Conecte-se com a LIVE MARKETING

Digital

Jout Jout, Nah Cardoso e outros nomes participam de série sobre criadores de conteúdo digital no Brasil

Publicado

em

Com oito episódios, “Na Rede.BR” estreia na terça-feira, 8, e terá a participação de diversas personalidades que são referência nas mídias digitais nacionais

O canal de TV por assinatura Prime Box Brazil exibe, a partir das 21 horas de terça-feira, 8, a série “Na Rede.BR”. A nova produção brasileira retrata a rápida expansão dos criadores de conteúdo digital no país, com a participação de vários nomes que são referência nas mídias digitais nacionais: Nah Cardoso, Jout Jout, Ian SBF (diretor do Porta dos Fundos), Iberê Thenório e Mari Fúlvaro (do canal Manual do Mundo), Maíra Medeiros (Nunca te Pedi Nada), Nátaly Nery (do Afros e Afins, o maior canal de empoderamento negro do mundo), entre outros. O Prime Box Brazil é distribuído pelas principais operadoras de televisão paga do país, como Net, Sky, Claro, Vivo, Oi e Algar, entre outras.

A série “Na Rede.BR” é dividida em oito episódios, sendo que cada um deles carrega uma temática diferente. Inclusive sobre business, já que, há alguns anos, ser “youtuber” não era sequer especulado e, atualmente, é uma “carreira” almejada por muitos, além de possibilitar pessoas de todas as idades e classes sociais a ganharem posição de destaque nas mídias digitais. Nah Cardoso, Danielle Noce, Gil Giardelli e Fabi Fróes são os nomes que discutem esse assunto.

Para a produção da série, que foi realizada pelo canal DRelacionamentos, foram feitos levantamentos e análises com dados desde o ano de 2010 sobre diversas vertentes que tornam as mídias digitais ferramentas tão poderosas, cujos resultados podem apresentar benefícios e malefícios. O feminismo é um dos temas abordados, pois, após a ascensão das mídias digitais, os desabafos e denúncias são cada vez mais frequentes. Também há um questionamento a respeito do acesso de crianças que já não sabem mais viver sem internet, uma vez que, sem o devido controle dos pais, elas podem eventualmente se tornar vulneráveis a situações indesejáveis ou inapropriadas às suas idades.

Diversas outras discussões também são abordadas na série, como se é possível aplicar legislação para conteúdo produzido na internet da mesma forma que para a televisão, se os grandes veículos de comunicação podem “ruir” por conta das produções para a internet e se os produtores de conteúdo para o ambiente on-line não estão “amarrados” em grades de programação, se seguem manuais próprios na gestão do conteúdo que produzem ou se aderem às regras são aplicadas nos veículos convencionais.

Felipe Ventura e Jackeline Salomão, produtores executivos da série e administradores do canal DRelacionamentos, comentam sobre a importância da existência dos Criadores de Conteúdo digital, assim como uma série que estuda o impacto dessa categoria no Brasil. “Os hábitos das pessoas mudaram muito rápido e a tecnologia nos acelerou demais. Agora, ou aceleramos nossa compreensão e amadurecermos, ou seremos atropelados por uma nova forma de entretenimento e comunicação enquanto aguardamos o break comercial, afirma Felipe. “É importante que o Brasil olhe para a internet com seriedade e senso crítico, pois é dali que sairão nossas próximas grandes mudanças sociais, sejam elas positivas ou nem tanto”, completa Jackeline.

A sére “Na Rede.BR” terá episódios inéditos exibidos sempre nas noites de terça-feira, até o dia 26 de fevereiro, com reprises às quartas-feiras às 9 horas, aos sábados às 14 horas e aos domingos às 2 horas.

Sinopse por episódio

Episódio 1: Feminismo

Desde o formato dos vlogs, vídeos de denúncias e desabafos são disseminados em escala viral. O acesso das mulheres a narrativas comuns do dia-a-dia permite o fortalecimento do grupo e a insurgência da terceira onda feminista da história. Graças ao empoderamento feminino, o debate sobre igualdade entre gêneros alcança centros de poder político e econômico e expõe o problema do machismo e da normalização da cultura do estupro na sociedade. Jout Jout, Maíra Medeiros, Nataly Neri e Maria Guimarães conduzem a conversa.

Episódio 2: Kids

É possível dizer que a geração nascida no século 21 já não sabe como é viver em um mundo sem internet. O comportamento e a forma de se relacionar das crianças de hoje são completamente influenciadas pelo universo digital. Mas quem é responsável pelo que elas produzem e consomem na grande rede? Como regular a publicidade abusiva e a superexposição da faixa social mais vulnerável em um ambiente tão plural? Acompanhamos Eloá – do canal Eloá e Diversão -, sua mãe Eliana, a escola de youtubers mirins Happy Code, a advogada Ekaterine Karageorgiadis e a pesquisadora Luciana Corrêa para explorar esse assunto.

Episódio 3: Vloggers

De todas as previsões sobre empregos do futuro especuladas há alguns anos, nenhuma foi capaz de antecipar o surgimento do youtuber. Desde 2010, produtores de conteúdo brasileiros da maior plataforma de vídeo sob demanda do mundo exploram formatos e desenvolvem modelos de negócios desta carreira tão promissora do novo mercado. Danielle Noce, Nah Cardoso, Gil Giardelli e Fabi Fróes discutem o business e a história da produção de vídeo para a internet.

