Conecte-se com a LIVE MARKETING

Empresa

Devassa lança filme com releitura de clássico da música brasileira

Publicado

em

Lançado no canal do Youtube de Devassa, o filme “Brasil Pandeiro: Mix Tropical” celebra toda a criatividade que só o Brasil tem, com uma versão exclusiva de “Brasil Pandeiro”, dos Novos Baianos, na voz de IZA e num arranjo assinado pelos hitmakers Pablo Bispo, Ruxell e Sérgio Santos. Criado pelo HNK Lab e Grey, com produção da Stink Films e planejamento estratégico digital da iProspect, o trabalho foi filmado em Salvador, Rio de Janeiro e São Paulo, para exaltar os elementos criativos culturais brasileiros em diferentes situações.

A parceria entre Iza e a marca vai além deste filme. A cantora participa da nova Campanha de Devassa, e tem o papel de reforçar a valorização da criatividade brasileir​a, unindo as referências da música popular com o que há de mais novo na tropicalidade do Brasil. Ela, uma das 100 personalidades Afrodescendentes Mais Influentes do Mundo em 2020, retrata melhor do que ninguém o novo momento de Devassa que valoriza a criatividade e diversidade da cultura e música nacional.


Ainda em 2020, a mais recente participação de Iza para a marca foi durante o Encontros Tropicais, uma noite histórica com a cantora acompanhada de Letieres Leite e da Orkestra Rumpilezz, no Museu du Ritmo, em Salvador, quando eles receberam convidados de várias gerações de artistas para um espetáculo de celebração da música brasileira ao lado de Mateus Aleluia, Margareth Menezes, BNegão, Carlinhos Brown, Larissa Luz, Lazzo Matumbi, Chico Correa e João Milet Meirelles. A apresentação também foi transmitida pelo Multishow e já ultrapassou a marca de 1 milhão e 200 mil visualizações no YouTube de Devassa.


“Brasil Pandeiro: Mix Tropical” foi dirigido por Douglas Bernardt. “Nesse filme tivemos a chance de explorar um dos aspectos mais essenciais do nosso povo: a criatividade. Uma força mágica que transforma cor, som, movimento e símbolos nessa cultura tão única”, conta o diretor. Para encantar o olhar, foram conectados diferentes núcleos narrativos com transições inteligentes e divertidas que resultaram num filme com energia pulsante, além de uma trilha marcante e ritmada. Bernardt, que já conquistou o primeiro Grand Prix de Entertainment for Music brasileiro no Cannes Lions, também têm seus filmes reconhecidos por importantes festivais de criatividade do mundo como D&AD, Clio Music, Young Director Awards, Kinsale Sharks, Camerimage e Ciclope Latino.


Em “Brasil Pandeiro: Mix Tropical” a cantora IZA aparece ao lado de artistas e personalidades brasileiras reconhecidos por expressarem suas criações artísticas e criativas: Kadu dos Anjos, referência de empoderamento social e cultural em Belo Horizonte; a criadora de conteúdo de moda Luciellen Assis; a grafiteira e ativista Sista Katia; Luma Nascimento, especialista em afro-diversidade brasileira, o coletivo Afrobapho, formado por jovens negros LGBTIA+ da periferia de Salvador, entre outros.

A originalidade e a autenticidade do casting trouxe a diversidade criativa para as cenas. O contato próximo com os personagens se deu pela equipe local e reduzida, gerando verdade nas situações que compõem o filme como um todo. Um exemplo disso são as trançadeiras que exercem a profissão em suas vidas reais. Além de criativos locais, outra preocupação foi de contar com uma equipe de produção e criação diversa. Entre essas pessoas, estão mulheres à frente de cargos como direção de arte, assistentes de direção, produção executiva, coordenação de pós, produção de elenco e direção de produção.


Devassa segue apoiando microempreendedores locais e sua representatividade. Um exemplo é o figurino do filme “Brasil Pandeiro: Mix Tropical” que foi assinado pelos stylists baianos Pedro Batalha e Hisan Silva, estilistas da Dendezeiro, e também por Vanessa Martinez. A união dessa equipe teve a intenção de trazer uma estética com personalidade e identidade local. As roupas produzidas carregam um propósito: oferecer oportunidade e visibilidade para pequenos empreendedores da moda sustentável local, sendo muitos deles estilistas negras e negros. Studio 64, Rayzes e a própria Dendezeiro, usadas na produção, são marcas de Salvador que utilizam do upcycling para reaproveitar materiais que iriam para o lixo, transformando-os em moda contemporânea. Outra parceria firmada com o figurino deste filme é a marca Dugueto, que reverte parte do lucro para projetos sociais em sua comunidade: o Nordeste de Amaralina.

Continue lendo
Clique para comentar

You must be logged in to post a comment Login

Deixe uma resposta

Empresa

Habib’s fecha parceria com a BIS e lança novas esfihas folhadas de chocolate

Publicado

em

O Habib’s, rede de fast food, e a Mondelez, dona da marca de chocolates BIS, uniram-se para surpreender os brasileiros e lançarem as esfihas de chocolate HabiBIS.

Juntas, as marcas criaram dois sabores de esfihas folhadas doces que têm tudo para serem a mais nova sensação do momento. Os lançamentos são: folhada de creme de avelã com BIS Branco e folhada de chocolate branco com BIS Original (ao leite).

A campanha do HabiBIS foi desenvolvida em conjunto entre as duas marcas, criando assim, a melhor combinação de esfiha folhada doce com wafer crocante coberto por chocolate Lacta.

