Conecte-se com a LIVE MARKETING

Universo Live

Promotores de vendas saem do PDV e ganham o e-commerce

Publicado

em

A Smollan iTrade, operação brasileira da gigante internacional de soluções para o varejo que emprega 80 mil funcionários em 60 países e representa 70% das 10 maiores empresas de bens de consumo (FCMG) globalmente no ponto de venda, agilizou seu processo de transformação digital durante a pandemia e acaba de se tornar a primeira agência brasileira de trade marketing a oferecer para as marcas uma plataforma de atendimento virtual e remoto com operação totalmente dirigida à assistência em diferentes etapas da disciplina, como venda, pós-venda e suporte aos times internos e externos.

Por meio da solução que foi pilotada em diferentes regiões nas quais a Smollan opera, incluindo o Brasil, é possível acelerar a velocidade das vendas e contribuir com os objetivos de performance das organizações no momento em que o digital acabou por ser a principal forma de atingir os mercados e, como consequência, os consumidores.

O serviço que pensa e atua 100% em conformidade com a realidade digital é voltado a proporcionar uma experiência humanizada entre marcas, produtos e consumidores com o foco em conversões de venda imediatas e de forma amigável.

“A discussão sobre a necessidade de integrar o físico e o digital não era novidade até março de 2020, mas ao longo dos últimos sete meses tornou-se o maior desafio de quem opera no segmento do consumo. Com o advento da pandemia e a restrição total do varejo especializado, 100% das categorias denominadas bens duráveis, como linha branca, tecnologia, eletro portáteis, áudio&vídeo, beleza, entre outras que tinham como parte da estratégia a experiência em loja física para demonstração dos seus produtos tiveram totalmente restringida a presença de seus especialistas e promotores nas lojas de varejo. E isso trouxe um problema: o que fazer com essas pessoas que se viram do dia para a noite sendo impossibilitados de executar suas tarefas?”, explica Stenio Souza, CEO da Smollan iTrade.

Essa foi a motivação do comitê internacional de Growth&Innovation que trata o tema digital como prioridade no desenvolvimento de novas iniciativas e que levou em consideração o fato de que não bastava apenas munir esses profissionais de acessórios como computador e celular e colocá-los em home office para vender. Foi preciso visitar todo o know-how aprendido em campo e fazer disso o ponto de partida para um processo de transformação enfocando as particularidades do novo ambiente de trabalho e da comunicação. Isso passou por entender as novas premissas de todo o trabalho de trade: processos, pessoas, ferramentas, controle e gestão, só que agora planejando e executando 100% dentro do ambiente digital.

Na prática as mudanças refletem desde o processo de seleção dos profissionais, passando pelo foco do treinamento, chegando até os métodos de trabalho, processos, as metas e os indicadores de sucesso. “Em todo o mundo ficou muito claro que se tornou prioritário oferecer aos clientes um modelo de operação em que eles possam contar com uma operação digital de trade marketing com a possibilidade de configurar os projetos de maneira eficiente e permanente já que possivelmente os novos hábitos de consumo e de comportamento permanecerão depois que o cenário de isolamento terminar. E, então, chegamos em uma proposta que atende essa urgência de posicionamento e atuação no ponto de venda online com ou sem pandemia”, completa o executivo.

Para adequar a realidade transacional fria e dura do e-commerce para esse ambiente de relações humanas entre marcas e consumidores dentro da jornada de compra do universo digital foi preciso não apenas agilidade como também reforçar o perfil da equipe gestora e agregar profissionais com experiência suficiente para entender o contexto e aproximar a solução para as indústrias independente do mercado de atuação.

Um exemplo disso foi a chegada de Rosangela Costa à Smollan iTrade. Vinda do segmento de call center, a nova Coordenadora DeX (Digital Experience) contribuiu com seu olhar para incorporar as boas práticas de customerexperience à realidade do trade marketing e do atendimento remoto de forma a entregar ações customizáveis e que atinjam o público com eficiência.

