Conecte-se com a LIVE MARKETING

Empresa

Bradesco aborda assédio contra mulheres em campanha

Publicado

em

Em 2020, a BIA, Inteligência Artificial do Bradesco, recebeu em torno de 95 mil mensagens de ofensas e assédio sexual. Ainda que ela não seja uma mulher real, essa constatação revela uma realidade que as mulheres enfrentam. Em campanha que estreou ontem (05/04), no intervalo do Jornal Nacional, o Bradesco mostra agressões verbais reais sofridas pela BIA e quais eram as respostas dadas. As interações são representadas por meio de locuções em off e projeções em paredes. Em seguida, o filme mostra a mudança de tom das respostas da BIA, posicionando-se de forma contundente contra o assédio. 

Anteriormente, quando a inteligência artificial do banco recebia algum xingamento, a resposta era passiva: “Não entendi, poderia repetir?”, em uma tentativa da pessoa mudar o tom da pergunta. A partir de agora, o posicionamento torna-se mais direto, forte, sem subserviência ou passividade. “Essas palavras não podem ser usadas comigo e com mais ninguém” e “Para você pode ser uma brincadeira. Para mim, foi violento” são algumas das novas devolutivas da inteligência artificial do banco. A ação está alinhada com a iniciativa “Hey Update My Voice”, da UNESCO. 

Apesar das interações acontecerem de forma online com a BIA, a campanha traz mulheres de verdade no filme, representando todas aquelas que sofrem assédio no dia a dia. No começo, elas estão tristes e indignadas com as ofensas. Depois, conforme as novas respostas aparecem, as mulheres sentem-se respeitadas e fortalecidas. 

A campanha ilustra o trabalho de meses, envolvendo os times de RH, Marketing e Tecnologia do Bradesco, em linha com movimentos corporativos mais amplos, como o #AliadosPeloRespeito e as frentes de Recursos Humanos com a Universidade Corporativa Bradesco (Unibrad), com ações e posicionamentos que provocam  reflexões sobre gênero, etnias, pessoas com deficiência e LGBTI+. 

“Através dessa iniciativa, o Bradesco amplifica ainda mais as vozes da sociedade e joga luz sobre um tema que precisa ser combatido com coragem, sem hesitação, promovendo atitudes mais respeitosas frente a situações de assédio”, comenta o diretor de Marketing do banco, Márcio Parizotto.  

A campanha também prevê anúncios, OOH, ativações nas redes sociais com vídeos de funcionárias do Bradesco mostrando os bastidores do projeto e uma landing page com o manifesto do posicionamento, conteúdos sobre as diversas formas de assédio, canais de denúncia e projetos sobre o tema.  

Ao longo da semana de lançamento, o banco fará ainda uma ação no Twitter, convidando as inteligências artificiais de outras marcas para se juntarem a este movimento de combate ao assédio. 

No dia 8, no YouTube do Bradesco, haverá uma live com Rita Batista como host e convidadas como a atriz Glamour Garcia e a psicanalista Vera Laconelli, debatendo seus pontos de vista e dando dicas de comportamento contra o assédio. 

Além disso, influenciadoras foram convidadas para gravar uma temporada de podcasts, que terá Mariana Torquato como host. O objetivo é promover conversas a respeito do tema e mostrar como as IAs estão mudando para combater essa violência, incentivando que mulheres se unam para fazer o mesmo. Os podcasts vão ao ar a partir de 26 de abril no Spotify.  

De acordo com a diretor de Recursos Humanos do Bradesco, Juliano Marcílio, a campanha com a BIA faz parte de uma iniciativa muito maior do banco, que já acontece há alguns anos, no combate à violência contra a mulher. “São diversas ações, como a adesão aos Princípios de Empoderamento Feminino, ao movimento He for She da ONU Mulheres, à Coalizão Empresarial pelo Fim da Violência contra Mulheres e Meninas, à Unstereotype Alliance, a assinatura da Convenção Coletiva Aditiva sobre Violência Doméstica e Familiar com a Mulher e a parceria com o Instituto Maria da Penha. Ampliamos a cada dia nossas ações educacionais com atitudes e o compromisso genuíno para a construção de uma sociedade madura e respeitosa”, comenta.  

Dentro de casa, as iniciativas ganharam até um lema: “Violência contra a Mulher. É da nossa conta” e marcam o compromisso do Bradesco em desenvolver e implementar políticas e procedimentos e garantir um ambiente de trabalho seguro. São promovidos diversos eventos internos e externos, debates com profissionais qualificados no tema e participação dos departamentos de RH e Marketing. As campanhas de comunicação e conscientização também fazem parte do projeto.  

Acessibilidade 

A campanha de BIA também é acessível para pessoas com deficiência visual e auditiva. Em linha com o propósito do Bradesco de promover a inclusão, desde junho do ano passado todos os filmes publicitários têm versões com tradução em libras e legenda, além de audiodescrição, em uma playlist exclusiva no canal do Bradesco no YouTube. Dessa forma, o banco democratiza o acesso desse público ao conteúdo da marca.   

Parceria com UNESCO 

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) lançou em 2019 o estudo ‘I’d Blush If I Could’ (‘Eu ficaria corada, se pudesse) mostrando evidências do assédio sexual sofrido pelas assistentes virtuais, que reflete a violência e o assédio virtual ou real sofridos por mulheres em todo o mundo. Foi baseado neste estudo que a UNESCO no Brasil iniciou a campanha ‘Hey Update My Voice’ (‘Ei, Atualize minha Voz’) e sugeriu às empresas um conjunto de recomendações para atualizarem as respostas de suas assistentes, com o objetivo de combater situações de violência e preconceito e ajudar a educar, contribuindo para a construção de uma sociedade mais igualitária, com mais respeito e melhoria das condições de vida e trabalho das mulheres. 

