buscando olhar para o Silicon Valley, na Califórnia. Eles chamam a atenção para o fato de que, mais que uma briga para ver quem tinha o hardware maior, essa seria  a oportunidade que as big tech precisavam para não perder a mão no jogo. Porque elas haviam ficado para trás em inovação, nas mídias sociais, em gaming e provavelmente em outras áreas de oportunidade.

Tem dúvidas a esse respeito? Então, tome o Twitter como exemplo. Apesar de gastar cerca de US$ 700 milhões por ano em pesquisa e desenvolvimento, a oferta da empresa de microblog permaneceu praticamente a mesma na última década. Sua maior inovação foi dobrar a quantidade de caracteres para cada tweet em 2017. Isso não é um retorno impressionante em relação àquele montante de investimento, concorda?

Da mesma forma, as plataformas do Facebook e do Google não têm se comportado de maneira muito melhor. A funcionalidade principal do feed de rolagem de compartilhamento de fotos do Instagram e da interface de pesquisa de vídeo do YouTube não mudou muito nos últimos anos.

O TikTok, ao contrário trouxe inovações significativas para o campo dos vídeos curtos. Seu algoritmo de personalização apresenta o conteúdo de entretenimento mais relevante para seus usuários, levando o aplicativo a ser o mais baixado do mundo este ano —  já atinge 100 milhões de americanos. 

E enquanto os messengers dos EUA definharam, o WeChat também se tornou um super aplicativo, expandindo-se de mensagens para pagamento, compras, jogos e muitos outros recursos.

Em nenhum lugar a lacuna é mais aparente do que no mercado dos videogames. A demanda disparou à medida que os consumidores recorrem aos videogames para entretenimento doméstico sob pedidos de abrigo no local. De acordo com o NPD Group, as vendas de videogames nos EUA aumentaram 30% no segundo trimestre em comparação com o ano anterior. E o surto de crescimento da indústria pode estar apenas começando. Os avanços tecnológicos advindos da computação em nuvem, semicondutores e motores de jogos estão posicionando a indústria para estar à beira de uma onda de inovação de vários anos. A empresa de pesquisa Newzoo projeta que o mercado de jogos crescerá de cerca de US$160 bilhões este ano para quase US$200 bilhões até 2023.

Uma base de jogadores fenomenal

A população global de jogos deve chegar a 3 bilhões em apenas alguns anos. E o crescimento impressionante dos videogames pode ser mais sustentável porque eles estão se tornando as redes sociais do futuro. Na semana passada, o CEO da Activision Blizzard Inc., Bobby Kotick, falou sobre essa tendência importante em uma ligação com investidores: “Os jogos fornecem interações sociais que conectam as pessoas mais profundamente do que qualquer outra forma de entretenimento”, disse ele. “Esperamos que, à medida que novos jogadores se envolvem e formem conexões no jogo com amigos novos ou existentes, muitos deles permaneçam engajados por muito tempo, e vemos isso como uma oportunidade realmente grande”.

Para aproveitar o próximo nível de crescimento, as empresas chinesas e japonesas investiram em alguns dos melhores ativos da indústria em todo o mundo. A Tencent agora detém participações na preeminente líder em jogos para celular Supercell, com sede em Los Angeles, Riot Games – o criador do tremendamente bem-sucedido jogo para PC “League of Legends”, que tem dezenas de milhões de jogadores – e a desenvolvedora Epic Games Inc. da Fortnite. A Sony Corp. também fez um investimento estratégico na Epic, citando os benefícios da colaboração do motor de jogo Unreal líder da indústria do estúdio, que impulsiona muitas das melhores experiências de jogos multiplayer da indústria.

Embora as empresas asiáticas tenham feito movimentos inteligentes, as americanas não estão indo tão bem. Por exemplo, em maio, a Amazon.com Inc. lançou seu primeiro jogo de grande orçamento, “Crucible”, apenas para retirá-lo do mercado poucas semanas depois, após não conseguir ganhar tração com os jogadores. Da mesma forma, o serviço de jogos em nuvem do Google Stadia e o serviço de assinatura Arcade da Apple Inc. não decolaram com os consumidores.

