Conecte-se com a LIVE MARKETING

Artigos

Marcos Trinca – O impacto das tecnologias imersivas nos negócios das empresas globais

Publicado

em

*Marcos Trinca

O avanço tecnológico tem transformado a vida das pessoas. Podemos notar essas transformações desde a chegada dos PCs, na década de 80, e como eles mudaram o nosso mundo, seja na forma de aprender, trabalhar e de se comunicar, já com a chegada da internet na década de 90. Desde então, a usabilidade das tecnologias só foi aumentando, ainda mais quando pensamos nos smartphones, que chegaram no início dos anos 2000. Hoje em dia é quase impossível se imaginar sem um desses aparelhos.

Relembrando todos esses cenários, é perceptível notar a mudança de hábitos da sociedade e como as pessoas passaram a consumir informação de formas diferentes. As transformações de consumo são muito constantes e caminhamos para uma nova década de revolução tecnológica, que ronda em torno das tecnologias imersivas, como realidade aumentada (AR) e realidade virtual (VR).

A primeira experiência com realidade aumentada mais próxima das pessoas, sem dúvida, foi a do game Pokémon Go. No jogo, os usuários procuram por personagens do desenho animado e quando apontam o celular para um local físico, visualizam na tela do aparelho os personagens encontrados. Porém já vivemos um novo momento em que essa mesma tecnologia está sendo inserida em outros segmentos, como indústria, varejo, saúde, educação, imobiliário, entre outros.

Com os investimentos das empresas globais e a preocupação com a maneira de se comunicar com seu público, a grande vantagem desse movimento é para o consumidor, que tem à disposição uma inovação significativa para enriquecer sua experiência de compra, oferecendo uma opção prévia, participativa, motivadora e decisiva para o processo da compra. Por isso, é necessário buscar entender como a sociedade está respondendo aos novos paradigmas de consumo, e a forma de disponibilizar essa tecnologia faz toda a diferença.

Mais que uma tendência, esse recurso já está revolucionando o processo de compra, pois as empresas globais têm buscado inovar na forma de comunicar seus produtos e serviços por meio das tecnologias imersivas. Imaginar que hoje o consumidor pode visualizar o carro que deseja comprar projetado em sua garagem, ou mesmo simular a funcionalidade de um determinado produto, é transformador. Essas soluções estão ganhando destaque no planejamento estratégico das empresas, que pretendem surpreender os consumidores com um diferencial que tende a aproximá-los das marcas, inseridas diretamente em seus smartphones conectados à internet.

Outra ação que repercutiu positivamente foi a de vacinação infantil. A partir de um estudo divulgado em janeiro de 2017 pela Clínica Sansum, na Califórnia (EUA), as crianças que usavam o óculos 3D transmitindo uma história heroica no momento de receber a vacina relataram sentir 75% menos dor e 52% menos medo que as que tomaram a vacina sem o acessório. É incrível ver como a realidade virtual tem o poder de transformar esse tipo de experiência que, muitas vezes, pode ser traumática, envolvendo medo e ansiedade.

O setor de cosmético também tem conquistado resultados interessantes a partir da disponibilização de testes dos itens de beleza em tempo real, como a cor de um batom, o tom de um blush, o efeito que a maquiagem terá no tom de pele, representando comodidade, economia e praticidade para ambos os lados. Poderia citar outros muitos exemplos do impacto das tecnologias imersivas nos negócios e na vida dos consumidores, mas já antecipo que a tecnologia veio para ficar e, o que parecia distante, possível apenas em filmes de ficção científica, está presente em nosso dia a dia com potencial para mudanças significativas. As empresas que olharem para as tecnologias imersivas como uma solução estratégica, ganharão notoriedade e ainda mais competitividade no mercado.

* Marcos Trinca é Head de XR da More Than Real, empresa brasileira referência global no desenvolvimento de experiências e soluções de Realidade Aumentada. Há 20 anos empreendendo no mercado de tech, é desenvolvedor, matemático, músico e estudioso do impacto da tecnologia no comportamento da sociedade.

Continue lendo
Clique para comentar

You must be logged in to post a comment Login

Deixe uma resposta

Artigos

Todas as empresas precisam permanentemente de tubarões no tanque

Publicado

em

Todas as empresas precisam permanentemente de tubarões no tanque

No mundo dos negócios, é muito comum utilizar-se de histórias e metáforas para passar mensagens importantes. Por isso, hoje vou lhes contar uma que aconteceu nos anos 80. A indústria pesqueira do Japão notou que um problema estava acontecendo. Com o passar dos anos, os peixes estavam cada vez mais distantes da costa, pois o país tem um alto consumo de peixes em seu cardápio. Para solucionar isto, tornou-se necessário construir embarcações maiores e viajar por mais dias para ter acesso aos grandes cardumes.

Essa parte foi de fácil solução. Os navios foram construídos, as viagens foram realizadas e os peixes foram encontrados, porém um novo desafio emergiu. Como os dias de viagem eram mais longos, os peixes já não chegavam tão frescos como antigamente e isso prejudicou a qualidade e fez com que o consumo caísse. Novamente foi criada uma solução. Construir navios ainda maiores e colocar tanques de água dentro dos navios para que os peixes chegassem vivos à costa. A ideia parecia boa, mas…. não deu certo. Os peixes chagavam sim frescos, mas o gosto não era o mesmo, pois, dentro dos tanques, com comida à vontade e sem predadores naturais, esses peixes ficavam parados, preguiçosos e inativos, e isso mudava o sabor da sua carne.