 

Matéria publicada no portal de notícias AdNews. Se quiser mais informações sobre o mundo da publicidade e do marketing acesse: https://adnews.com.br/

Continue lendo

Empresa

Luccas Neto lança primeiro jogo oficial dos Aventureiros para celular

Publicado

em

Os fãs de Luccas Neto, o maior criador de conteúdo infantil da atualidade, agora vão poder se divertir com seus personagens no primeiro jogo oficial do ator para celular: o Aventureiros Run – a Máquina do Dr. MauMau, desenvolvido pelo Black River Studio, do Sidia Instituto de Ciência e Tecnologia. O lançamento foi no dia 11 de maio.

No jogo, o personagem Luccas descobre que o Dr. MauMau criou monstros que serão espalhados por toda a Netoland. Ele convida Gi para que, juntos, transformem-se nos heróis Aventureiro Azul, com o poder da Coragem; e na Aventureira Vermelha com o superpoder do Amor para salvar a terra dos inimigos. As batalhas com os monstros são desenvolvidas em três mundos, cada um deles com 12 fases: o Reino da Alegria; a Cidade dos Brinquedos e a Floresta do Perigo. Os jogadores têm de controlar o personagem com movimentos de pular, agachar, desviar e atacar, além de outras ações especiais disponíveis. O objetivo é completar as missões em cada fase e receber moedas. Há também fases de Desafios, com maior nível de dificuldade.

O jogo, desenvolvido no estilo das famosas corridas infinitas, é voltado para crianças da faixa etária de 4 a 8 anos e está disponível nas lojas de aplicativos Android e iOS no valor de R$ 14,90. Segundo Luccas, “o jogo está muito divertido e é super atrativo para crianças e para adultos também. Além disso, ele ajuda no desenvolvimento da percepção e dos movimentos dos jogadores. Amo jogos nesse formato endless runner e poder aliar isso ao universo dos Aventureiros é mais um sonho se concretizando”.

“Estamos muito contentes com esta parceria com o Luccas Neto pela oportunidade de desenvolver um entretenimento para crianças em um momento em que vivemos a realidade de uma pandemia”, explica o Business Developer do Sidia, Ronaldo Mussa. Ele ressalta que o estilo endless runner, desenvolve habilidades visomotoras das crianças, a capacidade de concentração além de permitir o contato com conceitos da matemática como a conquista de moedas e derrota de monstros.

Sobre o Luccas Neto

Natural do Rio de Janeiro, o empreendedor, ator, produtor e roteirista Luccas Neto é o maior fenômeno do universo infantil na atualidade no país e é top of mind quando se trata de produção de conteúdo intrinsicamente ligado a entretenimento e mensagens socioeducativas para crianças.

Em 2018, criou a Luccas Neto Studios, que atua em diferentes vertentes, como: tecnologia (com a criação de aplicativos e jogos); filmes (longa metragens para serviços on demand como Claro Now, Netflix, cinema, TV e outras grandes plataformas); YouTube (com a criação de conteúdo para canais, como o Em Libras); editorial (livros em parceria com a editora Ediouro), música, licenciamento de produtos e shows, gerando mais de 150 empregos de forma direta e indireta.

Todo o conteúdo produzido é 100% autoral, com a curadoria de uma equipe multidisciplinar, formada por pedagogos e educadores, a fim de passar mensagens positivas, ensinamentos, responsabilidade e sonhos para as crianças.

Matéria publicada no portal de notícias AdNews. Se quiser mais informações sobre o mundo da publicidade e do marketing acesse: https://adnews.com.br/

Continue lendo

Empresa

Youtube Shorts pagará até US$ 100 mi para criadores

Publicado

em

Para competir com o Tik Tok, o Youtube anunciou que vai pagar até US$ 100 milhões para aqueles que produzirem conteúdo na plataforma Shorts, criada para a divulgação de vídeos curtos, como no rival chinês. . O objetivo é incentivar os criadores a escolher e postar continuamente em seu novo serviço.

O pagamento deve ocorrer mensalmente e os beneficiados serão os criadores com mais visualizações e engajamento do período. O Youtube não deu detalhes sobre a quantia exata que cada pessoa pode receber, mas qualquer um que se arriscar na produção de vídeos para o Shorts e alcançar bons números, pode ser escolhido para receber o valor.

A única exigência é que os vídeos sigam as diretrizes da plataforma e não sejam plágios de outros conteúdos. Ainda não há uma data definida para quando os pagamentos devem começar, mas o Youtube declarou que o fundo para criadores deve iniciar em breve e se estenderá até o ano que vem.

A estratégia do Youtube para capturar os criadores de conteúdo do app vizinho não é inédita. Em julho do ano passado, o TikTok já havia lançado um fundo para criadores de cerca de $200 milhões. O Snapchat também reagiu do mesmo modo, quando o Tik Tok e Spotlight foram lançados, pagando $ 1 milhão por dia aos produtores de conteúdo.

Youtube Shorts

O Youtube Shorts ainda está disponível apenas na Índia e nos Estados Unidos, onde foi lançado em março. Ele funciona de forma parecida com o Tik Tok ou Reels do Instagram, permitindo que vídeos curtos sejam publicados e assistidos dentro do aplicativo do Youtube. Assim como nas duas plataformas já conhecidas, o feed do Shorts é quase infinito, levando os usuários a passarem horas assistindo aos conteúdos.

 

Matéria publicada no portal de notícias AdNews. Se quiser mais informações sobre o mundo da publicidade e do marketing acesse: https://adnews.com.br/

Continue lendo