Além disso, o feedback inicial da comunidade de jogos aponta para outra vitória da Sony sobre a Microsoft na guerra de console da próxima geração. Em um desenvolvimento impressionante, a Microsoft anunciou na terça-feira que seu jogo âncora “Halo Infinite” seria adiado para o próximo ano por causa de problemas de desenvolvimento, complicando ainda mais o lançamento de hardware da empresa. Como resultado, a Sony agora tem uma vantagem clara com sua linha de jogos exclusivos.

Para ter certeza, as franquias de negócios principais da Big Tech ainda estão prosperando financeiramente. No mês passado, todas as empresas publicaram resultados financeiros melhores do que o esperado para os últimos trimestres informados, demonstrando sua capacidade de gerar dezenas de bilhões de dólares em lucros, mesmo em meio a uma pandemia.

Mas a história da indústria de tecnologia está repleta de exemplos do Yahoo ao Blackberry nos quais o domínio em uma era pode desaparecer repentinamente na próxima. O principal sinal antes do declínio é a inovação sem brilho. Com o aumento dos aplicativos de internet chineses e a incapacidade da Big Tech de investir adequadamente em jogos, rachaduras estão aparecendo em alguns dos gigantes do Vale do Silício. 


Microsoft ou Oracle, quem leva o TikTok?

Colocada contra a parede, a ByteDance tem uma saída clara: associar-se a uma das grandes empresas norte americanas. O prazo é curto mas a solução seria um ganha-ganha que merece ser perseguido.

Cartas na mesa, a principal candidata a adquirir os ativos da empresa chinesa — leia-se: o TikTok — é a Microsoft.

A empresa de Bill Gates tornou-se uma velha senhora. Ainda que continue tendo sucesso com produtos de nuvem, servidores e pacotes de produtividade — os produtos de computação em nuvem Azure tenha tido uma receita de US$ 13,4 bilhões no quarto trimestre fiscal de 2020 e o segmento de produtividade e negócios chegou a US$ 11,8 bilhões — a empresa corre o risco de se tornar obsoleta.

Ela precisa de sangue novo, pois atualmente a única porta de acesso da Microsoft aos consumidores mais jovens são os produtos de videogame, incluindo Xbox e jogos para PC. Enquanto isso, os produtos da Apple e do Google estão nas mãos de todos os usuários jovens de smartphones. Além disso, as escolas continuam dando preferência ao iPad da Apple e ao Chromebook do Google como alternativas econômicas aos laptops com Windows para as atividades em sala de aula.

A aquisição do TikTok seria um divisor de águas com o potencial de renovar a imagem da empresa entre os usuários mais jovens, que não usam produtos da empresa porque preferem concorrentes como o Chromebook do Google, ou o iPhone e o iPad da Apple.

A Microsoft quer “crescer junto com a base de usuários” pois só assim  conseguirá vender outras soluções no futuro, explica Brent Thill, analista da Jefferies, ao Yahoo Finanças.

A Microsoft precisa aproveitar todas as chances de aumentar a presença entre o público mais jovem para garantir a sobrevivência do segmento de tecnologia pessoal. Conseguir comprar uma plataforma de rede social em ascensão, com milhões de usuários, seria a oportunidade perfeita.“O que os jovens mais fazem? Eles estão o tempo todo jogando no iPhone ou em outras plataformas”, comenta Thill. “Eles não usam plataformas da Microsoft, por isso a empresa tem uma oportunidade enorme de crescer com esse público”.

Quem entrou na disputa mais recentemente, mas entrou com muita força, apoiada por um grupo de empresas de capital de risco, foi a Oracle. A empresa tem se esforçado para encontrar novos caminhos de crescimento, já que a Amazon Web Services dominou a computação em nuvem, seguida pelo Microsoft Azure e pelo Google Cloud. No quarto trimestre fiscal da Oracle, a receita caiu 6%, para US $ 10,4 bilhões.

