Conecte-se com a LIVE MARKETING

Empresa

O que a posse do presidente Biden significa para “grande tecnologia”

Publicado

em

Neste dia histórico, não há escassez ou receio a respeito das plataformas tecnológicas. O executivo-chefe da Lucid, Patrick Comer, dá uma olhada no sentimento público neste momento e explica por que as empresas e os líderes dos EUA devem continuar a sentir como a população está a fim de informar decisões futuras críticas.

Se os eventos políticos traumáticos e prejudiciais que se desenrolaram nas últimas semanas são qualquer indicação, a Big Tech está perdida. Desde lidar com debates sobre liberdade de expressão até enfrentar decisões difíceis sobre se, quando e por quanto tempo banir figuras políticas e outras pessoas que incitam o ódio, esses jogadores poderosos estão navegando em tempos sem precedentes. Na verdade, de acordo com nossos próprios dados, 40% dos entrevistados da pesquisa nacional dizem que os desdobramentos políticos recentes afetaram negativamente sua visão das plataformas de Big Tech.

Com uma nova gestão sendo empossada hoje (20), o que os profissionais de marketing e anunciantes podem esperar quando o presidente Biden inicia sua busca para enfrentar a Big Tech? Como o povo se sente sobre tudo o que está acontecendo? E como uma pesquisa se encaixa nessa conversa? Posso não ter todas as respostas, mas tenho algumas que valem a pena explorar.

As questões antitruste estão na mente das pessoas

As questões antitruste provavelmente serão de importância imediata e preocupação para o governo Biden. Os relatórios mostram que ele já está de olho em dois ex-funcionários do governo Obama para o cargo antitruste do Departamento de Justiça dos EUA. Embora suas escolhas em potencial sejam, sem dúvida, recebidas com críticas de líderes da Big Tech e outros, a urgência de nomear esses funcionários provavelmente não passará despercebida pelo público americano.

Dados recentes da pesquisa Lucid mostram que 70% dos entrevistados norte-americanos citaram que temem que as plataformas Big Tech, operando de acordo com suas diretrizes atuais, incentivem a disseminação da desinformação. Apesar da desconfiança, há esperança de reforma. Outros resultados da pesquisa apontam para os seguintes sentimentos: 69% acreditam que as plataformas Big Tech são inerentemente boas; 55% confiam em grandes empresas de tecnologia; e 70% concordam com o presidente Biden que as plataformas online não devem ter imunidade para o conteúdo postado pelos usuários.

O presidente Biden precisa fazer um benchmark

É minha crença inerente que todo profissional de negócios deve ser diretamente ligado para a mudança de sentimentos do público em geral; na verdade, eles não podem ignorar isso. Como os eventos recentes nos EUA mostraram, ignorar ou minimizar o sentimento público pode ter consequências graves.

Nas próximas semanas e meses, provavelmente haverá muitos estudos, análises e mergulhos mais profundos sobre este tópico. Apenas com base nessa pesquisa, podemos deduzir que sim, o presidente Biden tem um trabalho difícil para ele, assim como qualquer novo governo. Portanto, definir uma referência para trabalhar é fundamental – seja você o presidente dos Estados Unidos, um empresário ou qualquer pessoa cujo sucesso dependa da compreensão das preocupações do público. Ajuda você a identificar seus objetivos e desenvolver um plano que priorize esses objetivos. E conhecer os sentimentos das pessoas é um componente crítico para a criação dessa referência.

As empresas precisam tomar o pulso de seus clientes

Para os pesquisadores, profissionais de marketing e anunciantes que estão lendo isso, o que fazemos? E quanto aos líderes empresariais, em geral? Não importa onde estejamos trabalhando, a resposta permanece a mesma. Nós ouvimos ativamente. Continuamos a verificar o pulso de nossos clientes e clientes em potencial; garantimos que entendemos adequadamente seus pontos de vista sobre Big Tech e ajustamos nossos planos de acordo.

Há muitas incógnitas e ainda haverá muitas incógnitas, à medida que embarcamos neste próximo capítulo político. Uma coisa que sabemos com certeza? Se estivermos abertos para entender a mudança de pontos de vista e sentimentos, vamos superar isso juntos.

Artigo publicado no portal The Drum

*Autor: Patrick Comer, fundador e executivo-chefe da Lucid

Matéria publicada no portal de notícias AdNews. Se quiser mais informações sobre o mundo da publicidade e do marketing acesse: https://adnews.com.br/

Continue lendo
Clique para comentar

You must be logged in to post a comment Login

Deixe uma resposta

Empresa

Pink Tax: como as mulheres podem se proteger de taxações indevidas

Publicado

em

Você já deve ter ouvido a frase: “as mulheres gastam mais”. De fato essa percepção é verdadeira, mas não por conta de um alto volume de compras, mas por causa de uma prática machista do mercado.

Um estudo realizado em 2015, pelo Departamento de Assuntos do Consumidor de Nova York, nos Estados Unidos, identificou que as marcas cobram de 7% a 13% a mais das consumidoras do que dos consumidores.

Já no Brasil, a Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM) registrou, em 2018, que os produtos voltados ao público feminino são até 12,3% mais caros do que aqueles destinados aos homens. Inclusive, essa diferença econômica ocorre desde a fase da infância, em que as roupas das meninas são cerca de 23% mais caras do que as dos meninos. 

