Conecte-se com a LIVE MARKETING

Empresa

O que a posse do presidente Biden significa para “grande tecnologia”

Publicado

em

Neste dia histórico, não há escassez ou receio a respeito das plataformas tecnológicas. O executivo-chefe da Lucid, Patrick Comer, dá uma olhada no sentimento público neste momento e explica por que as empresas e os líderes dos EUA devem continuar a sentir como a população está a fim de informar decisões futuras críticas.

Se os eventos políticos traumáticos e prejudiciais que se desenrolaram nas últimas semanas são qualquer indicação, a Big Tech está perdida. Desde lidar com debates sobre liberdade de expressão até enfrentar decisões difíceis sobre se, quando e por quanto tempo banir figuras políticas e outras pessoas que incitam o ódio, esses jogadores poderosos estão navegando em tempos sem precedentes. Na verdade, de acordo com nossos próprios dados, 40% dos entrevistados da pesquisa nacional dizem que os desdobramentos políticos recentes afetaram negativamente sua visão das plataformas de Big Tech.

Com uma nova gestão sendo empossada hoje (20), o que os profissionais de marketing e anunciantes podem esperar quando o presidente Biden inicia sua busca para enfrentar a Big Tech? Como o povo se sente sobre tudo o que está acontecendo? E como uma pesquisa se encaixa nessa conversa? Posso não ter todas as respostas, mas tenho algumas que valem a pena explorar.

As questões antitruste estão na mente das pessoas

As questões antitruste provavelmente serão de importância imediata e preocupação para o governo Biden. Os relatórios mostram que ele já está de olho em dois ex-funcionários do governo Obama para o cargo antitruste do Departamento de Justiça dos EUA. Embora suas escolhas em potencial sejam, sem dúvida, recebidas com críticas de líderes da Big Tech e outros, a urgência de nomear esses funcionários provavelmente não passará despercebida pelo público americano.

Dados recentes da pesquisa Lucid mostram que 70% dos entrevistados norte-americanos citaram que temem que as plataformas Big Tech, operando de acordo com suas diretrizes atuais, incentivem a disseminação da desinformação. Apesar da desconfiança, há esperança de reforma. Outros resultados da pesquisa apontam para os seguintes sentimentos: 69% acreditam que as plataformas Big Tech são inerentemente boas; 55% confiam em grandes empresas de tecnologia; e 70% concordam com o presidente Biden que as plataformas online não devem ter imunidade para o conteúdo postado pelos usuários.

O presidente Biden precisa fazer um benchmark

É minha crença inerente que todo profissional de negócios deve ser diretamente ligado para a mudança de sentimentos do público em geral; na verdade, eles não podem ignorar isso. Como os eventos recentes nos EUA mostraram, ignorar ou minimizar o sentimento público pode ter consequências graves.

Nas próximas semanas e meses, provavelmente haverá muitos estudos, análises e mergulhos mais profundos sobre este tópico. Apenas com base nessa pesquisa, podemos deduzir que sim, o presidente Biden tem um trabalho difícil para ele, assim como qualquer novo governo. Portanto, definir uma referência para trabalhar é fundamental – seja você o presidente dos Estados Unidos, um empresário ou qualquer pessoa cujo sucesso dependa da compreensão das preocupações do público. Ajuda você a identificar seus objetivos e desenvolver um plano que priorize esses objetivos. E conhecer os sentimentos das pessoas é um componente crítico para a criação dessa referência.

As empresas precisam tomar o pulso de seus clientes

Para os pesquisadores, profissionais de marketing e anunciantes que estão lendo isso, o que fazemos? E quanto aos líderes empresariais, em geral? Não importa onde estejamos trabalhando, a resposta permanece a mesma. Nós ouvimos ativamente. Continuamos a verificar o pulso de nossos clientes e clientes em potencial; garantimos que entendemos adequadamente seus pontos de vista sobre Big Tech e ajustamos nossos planos de acordo.

Há muitas incógnitas e ainda haverá muitas incógnitas, à medida que embarcamos neste próximo capítulo político. Uma coisa que sabemos com certeza? Se estivermos abertos para entender a mudança de pontos de vista e sentimentos, vamos superar isso juntos.

