Estudo da IBM aponta: 64% dos diretores de marketing e vendas estarão prontos para adotar inteligência artificial nos próximos três anos

22 de agosto de 2017
Compartilhar:

61% dos entrevistados disseram que a computação cognitiva e IA permitirão a disrupção nas atividades de marketing e vendas, mas poucos afirmam que a tecnologia já consta no planejamento de suas corporações

A IBM acaba de divulgar seu novo estudo sobre como profissionais de marketing e vendas estão adotando ou pretendem utilizar tecnologias cognitivas. Apesar de 64% dos diretores de marketing e líderes de vendas entrevistados acreditarem que suas indústrias estarão preparadas para obter esse tipo de tecnologia nos próximos três anos, somente 24% dos participantes da pesquisa afirmam ter uma estratégia estabelecida no momento para aderir à inteligência artificial (IA).

Segundo o novo estudo do IBM Institute for Business (IBV), “Do dilúvio de dados à insights inteligentes: adoção de computação cognitiva para permitir valor no marketing e nas vendas”, tanto os CMOs como os chefes de vendas concordam que a “satisfação do cliente” é um dos motivos mais valiosos para adotar soluções cognitivas ou de inteligência artificial. Muitos dos entrevistados disseram que não estão seguros de que suas organizações estão de fato preparadas para fazer uma transição bem-sucedida.

A pesquisa foi realizada junto a consultoria Oxford Economics e se baseia em uma entrevista com 525 CMOs e 389 líderes de vendas de indústrias globais, incluindo países da América Latina.

Constituem 13% da pesquisa executivos de empresas que superaram a concorrência durante os últimos 3 anos em fatores como crescimento de receita, rentabilidade, entre outros. Destes:

93% acreditam que a computação cognitiva está pronta para ser usada no mercado;
91% afirmam que a computação cognitiva é boa para suas organizações;
24% asseguram que já estão aplicando tecnologias cognitivas em suas empresas, mas somente os 3% da outra turma de CMOs e executivos de vendas afirmam o mesmo.
Estes executivos de alta performance estão à frente do ‘jogo cognitivo’, pois 73% já coletam e analisam informações do mercado externo.

 

O que é computação cognitiva ou inteligência artificial?

A computação cognitiva é a tecnologia que pode compreender e racionalizar rapidamente grande quantidade de informações estruturadas e não estruturadas, como sons e imagens, de maneira similar aos humanos: raciocinando, aprendendo e interagindo. Enquanto as análises tradicionais usualmente se baseiam em dados estruturados para que as empresas tirem conclusões, as tecnologias cognitivas têm a capacidade para analisar e extrair valor das informações estruturadas e não estruturadas – 80% dos dados são “invisíveis” às companhias.

Para os diretores de marketing entrevistados, a vantagem real destas soluções se encontra em duas áreas-chave: melhora na experiência com o cliente e resultados financeiros – incluindo o aumento dos rendimentos financeiros e da capacidade de identificar o ROI de marketing.

De acordo com Claudio Santos, líder de IBM Watson Customer Engagement, há três pontos necessários para dimensionar o alto potencial da inteligência artificial nas áreas de marketing e vendas:

Incluir soluções cognitivas na estratégia de reinvenção digital das empresas de qualquer tamanho: a inteligência artificial proporciona melhor experiência do cliente por meio da hiper-personalização. As novas tecnologias permitem extrair conhecimento das preferências, comportamentos e atitudes dos usuários, para tomar decisões que beneficiam os negócios

Fazer da inteligência artificial uma oportunidade de ouro se tratando de colaboração e inovação: implementar soluções cognitivas para marketing e vendas requer um alinhamento estreito entre o CMO, o diretor de vendas, o CIO – Chief Executive Officer -, o CTO – Chief Technology Officer -, entre outros envolvidos para cumprir com os objetivos estratégicos do negócio. O uso de IA também pode alinhar o serviço ao cliente, cadeia de fornecimento, desenvolvimento de produtos, recursos humanos e capacitação, assim como operações e finanças.

Começar pequeno, mas começar. Muitos executivos de marketing e vendas temem que a mudança para a IA os obrigue a “diminuir e substituir” as ferramentas e processos que utilizam para analisar as informações dos clientes e criar experiências. Pelo contrário, existem numerosos tipos de soluções cognitivas que marketing e vendas podem implementar para superar desafios específicos. Mais da metade das empresas que superaram a concorrência já começou sua transição para a inteligência artificial. O risco real é esperar demais para mudar.
Conheça mais sobre o estudo em https://ibm.co/2ulD0Ub