Conecte-se com a LIVE MARKETING

Empresa

DMCard bate recorde no 1º semestre de 2019 com R$ 1,1 bilhão movimentado nos cartões private label

Publicado

em

Montante representa um aumento de 32,5%, mantendo com folga a média de crescimento do valor gasto nos cartões, e ainda um crescimento de 50% de propostas com consumidores buscando cada vez mais o crédito

No primeiro semestre de 2019, foi movimentado nos cartões private label administrados pela DMCard pouco mais de R$ 1,1 bilhão. Valor que representa um crescimento de 32,5% nos gastos dos consumidores comparados com o mesmo período do ano passado, quando foram movimentados quase R$ 698 milhões. Além disso, também foi verificado um aumento de 50% nas propostas recebidas, o que mostra o consumidor do supermercado buscando cada vez mais o crédito para encher seu carrinho.

É a primeira vez que a companhia ultrapassa a marca de R$ 1 bilhão em um semestre. Além disso, a variação mantém com folga sua média de crescimento, que é de 30% ao ano. O cartão de loja se mostra um fenômeno que merece atenção, já que estes resultados foram consolidados em um ano que se iniciou marcado pelo encolhimento da economia com PIB negativo.

Há apenas três anos, em 2016, a administradora de cartões de crédito celebrava ter ultrapassado pela primeira vez a marca do bilhão durante todo aquele ano, quando registrou uma movimentação de R$ 1,08 bilhão em 12 meses. Desde então, nunca mais fechou um ano abaixo dessa marca, pelo contrário, apenas manteve seu ritmo de crescimento contínuo, conforme tabela abaixo.

ANOVALOR MOVIMENTADO
2016R$ 1,08 bi
2017R$ 1,3 bi
2018R$ 1,8 bi
2019 (previsão ano)R$ 2,4 bi

Cenário econômico e novas parcerias impulsionam crescimento

Carlos Tamaki, Diretor Financeiro da DMCard, explica o que tem impulsionado os bons resultados. “O cartão de loja tem sido cada vez mais buscado pelo consumidor como uma alternativa, já que tem encontrado dificuldade em conseguir crédito na rede bancária. Simultaneamente a este fenômeno, também tivemos um ano de forte expansão fechando contratos ou comprando carteiras de novas redes por todo o Brasil, muitas de grande porte e com faturamentos que ultrapassam R$ 1 bilhão ao ano”.

No final de 2018, a DMCard adquiriu a carteira de crédito dos Supermercados BH, em Minas Gerais, o 7º maior varejista do país que, até então, fazia a gestão de seu private label internamente. Já, no início deste ano, a DMCard adquiriu 100% da carteira de cartões de loja da UnidaSul, empresa gaúcha que administra as redes Supper Rissul (varejista) e Macromix (atacado) que, juntas, foram a terceira maior rede supermercadista do Rio Grande do Sul. E, além disso, também deu início a sua entrada no Nordeste, fechando contrato com quatro redes, na Bahia: RedeMix Supermercados, Supermercados Hiperideal, Supermercados Meira e Supermercados C&S.

Papel do Private Label na economia e no poder de compra

Como uma das líderes em seu segmento, os resultados da DMCard são um recorte desse mercado que comprova a força e a importância do cartão de marca própria para o segmento supermercadista e também para o poder de compra do consumidor e movimentação da economia.

A administradora ultrapassou a marca de 2,8 milhões de cartões emitidos em todo o território nacional em 2.200 pontos de venda das mais de 190 redes supermercadistas parceiras. Apenas no primeiro semestre, 708 mil novos consumidores preencheram propostas solicitando crédito para suas compras, um aumento de 50% quando comparado ao mesmo período do ano passado. Destas, uma média de 32% foram aprovadas, “uma taxa de aprovação que, devido ao risco de inadimplência crescente no país, teve uma leve queda mais que continua acima da média do país, onde as instituições financeiras tem reduzido cada vez mais suas ofertas de crédito e limites de compra”, explica Tamaki.

Somente neste período, a DMCard injetou no mercado mais de R$ 607 milhões em crédito, sendo R$ 201 milhões apenas em novos cartões emitidos e R$ 406 milhões em crédito concedido por meio de aumento do limite para portadores de cartões já ativos.

Os números são reflexo de um sistema bem estruturado e tempo médio de 5 minutos para uma proposta ser analisada e aprovada, potencializando os resultados do varejista. A maior agilidade foi alcançada graças a migração do atendimento das promotoras que registravam as propostas por um website para um aplicativo em dispositivos móveis, estas já representam 43% das propostas cadastradas.