E, além da funcionalidade que a plataforma traz para as marcas, ela torna-se também uma opção de empregabilidade para a sociedade em geral. “A necessidade ainda maior de recrutar pessoas que tenham diferentes perfis para se conectar com a audiência das empresas que é completamente heterogênea abre possibilidade para que pessoas sem experiência, mas com potencial de comunicação, possam iniciar uma carreira. E isso vale também para indivíduos que busquem posições que demandem menos do que as oito horas diárias de trabalho. O formato pode ser uma possibilidade, por exemplo, para a dona de casa que precisa cuidar dos filhos e tem meio período livre para desempenhar essa tarefa e realizar a venda assistida. E tudo isso completa um dos nossos valores que é a diversidade em campo”, pontua Stenio Souza.

Continue lendo
Clique para comentar

You must be logged in to post a comment Login

Deixe uma resposta

Universo Live

MOOC se une ao TikToK para campanha que exalta a comunidade negra na plataforma

Publicado

em

O Movimento Observador Criativo (MOOC) foi convidado pelo Tik Tok para ajudar no desafio de conectar a plataforma à comunidade negra de forma autêntica, relevante e constante, com ações e pautas que impactem a comunidade o ano todo e não só no mês de novembro. Em um trabalho conjunto, o coletivo e a rede social chegaram ao conceito criativo da campanha com a hashtag #NaMinhaPelePreta, que compreende a importância da comunidade negra para a cultura brasileira.

Ao longo de quatro dias de sprints, com sessões focadas em imergir na realidade da marca, as empresas estudaram e mapearam como a plataforma se relaciona com a comunidade negra. Em conjunto, o coletivo e a rede social chegaram ao conceito “A pluralidade negra cabe aqui”, compreendendo toda a variedade de conteúdos dos creators negros e a identidade democrática do TikTok.

E, com o objetivo de contar, paralelamente, sobre o individual e o plural em ser negro, além de reafirmar o potencial dos criadores pretos da plataforma, as marcas criaram a hashtag #NaMinhaPelePreta para incentivar postagens com dicas de leitura, música, educação, comédia, gaming, esportes, beleza, entre outros assuntos, que incentivam a comunidade negra na cultura brasileira.

A MOOC é a agência responsável pelo planejamento estratégico e desenvolvimento do conceito criativo da campanha que exalta a comunidade negra no TikTok, reafirmando o potencial dos criadores pretos da plataforma.
Continue lendo

Universo Live

ABA e mercado reforçam importância das boas práticas

Publicado

em

A ABA (Associação Brasileira de Anunciantes) lançou o Guia de Melhores Práticas ao Mercado Publicitário: Por uma Publicidade Livre, Pujante, Transparente, Ética e Responsável, um compilado de princípios e modernas técnicas que descrevem condutas e padrões de excelência na contratação e governança da publicidade, enaltecendo a liberdade de negociação, a transparência nos relacionamentos e a busca por eficiência e qualidade na prestação dos serviços, apoiando, assim, o crescimento sustentável do ecossistema publicitário.
As boas práticas exploradas no documento são resumidas em oito princípios: Livre negociação e boa-fé no relacionamento entre as partes; transparência e clareza entre as partes quanto aos processos, custos de operação e fontes de receita; justa remuneração e equilíbrio contratual, sem imposições, limitações e/ou discriminações injustificadas por qualquer das partes envolvidas; valorização da qualidade e responsividade dos parceiros, com compromisso de todos com uma mídia visível, confiável (dados) e amigável ao consumidor; investimento perene em sistemas para auditoria e medição independente do mercado, em especial da audiência; busca do brand safety e brand suitability; ética e responsabilidade no desenvolvimento e veiculação da publicidade, e compromisso maior com a sustentabilidade do ecossistema.