Artigo publicado no portal The Drum

*Autor: Patrick Comer, fundador e executivo-chefe da Lucid

Matéria publicada no portal de notícias AdNews. Se quiser mais informações sobre o mundo da publicidade e do marketing acesse: https://adnews.com.br/

Continue lendo
Clique para comentar

You must be logged in to post a comment Login

Deixe uma resposta

Empresa

Waze convida usuários a corrigirem a pronúncia de vias públicas

Publicado

em

Waze, a plataforma que conecta comunidades dentro e fora das estradas, lança uma nova campanha comunitária para melhorar e atualizar a pronúncia de ruas, avenidas e rotas em português. A ativação faz parte do trabalho de desenvolvimento da operação de conversão de texto em voz dos engenheiros da empresa, que visa tornar uma das suas vozes padrão – a Alessandra, que reproduz o nome das ruas e avenidas – mais fluente e compreensível para os usuários do aplicativo.

A partir do dia 15 de maio e até dia 31/05, os usuários do Waze poderão ajudar a aprimorar a experiência de navegação para si e para outras pessoas ao relatar a pronúncia incorreta de nomes de ruas e rotas em todo o país. Por meio desse formulário, o feedback será enviado aos engenheiros e desenvolvedores da empresa e ajudará a atualizar e melhorar a experiência de navegação para milhões de motoristas do Brasil. A iniciativa já foi realizada em Israel, país onde o aplicativo nasceu e o resultado foi bastante satisfatório, em duas semanas de campanha foram feitos 200% mais ajustes do que em um ano. Os usuários agora têm uma pronúncia em hebraico muito mais clara e fluída.

O Waze adiciona recursos úteis regularmente, atualizar o desenvolvimento de texto para fala é outra melhoria projetada para aperfeiçoar a experiência do uso em português do Brasil.

Continue lendo

Empresa

Solutionoff anuncia crescimento de 90% antes de fechar primeiro semestre do ano

Publicado

em

A Solutionoff, martech dos sócios Wagner Zaratin, Cleo Sanches e Milene Viso, contabilizou crescimento de 90% já no primeiro quadrimestre de 2022. O resultado, em comparação ao primeiro semestre de 2021, está acima da meta estipulada pela agência, que fechou o ano passado com 90 projetos e esperava crescer 100% no seu faturamento durante todo o ano de 2022.

Entre os destaques das novas contas, está a criação e execução do maior evento em extensão já realizado pela da Disney Pixar em São Paulo, o Mundo Pixar, que acontece na capital paulista de julho a outubro, com uma área de 2.800m², divididos em espaços temáticos e interativos inspirados nas principais histórias da Pixar, além de uma loja exclusiva com produtos licenciados.

Somados aos diversos trabalhos para clientes como Totvs, Zeno/Avon, Mercado Livre, Ibajud – Instituto Brasileiro de Insolvência, Les Bains, Joma, Uhlsport, Atlantica Hospitality Internacional, a Solutionoff tem ainda dois projetos proprietários em andamento, um deles para a Copa do Mundo, em parceria com a MChecon, além de uma nova ativação para duas grandes marcas, que será anunciada em breve.

“É muito gratificante acompanhar os resultados dessa equipe, que nasceu em 2020 em pleno caos do mercado, com muita ousadia e vontade de trabalhar, e ver o retorno tão positivo do trabalho em ecossistema. São empresas e profissionais premiados trabalhando juntos para atingirmos nosso maior objetivo, que é crescer dentro dos clientes”, afirma Wagner Zaratin.

Entre os nomes envolvidos nos projetos da Solutionoff estão Elaine Zaratin, na direção de planejamento; Leandro Caro, na criação; Marcelo Medina, em design e Christiane Estrella e Gustavo Leite em produção.

A Martechland surgiu da parceria entre a SolutiOnOff e a NYCX como um ecossistema de agências, com base em São Paulo, que atuam juntas no atendimento 360 para diversas marcas. A SolutiOnOff foi fundada no final de 2020 com uma somatória 30 anos de experiência dos sócios Wagner Zaratin, Cleo Sanches e Milene Viso. Em formato inovador, com base na economia criativa compartilhada, foi pensada para a qualidade da entrega, velocidade, redução de custos e simplificação da jornada do cliente. Entre as entregas, estão toda a parte de Live Experience, Branded Content, Big Data, Business Intelligence e Marketing Digital.

Continue lendo