“Do mesmo jeito que é impossível comer um só BIS, é improvável alguém comer só uma de nossas esfihas. Então, quando juntamos as duas marcas, o resultado só pode ser um: HabiBIS. Esta parceria reforça o compromisso de ambas as marcas em apresentar novas formas de consumir seus produtos e de surpreender os nossos consumidores. Além disso, ela busca inovar e proporcionar uma experiência única de sabor e qualidade, mostrando o motivo de estarmos há décadas na vida dos brasileiros”, explica Roberto Gnypek, diretor de marketing do Grupo Habib’s.

Continue lendo

Empresa

Estudos da Russell Reynolds apontam áreas de atenção para uso eficaz de inteligência artificial nas empresas

Publicado

em

À medida que cresce o entusiasmo em torno da inteligência artificial generativa (GenAI), levantamento da Russell Reynolds, alerta sobre cinco áreas que demandam maior atenção dos executivos: cultura, liderança, estrutura organizacional, parcerias comerciais e gestão de riscos. O estudo Navegando na revolução da IA generativa, ressalta que, mais do que investir em novas tecnologias, é preciso desenvolver uma mentalidade tecnológica para implantação eficaz das soluções digitais, aproveitar ao máximo as oportunidades de negócios e fortalecer a segurança cibernética. Além disso, de acordo com a pesquisa Monitor Global de Liderança, também realizada pela consultoria, 65% dos líderes entrevistados afirmaram que estão pesquisando ou experimentando ferramentas, 29% ainda não discutiram a pauta e 7% já implementaram alguma GenAI no seu dia a dia.

“Para enfrentar os desafios dessa nova era tecnológica, é essencial que os executivos compreendam o potencial das IAs e saibam implementá-las de forma equilibrada nos negócios. Além dos riscos associados à segurança cibernética, é preciso avaliar se a empresa tem os talentos certos para conduzir a jornada, se está amparada legalmente para utilização das novas tecnologias e se há alinhamento e engajamento de todo o C-level em relação às mudanças necessárias”, explica Tatyana Freitas, head da prática de tecnologia e digital da Russell Reynolds Associates.

Os estudos da Russell Reynolds revelam a percepção dos executivos sobre a maturidade das suas empresas em relação à GenAI e apontam as questões que precisam ser revisitadas com maior atenção para explorar todo o potencial da tecnologia de forma mais eficaz:

Liderança: enquanto algumas empresas optam por criar a função de diretor de IA (Chief Artificial Intelligence Officer – CAIO), outras preferem incorporá-la a posições já estabelecidas de Tecnologia, como CIO, CTO ou CDO. Independentemente da abordagem, é preciso avaliar se a empresa tem talentos disponíveis ou capacidade de atraí-los e se todo o time executivo tem forte conhecimento sobre as novas tecnologias. Cerca de 72% dos líderes entrevistados concordam que uma forte compreensão da GenAI será habilidade fundamental para futuros diretores. Ao mesmo tempo, apenas 32% estão confiantes de que têm as competências certas para implementar a tecnologia em sua organização.

Cultura Corporativa: empresas orientadas a Tecnologia fomentam uma cultura de inovação e transformação, estabelecendo uma mentalidade de testar e aprender para que seus líderes sejam capazes de questionar produtivamente o status quo e assumir riscos para obter vantagem competitiva. Ao mesmo tempo, é preciso adotar uma abordagem mais deliberada, de integração da IA a processos existentes, para maior engajamento das equipes em encontrar diferentes formas de implementá-la em suas áreas, enxergando essa tecnologia como uma ferramenta que potencializa soluções, ao invés de possível substituta do capital humano.

Estrutura Organizacional: a adoção da GenAI aumenta a importância de áreas como Arquitetura da Informação e Ciência de Dados, além da ética a ser adotada, entre outros fatores. Isso demanda maior integração das funções necessárias para apoiar a sua implementação em diferentes áreas do negócio. Na pesquisa realizada pela Russell Reynolds, cerca de 28% dos entrevistados relataram que suas empresas criaram funções específicas para novas tecnologias abaixo do C-level e 21% que um Chief Artificial Intelligence Officer (CAIO) foi apontado. Além disso, a GenAI permite que executivos direcionem seus esforços para áreas mais estratégicas e tarefas de maior impacto para os negócios, possibilitando redistribuição de talentos e integração de setores.

Estratégias Comerciais: Elaboração de relatórios complexos, perfilamento de clientes para personalização de atendimento e oferta de serviços, identificação de tendências, desenvolvimento de novos produtos. As possibilidades de uso da GenAI são tão numerosas quanto o volume de dados que ela é capaz de analisar, por isso a importância do conhecimento de toda a liderança sobre a tecnologia e da curiosidade sobre os potenciais fluxos de receitas que sua área pode gerar.

Gerenciamento de Riscos: É preciso considerar, ainda, as implicações éticas das ferramentas, com construção de sistemas que considerem o propósito e os valores da organização e tenham normas claras de utilização da GenAI. Entre os líderes que já implementaram ou estudam a nova tecnologia, 48% priorizam uma abordagem que inclua a análise dos riscos legais e 41% que estabeleça políticas internas.

Para aproveitar melhor o potencial da GenAI, as organizações precisam primeiro compreender as suas capacidades digitais e avaliar o seu nível de conforto com os riscos associados à tecnologia. A partir disso, é possível tomar decisões sobre como e onde será implementada e desenvolver um roteiro estratégico adaptado às suas necessidades, valores e objetivos.

Continue lendo