Além disso, a Oracle não está nos negócios de mídias sociais ou vídeo — e isso pode custar caro à empresa. Com a compra do TikTok, a empresa pegaria um atalho valioso em que poderia usar os dados dos consumidores que estão na rede para melhorar seus produtos de marketing.

Dados são o novo petróleo?

Essa briga parece reforçar a verdade contida nessa frase que teria sido cunhada pelo matemático Clive Humby, ao analisar o fato de que a revolução tecnológica praticamente ocupou todos os espaços da realidade.

Bem, temos novidades nesse campo. Aqui, na AlwaysOn, acreditamos que não são realmente os dados que fazem a diferença, e sim o conhecimento sobre clientes e prospects que conseguimos extrair deles. Afinal, petróleo sempre esteve à disposição dos seres humanos, não é verdade? Mas, durante milhares de anos, o máximo uso que ele teve foi como combustível para lamparinas. Quando as tecnologias de extração, refino e transformação — 1, 2, 3 — evoluíram é que ele se tornou realmente valioso.

O mesmo ocorre com os dados, não se engane. Eles estão disponíveis em uma quantidade, em uma variedade e numa velocidade impensável poucos anos atrás. Mas a maior parte das empresas termina afogada neles. Daí termos investido tanto em nossos processos de refino, em nossa tecnologia de analisar, implementar, testar, analisar outra vez, testar outra vez, tudo bem descomplicado, na base do 1-2-3 e dos “quick wins”.

Voltaremos a esse assunto.

Matéria publicada no portal de notícias ADNews. Se quiser mais informações sobre o mundo da publicidade e do marketing acesse: https://adnews.com.br/

Continue lendo
Clique para comentar

You must be logged in to post a comment Login

Deixe uma resposta

Empresa

Free Free e Dzarm lançam collab inspirada no Outubro Rosa

Publicado

em

Free Free, plataforma e Instituto que trabalham pela liberdade física, emocional e financeira de mulheres, através de iniciativas que aceleram a equidade de gênero, a inclusão e a transformação social, lança uma collab em parceria com a marca Dzarm. Com o lema “A Nossa Liberdade é Pink”, as peças são inspiradas no Outubro Rosa, mês de conscientização e prevenção do câncer de mama, e apresentam estampas divertidas e mensagens cheias de significado, que podem ser usadas em diferentes ocasiões.

O projeto é uma iniciativa do Free Free Fashion, que trabalha a moda como ferramenta de cura e libertação. Com calças, vestidos e blusas, todos na cor rosa, a coleção busca trazer força e inspiração, celebrando o poder das mulheres e ressignificando o pink. “Nós acreditamos que a moda tem um grande poder de suporte, recuperação e resgate na vida das mulheres. O rosa não é uma cor frágil. Ele traz força, alegria e bom humor. Vesti-lo nesse momento que está todo mundo cansado e de luto significa ter coragem. O pink é superpower!”, afirma Yasmine McDougall Sterea, CEO e fundadora do Free Free.

Para combater o medo, a desinformação e a falta de acesso a consultas e exames, a DZARM e o Free Free estão doando 100 consultas médicas para o Horas da Vida, instituição sem fins lucrativos que atua promovendo a inclusão e o acesso gratuito à saúde para pessoas em situação de vulnerabilidade social. O projeto conta também com o apoio do laboratório Femme, que realizará doações de mamografias, reforçando a importância do diagnóstico precoce na luta contra o câncer de mama. Além de parte das vendas serem revertidas para os cursos e projetos de impacto do Free Free.

Entre as participantes do projeto estão Yasmine Sterea, Stella Yeshua, Leticia Nascimento, Rosa Saito, Stella Yeshua, Mônica Alcântara e Ana Arietti. Através da moda, todas elas transformaram suas vidas e formas de se expressar e de lidar com o corpo.