Foi neste momento que surgiu uma ideia que inicialmente parecia um absurdo. Colocar pequenos tubarões nesses tanques para que os peixes se sentissem ameaçados e se movimentassem constantemente em busca de sobrevivência durante a viagem. Logo vieram as objeções de que muitos peixes morreriam no trajeto e isso poderia não valer a pena. Mesmo assim, algumas empresas decidiram testar a ideia. O resultado foi que, sim, alguns poucos morriam no caminho, mas o sabor e frescor estavam de volta e o consumo voltou a crescer.

Eu escutei esse caso no início da minha vida como gestor e nunca mais esqueci. Mesmo tendo acontecido do outro lado do mundo, e com um segmento de mercado totalmente diferente do que eu atuo, essa se transformou em uma excelente metáfora para o mundo corporativo. Todas as empresas precisam permanentemente de tubarões no tanque.

O que isso quer dizer? Todas as empresas, principalmente as já estabelecidas no mercado acreditam que tem seu futuro garantido e terão uma vida longa e próspera. Mas isso não existe mais. É preciso se reinventar o tempo todo e estar aberto ao novo, ao diálogo, a novas soluções antes não pensadas. Basta ver alguns exemplos atuais com como Uber, Spotify e Netflix. Cada uma destas empresas transformou a forma como as pessoas dialogam com transportes, músicas e filmes.

A metáfora do tubarão também serve para as pessoas dentro das empresas. A grande maioria de nós, busca trabalhar em ambientes seguros, cercado de pessoas que pensam semelhante, assegurando o mínimo possível de contradições e desconforto. É a busca, consciente ou não, pela zona do conforto. Da mesma forma que os peixes dentro dos tanques, esse comportamento nos transforma em “peixes preguiçosos”, quando o que realmente precisamos é dos “tubarões” que pensam diferente e que nos desafiam.

Tubarões geram inquietude, receio e preocupação. Eu sei que parece ruim, mas são os tubarões que criam um ambiente de desafio constante que faz com que nós como indivíduos, como times e como organização, busquemos evoluir e nos desenvolvermos.

Para finalizar, minha dica é: Tenha um tubarão em sua vida!

Sobre Filipe Colombo – CEO da Anjo Tintas e conselheiro profissional formado pelo IBGC

Continue lendo

Artigos

Vacinas x retomada no setor de eventos

Publicado

em

Vacinas x retomada no setor de eventos

Quase que a cada semana nas últimas 4, o Governo do Estado de SP vem anunciando antecipações do calendário de vacinação.

Sem dúvida nenhuma essa agilidade impacta em todos os mercados e claro, de maneira mais forte e importante no mercado de entretenimento, eventos e cultura tendo em vista que se trata de um setor que respira relações presenciais e vive os eventos como shows, congressos, feiras de negócios, festas, convenções, lançamentos etc.

Ainda que o mercado tenha se adequado ao momento trabalhando no formato digital e híbrido, é sabido que o presencial ainda é o mais eficaz e que resulta em movimento de empregos e fluxo financeiro mais expressivo.

Já ficou claro também que no retorno ao presencial, o híbrido será, sem dúvidas, o formato que estará presente na maioria dos projetos de live marketing, mas como podemos enxergar essa evolução ou retomada em relação ao que se vê diante da escalada das vacinas?

O mercado de Live Marketing como um todo está, sem dúvida nenhuma, ansioso pela vacina e a oportunidade de entregar seus projetos novamente com a mesma emoção presencial de antes, mas o que não pode ser esquecido é que retomar os projetos presenciais não é uma questão única de vacinar, mas sim do cliente se sentir seguro e confortável.

Quando falamos em eventos sociais (casamentos, bodas etc) envolvemos “CPFs”, mas quando se trata de projetos corporativos, neste caso os CNPJs são os mais envolvidos e esse ponto é o mais sensível. As marcas precisam sentir-se seguras e prontas para esse contato novamente.

E como nós, players e profissionais do mercado, podemos contribuir para essa confiança e segurança?

Desenvolver protocolos em conjunto com as entidades do setor e, inclusive, lado a lado entre concorrentes, afinal neste momento falamos de um objetivo em comum e isto precisa estar à frente de qualquer outro ponto.

Estimular seu cliente, aos poucos, a acreditar nesses protocolos, é mostrar tanto em custos quanto no projeto que é possível entregar com segurança, emoção e resultado dentro de novos padrões de proteção. Nossos clientes precisam conhecer, entender e sentir-se cuidados por nós, players e fornecedores do setor.

É preciso entender que, com vacina, com alguns estados vacinados, ainda não teremos 100% de segurança e teremos a parceria das máscaras, álcool gel e o distanciamento mínimo por um bom tempo ainda e isso nos faz trabalhar a cada dia mais focados em estruturar planilhas, defesas e argumentos de condução dos eventos presenciais.

Se mantivermos o olhar na experiência e nas inovações de tecnologia e comunicação que 2020 nos proporcionou, “forçadamente” ou não, indiscutivelmente nosso mundo de Live Marketing tem tudo para ser algo ainda mais apaixonante e surpreendente, seja em projetos 100% presenciais ou híbridos, nossos desafios estão em manter os propósitos evidentes, sermos mais humanos do que nunca e pra sempre, construirmos bases de segurança sólidas e elevarmos a régua do “humanizar marcas” mostrando que são constituídas, sim, por pessoas.

*Felipe Guedes é sócio e diretor geral da Intensitá agência.

Continue lendo