Débora Lima da Cunha: Os ensinamentos do fracasso: como ressignificar os projetos que não deram certo?

5 de Abril de 2018
Compartilhar:

Errar é humano inclusive na vida profissional, quando se trata de carreira ninguém é 100% feito de sucessos. Não importa o quanto o candidato se esforce para mostrar na entrevista seus melhores resultados, sabemos que existem algumas histórias que não saíram como planejado. Mas apesar de parecer assustador falar sobre os projetos que não deram certo o que realmente conta durante o processo seletivo é a maneira como você ressignifica seus fracassos, erros e falhas.

A melhor maneira de dar um novo sentido aos projetos que não saíram como planejado é antes de mais nada se responsabilizar pelos resultados. Muitos candidatos colocam o fracasso nas mãos de fatores externos, enquanto tomar consciência de sua parcela de culpa é fundamental para aprender com as falhas e principalmente transformar essas situações em fatores de crescimento profissional.

É claro que os fracassos são amargos e muitas vezes custam caro para o profissional e para a empresa, mas é indispensável ressignificar esses momentos e transformá-los em oportunidades de aprendizado para que o mesmo erro não seja cometido futuramente.

Durante o processo seletivo é comum o recrutador buscar entender mais do que o resultado obtido em cada projeto. No momento da entrevista, queremos saber o passo a passo, a maneira como o planejamento foi executado. É geralmente nessa hora que os candidatos mostram quem eles são e como se comportam diante dos desafios diários nas cadeiras que ocupam.

Não é comum o recrutador questionar diretamente sobre um projeto que não deu certo, mas muitas vezes a maneira como o profissional se comporta, e como ele conta a história acaba entregando sua visão pessimista, orgulhosa, centralizadora, irresponsável, entre ouros adjetivos. Nesse caso manter uma atitude e uma postura voltada para a resolução dos problemas e para o aprendizado em cada etapa do processo é indispensável.

Minha principal dica é, mantenha seu discurso em seus pontos forte, busque sempre destacar aquilo que tem de melhor sem precisar evitar as perguntas difíceis. Mostre para o recrutador que suas qualidades superam seus pontos de melhoria e fuja dos clichês em dizer que seu principal defeito é ser perfeccionista. A transparência e a verdade são as únicas formas de construir um elo de confiança.

Sua linguagem não verbal, como postura, expressão, estilo, as roupas que está vestido, também falam muito sobre você. Seja simpático, autêntico, honesto e sincero. Se você for questionado sobre uma demissão em circunstâncias delicadas, nunca minta. A mentira é o prior inimigo de um candidato, mas, no caso de demissões delicadas, você também não precisa se expor, revelando detalhes que podem queimar todas as suas chances com o mercado.

De modo geral mantenha-se positivo diante de um projeto que não deu certo, mostre seu empenho e dedicação, responsabilize-se pelos resultados, compartilhe os créditos e demonstre o quanto aprendeu ao longo do processo. Os recrutadores estão mais interessados em saber quem você é quem pode se tornar, do que quem você foi no passado.

Débora Lima da Cunha é formada em administração de empresas pela PUC-SP e headhnter na Trend Recruitment, boutique de recrutamento e seleção para marketing e vendas.