Crescimento durante a crise

No primeiro trimestre de 2019, o Banco Central registrou encolhimento da economia, com PIB negativo de -0,2%. No mesmo período de janeiro a março, o IBGE também mostra uma queda do consumo nos supermercados de -0,9% e vendas no varejo em geral crescendo apenas 0,3%, em todo o Brasil.

Para uma comparação mais precisa, sendo considerados apenas os três primeiros meses do ano (período consolidado pelo Banco Central e IBGE até o momento) a DMCard teve um crescimento bastante alto para o cenário econômico, um aumento de 28% no valor gasto nos cartões. Uma diferença bastante acentuada que colabora para comprovar o papel do private label na economia atual, como pode ser observado na tabela abaixo.

PIB (Banco Central)– 0,2%
Vendas Supermercados (IBGE)– 0,9%
Varejo em Geral (IBGE)0,3%
DMCard28%

Dados de variação consolidados pelo Banco Central e IBGE do primeiro trimestre em comparação com o mesmo período de 2018 pelas fontes:

Apoio ao supermercadista para enfrentar a concorrência

A DMCard investe constantemente em projetos e novas tecnologias, sempre em busca do incremento das vendas e de potencializar os resultados das redes supermercadistas parceiras. São importantes ferramentas para que enfrentem a concorrência com as gigantes do mercado oferecendo os mesmos benefícios aos seus consumidores.

Além do aplicativo para smartphones e tablets da DMCard, pelo qual os portadores contam com facilidades como consultar suas faturas, limite disponível, melhor dia de compra e realizar alterações cadastrais. E do aplicativo utilizado pelas promotoras para o preenchimento de propostas de forma muito mais ágil, em qualquer lugar da loja sem a necessidade de levar o consumidor até o balcão. Também já é uma realidade o aplicativo de ofertas totalmente customizado com a marca de cada rede.

Trata-se de um aplicativo desenvolvido pela DMCard, contudo, personalizado com a marca e as necessidades de um varejista específico. Ou seja, independente do tamanho e número de lojas, uma rede pode disponibilizar seu aplicativo próprio oferecendo cupons e ofertas de acordo com o perfil individual de cada cliente. Um processo possível graças a uma poderosa ferramenta de CRM que coleta e trabalha de forma inteligente dados de comportamento de compra. Atualmente já existem 19 redes oferecendo a facilidade e outras 19 em fase de desenvolvimento.

Continue lendo
Clique para comentar

You must be logged in to post a comment Login

Deixe uma resposta

Empresa

Free Free e Dzarm lançam collab inspirada no Outubro Rosa

Publicado

em

Free Free, plataforma e Instituto que trabalham pela liberdade física, emocional e financeira de mulheres, através de iniciativas que aceleram a equidade de gênero, a inclusão e a transformação social, lança uma collab em parceria com a marca Dzarm. Com o lema “A Nossa Liberdade é Pink”, as peças são inspiradas no Outubro Rosa, mês de conscientização e prevenção do câncer de mama, e apresentam estampas divertidas e mensagens cheias de significado, que podem ser usadas em diferentes ocasiões.

O projeto é uma iniciativa do Free Free Fashion, que trabalha a moda como ferramenta de cura e libertação. Com calças, vestidos e blusas, todos na cor rosa, a coleção busca trazer força e inspiração, celebrando o poder das mulheres e ressignificando o pink. “Nós acreditamos que a moda tem um grande poder de suporte, recuperação e resgate na vida das mulheres. O rosa não é uma cor frágil. Ele traz força, alegria e bom humor. Vesti-lo nesse momento que está todo mundo cansado e de luto significa ter coragem. O pink é superpower!”, afirma Yasmine McDougall Sterea, CEO e fundadora do Free Free.

Para combater o medo, a desinformação e a falta de acesso a consultas e exames, a DZARM e o Free Free estão doando 100 consultas médicas para o Horas da Vida, instituição sem fins lucrativos que atua promovendo a inclusão e o acesso gratuito à saúde para pessoas em situação de vulnerabilidade social. O projeto conta também com o apoio do laboratório Femme, que realizará doações de mamografias, reforçando a importância do diagnóstico precoce na luta contra o câncer de mama. Além de parte das vendas serem revertidas para os cursos e projetos de impacto do Free Free.