O lançamento do Guia de Melhores Práticas ao Mercado Publicitário: Por uma Publicidade Livre, Pujante, Transparente, Ética e Responsável aconteceu, com destaque, durante o ABA’s Day, dia promovido pela Entidade para encerrar um ano de entregas relevantes aos seus associados e ao mercado. Além do guia, a ocasião contou com a inauguração da nova sede própria da ABA; a Reunião Anual do Conselho Superior da Associação; o lançamento do livro “Reflexões – Diversidade & Inclusão”, elaborado com a parceria de Andrea Roma, da Editora Leader; e do livro “O Pulo do Gato – Governança e Compliance da ABA”.

O Guia de Melhores Práticas ao Mercado Publicitário: Por uma Publicidade Livre, Pujante, Transparente, Ética e Responsável é uma contribuição sincera da ABA ao futuro do setor, sendo resultado de centenas de convites, mais de 40 horas de trabalho voluntário e debates das mais de 80 lideranças do mercado, membros do Movimento pelas Boas Práticas do Mercado Publicitário Brasileiro. Construído em torno do diálogo e da busca pela identificação das melhores práticas no mercado de comunicação, o movimento, que resultou do convite da ABA ao mercado para o diálogo, foi sendo construído a partir de centenas de mãos voluntárias de 30 anunciantes, públicos e privados; 15 agências e grupos de comunicação, 15 veículos e plataformas e 10 entidades do mercado, que aprofundaram as discussões sobre a desafiadora empreitada de evolução setorial, contribuindo para colocar a publicidade Brasileira em níveis de eficiência e qualidade ainda mais elevados.

“A ABA se organizou, local e globalmente, em torno da identificação e descrição organizada daquilo que o mercado vem vocalizando como boas práticas para um ecossistema cada vez mais transparente, ético e justo, pois sabemos ser também nossa missão institucional sugerir caminhos para garantir a qualidade e eficiência do setor. Estamos certos de que nossa contribuição para com um mercado atualizado e cada vez mais dinâmico representa um movimento que acompanha o mundo em que vivemos, cuja velocidade de mudança e modernização seguem em ritmos acelerados”, afirma Nelcina Tropardi, presidente da ABA e vice-presidente e cofundadora da Arca+.

Ela acrescenta ainda que “a ABA, praticando sua vocação para o protagonismo colaborativo, mobilizou mais de 80 lideranças do mercado para construírem juntos e de modo voluntário, com alto nível de compliance e engajamento, um movimento que vai ao encontro do propósito de mobilizar o marketing para transformar negócios e sociedade”.

Frank Pflaumer, 1º vice-presidente da ABA e vice-presidente de Marketing & Comunicação da Nestlé, complementa que “o Brasil sempre foi referência no mercado publicitário mundial. Louros merecidos, que, porém, não são garantia de sucesso em um ambiente tão diverso e desafiador. E no que se tange às formas de relacionamento entre os mais diferentes atores e elos do ecossistema publicitário há um consenso geral de que evoluir é possível e preciso.”
O Movimento de Boas Práticas do Mercado Publicitário Brasileiro foi composto por quatro grandes Grupos de Trabalho (GTs) perenes que trataram, para a elaboração do Guia de Melhores Práticas ao Mercado Publicitário: Por uma Publicidade Livre, Pujante, Transparente, Ética e Responsável, dos seguintes temas: livre negociação e estruturas de negócios, boas práticas de compra e entrega de mídia, boas práticas de métricas de mídia, e relacionamento entre agências e anunciantes.
Livre negociação e estruturas de negócios
Esse grupo de trabalho, liderado por Denis Onishi, ex-presidente do Comitê de Mídia da ABA, e com suplência da Sheila Vieira, do Grupo Boticário e Presidente do Comitê de Sourcing da ABA, teve como objetivo promover discussões sobre modelos de negócios éticos, transparentes e responsáveis, em apoio à livre negociação do mercado.