Continue lendo

Empresa

Plataforma de conexão Portland usa o Intercâmbio Criativo Brasileiro como ferramenta de inovação

Publicado

em

A diversidade cultural representa o conjunto de costumes e tradições, que vão desenhando os comportamentos e valores em diferentes regiões. Uma porta se abriu durante a pandemia e veio para ficar, é um caminho sem volta em que os “hubs” estão na nuvem, o home office permite que diferentes culturas se conectem e, consequentemente, tragam novas perspectivas, visões e criatividade para os projetos.

E, falando de Brasil, por conta do seu extenso tamanho territorial, e sua diversidade abundante, notamos o quão grande é o seu potencial de troca de experiências e conhecimento.

Uma empresa é formada por seus funcionários em que, cada um deles, possui uma identidade cultural, uma história de vida. Logo, cada empresa é reflexo de quem a compõe. E, pensando assim, é importante que nesse “microambiente” sejam levadas em conta essas diferenças, para ser uma troca saudável e receptiva.

Exemplo desse intercâmbio de visões diferentes é a Portland, uma plataforma de conexão de diferentes realidades que atua para a reconstrução de um mercado mais humano e um mundo mais criativo.  Na 5ª temporada em 2021, expandiu sua rede em formato Webinar para além da diversidade étnica e social, considerando outros recortes demográficos que potencializaram a pluralidade das conexões.

A agência abriu seu processo seletivo à distância quebrando as barreiras do espaço físico, possibilitou a conexão com pessoas que, apesar de estarem longe, estão na mesma sintonia que a empresa. O resultado foi a inscrição de mais de 800 candidatos de todo o Brasil, que tiveram a oportunidade de mostrar o seu lado mais criativo para vagas conectadas pela Portland.

Com candidatos Portlanders mais diversos, os resultados elevaram: “Conseguimos ampliar as nossas visões para outros horizontes que possibilitaram a construção de projetos ainda mais humanos e, consequentemente, criativos. Foi possível integrar pessoas de diferentes lugares do Brasil trazendo as pessoas como protagonistas e representantes de diferentes recortes da diversidade, o que tem deixado nossos processos mais ricos e os resultados mais genuínos”, diz Bruno Höera, fundador da agência.

A mudança radical de comportamento no trabalho, de uma maneira geral, possibilitou ainda mais esse intercâmbio. A pandemia trouxe um protagonismo das áreas de RH das empresas e das agências que surgiu por conta da urgência das empresas precisarem entender as realidades de cada um de seus funcionários, identificando as suas necessidades particulares para um home office suficientemente estruturado e uma equipe mais acolhedora e empática.

Para a Portland, a diversidade é uma ferramenta de inovação e esse é um dos fatores que fazem do Brasil um país tão criativo. A pluralidade de pessoas em uma empresa permite um ambiente melhor de trabalho, mesmo que virtual, aumentando a produtividade e a rentabilidade das corporações. É uma conta simples, mas que apenas ficou óbvia quando o discurso ficou batido o suficiente para ser transformado em ações. E, muitas dessas ações validaram na prática o que estava difícil da teoria explicar.

A próxima temporada de recrutamento da Portland tem previsão de acontecer no verão – porque o sol é para todes. A ideia é ir mais além e trazer outra visão de diversidade. Em sua 6ª temporada, a diversidade etária não só será uma das pautas, mas também uma prática. “Na questão geracional, sabemos que atualmente há duas grandes lacunas na inclusão de pessoas: jovens que não têm experiência e não conseguem entrar no mercado; e ainda as que têm muitos anos de praia, mas não conseguem uma recolocação, principalmente por conta do preconceito em relação à atualização e uso de ferramentas e tecnologias – o que obviamente é um grande mito. A maturidade coloca os nossos processos e projetos em um outro patamar de entrega”, reflete Höera.

Se olharmos por outro lado, realmente existe um mercado inteiro a ser explorado. Enquanto muitas marcas focam suas comunicações na juventude, o Brasil vai aumentando a faixa etária da média da sua população. É, a partir daí, que a economia prateada vai ganhando espaço e relevância. Um grupo multicultural – seja de ideias, vivências ou idade – é de extrema importância, pois resulta em um ambiente mais agradável e dinâmico.

Continue lendo