Entre as participantes do projeto estão Yasmine Sterea, Stella Yeshua, Leticia Nascimento, Rosa Saito, Stella Yeshua, Mônica Alcântara e Ana Arietti. Através da moda, todas elas transformaram suas vidas e formas de se expressar e de lidar com o corpo.

Continue lendo

Empresa

Plataforma de conexão Portland usa o Intercâmbio Criativo Brasileiro como ferramenta de inovação

Publicado

em

A diversidade cultural representa o conjunto de costumes e tradições, que vão desenhando os comportamentos e valores em diferentes regiões. Uma porta se abriu durante a pandemia e veio para ficar, é um caminho sem volta em que os “hubs” estão na nuvem, o home office permite que diferentes culturas se conectem e, consequentemente, tragam novas perspectivas, visões e criatividade para os projetos.

E, falando de Brasil, por conta do seu extenso tamanho territorial, e sua diversidade abundante, notamos o quão grande é o seu potencial de troca de experiências e conhecimento.

Uma empresa é formada por seus funcionários em que, cada um deles, possui uma identidade cultural, uma história de vida. Logo, cada empresa é reflexo de quem a compõe. E, pensando assim, é importante que nesse “microambiente” sejam levadas em conta essas diferenças, para ser uma troca saudável e receptiva.

Exemplo desse intercâmbio de visões diferentes é a Portland, uma plataforma de conexão de diferentes realidades que atua para a reconstrução de um mercado mais humano e um mundo mais criativo.  Na 5ª temporada em 2021, expandiu sua rede em formato Webinar para além da diversidade étnica e social, considerando outros recortes demográficos que potencializaram a pluralidade das conexões.

A agência abriu seu processo seletivo à distância quebrando as barreiras do espaço físico, possibilitou a conexão com pessoas que, apesar de estarem longe, estão na mesma sintonia que a empresa. O resultado foi a inscrição de mais de 800 candidatos de todo o Brasil, que tiveram a oportunidade de mostrar o seu lado mais criativo para vagas conectadas pela Portland.

Com candidatos Portlanders mais diversos, os resultados elevaram: “Conseguimos ampliar as nossas visões para outros horizontes que possibilitaram a construção de projetos ainda mais humanos e, consequentemente, criativos. Foi possível integrar pessoas de diferentes lugares do Brasil trazendo as pessoas como protagonistas e representantes de diferentes recortes da diversidade, o que tem deixado nossos processos mais ricos e os resultados mais genuínos”, diz Bruno Höera, fundador da agência.

A mudança radical de comportamento no trabalho, de uma maneira geral, possibilitou ainda mais esse intercâmbio. A pandemia trouxe um protagonismo das áreas de RH das empresas e das agências que surgiu por conta da urgência das empresas precisarem entender as realidades de cada um de seus funcionários, identificando as suas necessidades particulares para um home office suficientemente estruturado e uma equipe mais acolhedora e empática.

Para a Portland, a diversidade é uma ferramenta de inovação e esse é um dos fatores que fazem do Brasil um país tão criativo. A pluralidade de pessoas em uma empresa permite um ambiente melhor de trabalho, mesmo que virtual, aumentando a produtividade e a rentabilidade das corporações. É uma conta simples, mas que apenas ficou óbvia quando o discurso ficou batido o suficiente para ser transformado em ações. E, muitas dessas ações validaram na prática o que estava difícil da teoria explicar.

A próxima temporada de recrutamento da Portland tem previsão de acontecer no verão – porque o sol é para todes. A ideia é ir mais além e trazer outra visão de diversidade. Em sua 6ª temporada, a diversidade etária não só será uma das pautas, mas também uma prática. “Na questão geracional, sabemos que atualmente há duas grandes lacunas na inclusão de pessoas: jovens que não têm experiência e não conseguem entrar no mercado; e ainda as que têm muitos anos de praia, mas não conseguem uma recolocação, principalmente por conta do preconceito em relação à atualização e uso de ferramentas e tecnologias – o que obviamente é um grande mito. A maturidade coloca os nossos processos e projetos em um outro patamar de entrega”, reflete Höera.

Se olharmos por outro lado, realmente existe um mercado inteiro a ser explorado. Enquanto muitas marcas focam suas comunicações na juventude, o Brasil vai aumentando a faixa etária da média da sua população. É, a partir daí, que a economia prateada vai ganhando espaço e relevância. Um grupo multicultural – seja de ideias, vivências ou idade – é de extrema importância, pois resulta em um ambiente mais agradável e dinâmico.

Continue lendo