“A ideia dos membros deste GT foi estudar as estruturas existentes no ecossistema publicitário, incluindo representantes dos mais diversos participantes do setor, para valorizar aquelas que propiciam modelos de transparência mais adequados a toda a cadeia de agentes do mercado.” afirma Denis Onishi.
Compra e entrega de mídia

Com a expansão do digital ao longo da última década e a expansão e surgimento de novas tecnologias, o grupo de trabalho “Boas práticas de compra e entrega de mídia” busca, a partir do diálogo entre marcas, plataformas, institutos de pesquisa e empresas de mídia, desenvolver propostas que podem beneficiar todo o mercado, oferecendo transparência nos modelos de negociação.
O grupo é liderado por Marco Frade, da Diageo e Presidente do Comitê de Mídia da ABA, e tem Flavia Molina, da Domino’s Pizza e Diretora da ABA, como suplente.
“Para a ABA, há alguns princípios importantes e que estão no dia a dia do trabalho, que tendem a avançar muito com o diagnóstico que foi desenvolvido e apresentado no paper final, como o combate às fraudes (brand safety); garantia de mídia visível (viewability), confiável e amigável ao consumidor; e a valorização de auditoria e medição do mercado.” reforça Marco Frade.
Métricas de mídia
Nesse processo de transformações constantes do mercado de mídia, identificar as melhores práticas para análise e mensuração de resultados é um dos grandes desafios da indústria de comunicação. O GT de “Boas práticas de métricas de Mídia” tem a missão de contribuir para com esse debate, provocando discussões sobre a valorização dos padrões básicos de ética e responsabilidade do mercado de maneira contínua e aplicável nas mais diversas métricas.
Liderou o GT Ivan Rysovas, do GPA, que contou com Ana Carolina, do Banco do Brasil, como suplente.
Ivan pontua que “neste GT estudou-se as possibilidades de ampliação do escopo das métricas atualmente disponíveis para todos os meios analisados, de forma que no futuro possam ser auditadas, que possuam parâmetros de aferição aceitos por todos e, além disso, que haja recorrência nas atualizações dos dados e integração de dados no Cross Media. Tudo isso traz muita transparência e eficiência para as relações” .
Relacionamento entre agências e anunciantes

Em um tempo em que as relações genuínas ganham cada vez mais valor, esse grupo de trabalho foi criado para aprofundar as interações institucionais entre as diversas áreas do ecossistema da comunicação. Tem a missão de estimular iniciativas para atualizar as boas práticas apontando os pilares de parcerias produtivas e eficientes entre clientes e agências. A partir de um olhar que analisa o sistema como um todo, os profissionais que fazem parte do GT trabalharam em ideias e projetos que possibilitem ganhos coletivos, em benefício de um mercado cada vez mais dinâmico e eficiente.

O GT é liderado por Frank Pflaumer, que tem como suplente Raquel Ogando, da BRF.

“Identificamos oportunidades que podem contribuir para otimizar investimentos, promover um ambiente de negócios livre e responsável e desenvolver estratégias que contemplem um relacionamento muito eficiente e sustentável entre os parceiros. Por isso, nosso grupo debateu com muito cuidado, principalmente, sobre cinco temas que, conforme é notório no setor, normalmente influenciam diretamente nesses aspectos citados, a saber: transparência e sustentabilidade como pilares do trabalho do GT; reflexões gerais sobre os modelos de remuneração mais eficientes; reflexões gerais sobre valor e impacto como critérios que precisam ser baseados em resultados objetivamente mensuráveis; a importância da revalorização dos agentes do mercado, especialmente agências e líderes de marketing dos anunciantes; e reflexões sobre a importância da Educação do mercado em transformação.” afirma Frank.

A ABA acentua a todo momento que o Guia de Melhores Práticas ao Mercado Publicitário: Por uma Publicidade Livre, Pujante, Transparente, Ética e Responsável não pretende personificar qualquer código autorregulamentar ou proposta de novas Normas-Padrão, mas sim abordar boas práticas voluntárias que devem ser conhecidas por todos e constantemente revisitadas, ajustadas e incrementadas, haja vista a quase diária evolução e grande dinamismo do setor, de seus agentes econômicos e das demandas de seus consumidores.
Continue lendo