De acordo com Ana Paula Miranda, head de Marketing da Allya, HR tech com foco em benefícios corporativos e bem-estar financeiro, esse fenômeno tem nome: pink tax, que em tradução livre significa taxa rosa.

O termo refere-se as versões femininas dos produtos custam mais do que as masculinas, mesmo que elas sejam idênticas, mudando apenas pequenos detalhes, como a cor. Na prática, o movimento é um reflexo das opiniões sociais, que presumem que as mulheres são mais propensas a investir em cuidados pessoais do que os homens. 

“A sociedade não exige tanto esteticamente do público masculino como acontece com o feminino. Portanto, no momento das compras, os homens dão preferência à praticidade e ao preço. Não há uma preocupação com os diferenciais de um produto – o que leva o mercado a explorar as oportunidades que surgem dessa cobrança social ”, comenta a head.

Pensando em auxiliar as mulheres a se protegerem do pink tax, a executiva lista os principais fatores a serem levados em consideração na hora das compras. Confira: 

Pesquise 

Você conhece o portfólio das marcas para os homens? Caso a resposta seja não, o ideal é focar em pesquisas de mercado, a fim de identificar os produtos masculinos que também podem ser úteis ao público feminino. 

Verifique a composição dos produtos

Após identificar os produtos masculinos, analise a diferença que eles têm em comparação com os femininos. Se os itens forem compostos pelos mesmos materiais e tecnologias, é um bom negócio adquirir o mais barato mesmo que tenha sido feito para o “gênero oposto”. 

Priorize o básico 

Muitas marcas acabam aumentando o valor dos produtos por conta da estética. Ou seja, os itens com estruturas básicas e de cores neutras costumam custar menos. 

Esteja aberta a alternativas

Assim como algumas marcas de cartões de crédito disponibilizam descontos em compras, há organizações que apresentam parcerias com empresas de benefícios corporativos, com o objetivo de oferecer cupons de descontos para os colaboradores. Então, esteja aberta a essas alternativas. Além disso, existem estabelecimentos que proporcionam descontos em pagamentos à vista. 

Cuide das suas finanças 

Se o movimento do pink tax existe é porque é alimentado. Ou seja, é necessário desenvolver o hábito de cuidar das finanças pessoais. Afinal, pequenas escolhas do dia a dia têm um grande impacto no bolso no final do mês. 

 

Matéria publicada no portal de notícias AdNews. Se quiser mais informações sobre o mundo da publicidade e do marketing acesse: https://adnews.com.br/

Continue lendo

Empresa

Twitch passará a banir streamer por conduta fora da live

Publicado

em

A Twitch TV, maior plataforma de lives do mundo, anunciou que passará a banir streamers que tiverem má conduta fora de suas lives. Em outras palavras, os streamers que cometerem casos de assédio ou conduta de ódio em redes sociais ou fora da internet, serão punidos. Para isso, a plataforma contratou um escritório terceirizado de advocacia dedicado à investigações de forma independente em ambientes de trabalho.

Conheças as novas mudanças

A Twitch adicionou duas categorias. A categoria de número um, diz respeito à ações ocorridas na plataforma, mas que continuaram em outras redes sociais, como Instagram e Twitter, por exemplo. Nessas situações, a plataforma leva em consideração comportamentos ou declarações verificáveis que tenham ocorrido fora das lives, mas que estejam relacionadas a um incidente ocorrido na transmissão.

Enquanto a categoria de número dois, está relacionada a ações realizadas completamente fora da plataforma, mas colocam em risco a comunidade da Twitch.

Veja as ações graves que se enquadram nessa categoria:

  • Violência mortal e extremismo violento;
  • Atividades ou recrutamento terroristas;
  • Ameaças explícitas ou viáveis de violência em massa (por exemplo, ameaças contra um grupo de pessoas, um evento, ou local onde pessoas se reúnem);
  • Liderança ou participação em um grupo de ódio conhecido;
  • Prática de atividades sexuais não consensuais e/ou violência sexual, ou associação deliberada a essas atividades;
  • Exploração sexual de crianças, como aliciamento de menores e solicitar/distribuir pornografia infantil;
  • Ações que possam comprometer de forma direta e explícita a segurança física da comunidade da Twitch, como ameaça de violência em algum evento da Twitch;
  • Ameaças explícitas ou viáveis contra a Twitch, incluindo a equipe da Twitch.

Confira aqui a nova Política de Conduta de Ódio e Assédio da Twitch na íntegra.

Novidades na Twitch são pedidos da comunidade

Anteriormente, a comunidade da Twitch pediu com veemência para que a plataforma apresentasse uma nova postura em relação às más condutas. Porém, a empresa ressaltou que no por enquanto, não é possível investigar comportamentos que se enquadrem na categoria 1 e que ocorreram completamente fora da plataforma. Em outras palavras, a denúncia deve ter relação com algum ato dentro da plataforma.

Além disso, a empresa confirmou que irá compartilhar as atualizações de processos investigativos com as partes envolvidas, mas nada será divulgado publicamente. Ainda sobre, a plataforma criou um e-mail dedicado a nova política para a denúncia de más condutas graves ocorridas fora do serviço: [email protected] Vale ressaltar, que para a Twitch, a melhor maneira de denunciar qualquer comportamento nocivo ou inapropriado é através da ferramenta de denúncias do site.

 

Matéria publicada no portal de notícias AdNews. Se quiser mais informações sobre o mundo da publicidade e do marketing acesse: https://adnews.com.br/

Continue lendo