Episódio 4: Humor

De todos os formatos inovadores que aparecem nos vídeos digitais da internet, foi no gênero de humor a subversão mais evidente. O surgimento do canal Porta dos Fundos deixou claro que o formato da comédia e a televisão como um todo estavam envelhecendo. Mas as liberdades de linguagem da grande rede trouxeram de volta uma antiga discussão: quais são os limites do humor? Ian SBF, Bubarim e o advogado Marco Antônio dos Anjos discutem as fronteiras legais e éticas da comédia na internet.

Episódio 5: Educação

Canais educativos são uma das opções do variado cardápio disponível nas plataformas de vídeo. A internet possibilita que professores extrapolem os limites da sala de aula para alcançar os mais remotos rincões do Brasil. Mas como a educação pública poderia tirar proveito da extensa oferta de conteúdo educativo à disposição na rede? Rafael Procópio, Iberê Thenório, Mari Fúlfaro e especialistas discutem curadoria e alcance do conhecimento pelo YouTube e as possibilidades legais da prática da educação domiciliar.

Episódio 6: Periferia

A era digital e da banda larga democratizaram a produção audiovisual no Brasil e no mundo. Um dos seus efeitos mais revolucionários é permitir a qualquer pessoa ser protagonista das próprias histórias. A periferia, tão estigmatizada pela mídia tradicional, pode enfim retratar suas nuances e sua complexidade. Dona Rúbia, P.drão, Mamuti e Danilo Cymrot refletem sobre a vida simples, a produção musical e a criminalização da cultura de quem vive longe do centro.

Episódio 7: Diversidade

Dar voz a grupos excluídos das narrativas de mídia, como negros, gays e pessoas trans, permite uma reação organizada de um público que nunca havia sido devidamente representado na TV. Movimentos como o #OrgulhodeSer, promovido pelo YouTube, são capazes transformar autoestima, estruturas sociais e padrões publicitários. Com os holofotes sobre as questões negra e LGBT, o mercado se remodela e passa a atender o consumidor em suas diversas particularidades. Pedro HMC, Thiessa Woinbackk e Gabi Oliveira dão suas diferentes perspectivas sobre o assunto.

Episódio 8: Live

Os eventos esportivos e as coberturas jornalísticas ao vivo são os pilares econômicos das mídias tradicionais que a internet ainda não conseguiu derrubar. No entanto, ao que parece, essa ruína é uma questão de tempo. Thiago Romariz, Bruno Torturra, Bia Granja e Anderson Gurgel comentam a função das lives da internet na integração do usuário, a importância da não-intervenção do conteúdo pela edição de vídeo e refletem sobre o futuro dos direitos de transmissão das TVs.

SERVIÇO

Seriado ‘Na Rede.BR’

Novos episódios: todas as terças-feiras, às 21h

Reprises: quartas-feiras, às 9h; sábados, às 14h; e domingos, às 2h

Episódios: 08

Duração: 24 minutos por episódio

Classificação indicativa: Livre

Principais operadoras de TV por assinatura: NET, Sky, Claro TV, Oi TV e Vivo TV

Continue lendo
Clique para comentar

You must be logged in to post a comment Login

Deixe uma resposta

Digital

Rocky.Monks é o mais novo parceiro da JustForYou

Publicado

em

A agência digital full service Rocky.Monks, em mais uma movimentação de mercado, fecha uma nova parceria com a JustForYou, maior marca de personalização de produtos de hair care da América Latina. Com início neste ano, a parceria visa aumentar os resultados em mídias pagas, expandindo a marca  e ajudando na divulgação das novidades da empresa.

“Nosso time de Mídias Pagas já está a todo vapor. Para nós, é de suma importância parcerias com grandes empresas como é o caso da JustForYou, e tenho certeza de que, com um bom trabalho do nosso time, vamos atingir ótimos resultados para que essa parceria dure por muitos anos”, explica Daniela Gebara, sócia fundadora e diretora comercial da Rocky.Monks.

A JustForYou é mais um grande cliente como Telhanorte e Loungerie, que também compõem a carteira de mais de 80 clientes da Rocky.Monks. Além disso, em 2021, a agência foi reconhecida como uma das melhores agências de comunicação para se trabalhar pelo GPTW.

Continue lendo

Digital

Monetização de dados é componente importante da Transformação Digital que movimentará US$ 2,3 trilhões até 2032

Publicado

em

O conceito Data Driven e a consequente monetização desses dados cresce exponencialmente e cada vez mais deve fazer parte dos negócios em todos os níveis. O mercado de transformação digital vai movimentar US$ 2,3 trilhões até 2032, com crescimento médio de 14,2% ao ano, de acordo com o relatório Market Research Report da Fact.MR. Apenas este ano, a expectativa é de que o segmento atinja US$ 621 bilhões. A consultoria Forrester avalia que as empresas que são Data Driven estão crescendo 30% ao ano.

O consultor Caio Cunha, presidente da WSI Master Brasil e membro do Global WSI Internet Consultancy Advisory Board, afirma que o novo modelo significa sobrevivência no mercado. “Ser Data Driven hoje é um diferencial competitivo. Muitos dos concorrentes já adotam e os que não adotarem vão sair do mercado. Cada vez mais os clientes querem ações mais inteligentes”, sentencia o consultor.

Cunha explica que a empresa que é Data Driven usa uma base de dados estruturada, com informações concretas para a tomada de decisões, apoiada em ferramentas de Business Inteligence, inteligência de negócios na tradução. O sistema usa grande quantidade de dados de maneira rápida, segura e eficiente.

“Monetizar esses dados passou a ser interessante. Essas tecnologias podem ser usadas para reduzir custos com automação de tarefas, aumentar receitas identificando e servindo melhor os clientes, atrair mais clientes com engajamento reduzindo esforços, ser mais pessoal e melhorar qualidade dos serviços sem aumentar a equipe”, afirma o consultor.

Continue lendo